Espaço Pensar +

FACA SEM CABO E SEM LÂMINA - 07.11.23


Por Percival Puggina
  
Conta-se que uma fábrica de facas reuniu seus executivos para estudar uma forma de se tornar mais competitiva. Era imperioso diminuir o custo de suas facas. No meio da reunião, um dos participantes, cogitando da hipótese de que o custo do cabo afetasse demasiadamente o custo da faca, perguntou: “Quanto custaria nossa faca, se fosse fabricada sem o cabo?”. Alguém da contabilidade fez as contas e concluiu que essa faca sem cabo custaria 80% da faca inteira. Um outro foi além: “E quanto custaria cada faca se a fizéssemos sem lâmina?”. Por curiosa que fosse a ideia de uma faca sem lâmina, a contabilidade fez os cálculos e informou que ela sairia por 60% de uma faca completa.
 
Por fim, a pergunta aparentemente mais delirante: “E se fizéssemos a faca sem lâmina e sem cabo, qual seria seu custo?” O chefe da contabilidade, calculadora em punho, informou, irritado, que aquela hipótese de faca, “essa coisa sem cabo e sem lâmina, custaria 40% da faca inteira”.
 
O diálogo serviu para mostrar a todos que os custos fixos, incluídos impostos e salários, inclusive o deles, chegava a 40% do preço da faca. Mesmo sem fazer nenhuma faca, ainda assim a fábrica tinha um gasto elevado. Se quisessem baixar o preço da faca teriam que reduzir as despesas da administração.
 
Isto é um aviso para todos nós e para o Brasil. Num processo de crescimento lento, ou recessivo, podem acontecer duas coisas e nenhuma é boa. Na primeira alternativa, os preços sobem porque os custos fixos têm que ser repartidos entre uma quantidade menor de produtos vendidos. Nós já tivemos isso: recessão e inflação. O que é uma loucura. Na segunda hipótese, o governo ou os cidadãos passam a importar de onde os produtos, sem inflação e sem recessão, custam menos. E aí a indústria nacional quebra.
 
O Estado brasileiro é uma fábrica de facas sem cabo e sem lâmina. Custa caríssimo para existir e sua entrega é desproporcional à sua despesa. O pouco que entrega é caro demais.
 
Por isso, as pessoas de bom senso insistem na necessidade de reforma administrativa para reduzir o tamanho do Estado e na redução do gasto público como forma de diminuir a carga tributária – sem dúvida o maior estímulo ao consumo e à produção. O baixo crescimento econômico é sinônimo de desemprego ou subemprego; sinônimo, também, de maior índice de pobreza, ou seja, de aumento do gasto público, situação em que uma faca, sem cabo e sem lâmina, na mão do Estado, corta nosso pescoço.


Leia mais  

IDEOLOGIA SANGUINÁRIA - 06.11.23


Por Alex Pipkin

 

Trajando tênis Puma e/ou Nike, camisetas caras, elaboradas artesanalmente, e óculos “da hora”, meninos vestindo rosa, meninas azul, saem às ruas para protestar pelos oprimidos contra os opressores, contra os ricos exploradores do mundo.

Eles se ausentaram de bons condomínios de áreas nobres das cidades, após um café da manhã regado a uma variedade de frutas. Estudam em colégios e/ou universidades particulares, caras, ou tiveram o “privilégio” de uma boa formação para adentrar à universidades públicas.
São bancados pelos pais, trabalhadores de fato. Para alguns desses mancebos, seus pais são conservadores, egoístas. Para essa juventude “progressista”, seus pais, eventualmente, também foram opressores, são privilegiados que não fizeram nada para tornar o mundo mais justo. Alguns, com graúdos sentimentos de culpa, até suportam a aventura juvenil.
O sonho coletivista dessa juventude idealista e inexperiente, é cultivado cotidianamente nas universidades e/ou colégios, catequizados por marxistas disfarçados de professores, intolerantes e totalitários, que não suportam qualquer pensamento dissonante de sua ideologia sectária.
Universidade significa totalidade, mas é exatamente isso que menos se encontra nelas.
A doutrinação jesuíta é abissal, ostensiva. Universidades se transformaram em câmaras de eco que reforçam o monoteísmo esquerdista. Faz muito tempo, não há livre discussão e investigação.
Há muito tempo tenho alertado sobre aquilo que, confesso, rouba-me a esperança de um futuro melhor.
Essa juventude iludida será nossa futura (des)elite, com sua ideologia coletivista sustentada por falácias, sentimentos e emoções. Eles festejam o altruísmo inconsistente.
Os juvenis justiceiros sociais arrotam as palavras “justiça social”, quando na verdade eles pregam altruísmo e caridade.
Pergunte a esses jovens, e seus professores marxistas, se eles estão dispostos a acomodar um jovem em suas boas residências? Questione-os se eles estão dispostos a dar parte de seus soldos estatais para os pobres? Preciso responder?
Essa turma esquerdista hipócrita executa com maestria o “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”!
São meros sinalizadores de virtudes, praticantes de uma generosidade teórica, em que verbalizam igualdade, porque, genuinamente, têm inveja e raiva daqueles que produzem - empregando - e que alcançam seus objetivos individuais.
Eu conheço vários desses sujeitos do clube da esquerda caviar. Uma enormidade! Adoram prazeres capitalistas.
Eles são radicais políticos intransigentes, que passarão por cima de tudo e de qualquer coisa para levar em frente seu propósito coletivista de vida.
Qualquer coisa significa, inclusive, fazer sair do armário seus genuínos sentimentos antissemitas. Horror.
Evidente que eles não querem a solução da “causa palestina” - não sabem quase nada -, a liberdade de expressão, à justiça social, ou qualquer outra questão verbalizada em tom solene por esses raivosos.
São autoritários que não conseguem conviver com absolutamente nada que vá de encontro aos seus devaneios ideológicos, muitos aprendidos pela brincadeira do telefone sem fio.
Alguns deles, declarados e psicóticos, todos conhecemos.
O grande problema está naqueles que são covardes, e não têm coragem de assumir aquilo que pensam e fazem no “escurinho do cinema”.
Se o fizessem, talvez isso os convencessem do próprio autoritarismo que acusam os outros.
Eles estão sempre em busca de um propósito que dê sentido a sua sanguinária ideologia coletivista.
Não importa que isso conduza a matança de bebês, crianças, mulheres, jovens, adultos e idosos da minoria judaica, minorias que esses hipócritas afirmam defender.
Admito que um ponto tem sido esclarecedor: as máscaras caíram! E a triste verdade é que a grande maioria desses hipócritas é ANTISSEMITA. Não há mais como se esconderem.
Na realidade, como professor, de longa data, sempre senti esse antissemitismo “velado”. Nunca pensei que o veria nesse formato moderno e “na moda”. Escárnio.
Esses raivosos sectários ideológicos lutam por monstros terroristas do Hamas.
De minha parte, luto por meus antepassados, que pereceram nas mãos de bestas nazistas.


Leia mais  

TRÊS VOZES SOBRE O MESMO TEMA - 03.11.23


1- Por J.R. Guzzo

 

ANTISSEMITISMO É SÓ RACISMO E ÓDIO, MAS AGORA VEM DISFARÇADO DE "CAUSA JUSTA".

O mundo está vivendo a sua pior onda de antissemitismo desde a perseguição aos judeus no regime nazista da Alemanha de Hitler. Desta vez, vem disfarçado de apoio à “causa palestina”. Mentira: é antissemitismo puro, direto na veia, e não um tipo de ação política legítima. Esse surto de ódio vem sendo armado, peça por peça, há muito tempo – desde que as pessoas começaram a descobrir que podiam se comportar como nazistas sem correr nenhum risco. Ao contrário: o preconceito racial foi se tornando a atitude politicamente mais correta.

 

A desculpa era perfeita. O sujeito podia ser antissemita dizendo que era “antissionista”, ou anti-Israel, ou anti-imperialismo dos Estados Unidos – e a favor da “libertação da Palestina”, do Terceiro Mundo e do “campo progressista”. Depois do último ataque terrorista contra Israel, no qual 1.400 civis foram mortos, bebês assassinados e mulheres estupradas, o racismo antijudeu deu o seu maior salto desde o holocausto promovido na Alemanha nazista. Israel reagiu, exercendo o seu direito à autodefesa. Imediatamente deixou de ser vítima e passou a ser acusado de agressor.

Junto com as condenações a Israel, as cobranças de “paz” e os apelos humanitários, vieram imediatamente as manifestações explícitas de ódio aos judeus.

 

Israel está combatendo um grupo terrorista, o Hamas, que cometeu os crimes em massa do começo de outubro e prega, oficialmente, o genocídio do povo israelense – diz que os judeus devem ser jogados coletivamente no mar, e que o seu Estado tem de ser “extinto”. Por ter reagido à agressão com bombardeios e a invasão de Gaza, a região controlada pelo Hamas, vem sendo denunciado por “genocídio”, por “crimes contra a humanidade”, por manter uma “prisão a céu aberto”, por massacrar civis e daí para baixo.

 

se diz, nunca, que não haveria nenhum palestino morto se os terroristas não tivessem feito a chacina que fizeram contra Israel. Exige-se um “cessar fogo” por parte de quem foi agredido – algo como exigir dos Estados Unidos um cessar fogo em resposta ao ataque do Japão contra Pearl Harbour. Cobram “proporcionalidade”, quando o direito internacional determina que só pode ser considerada desproporcional a reação que ultrapassa os limites do seu objetivo estratégico. O objetivo de Israel é destruir o Hamas, para não ser destruído por ele – e é isso, exatamente, o que está fazendo.

 

Foi a oportunidade para se abrir a comporta do antissemitismo. Junto com as condenações a Israel, as cobranças de “paz” e os apelos humanitários, vieram imediatamente as manifestações explícitas de ódio aos judeus. Gritos e cartazes de passeatas não ficam só no “antissionismo” – exigem com todas as letras que o mundo “se livre dos judeus”, estejam onde estiverem.

Estrelas de David são pintadas em residências e outros imóveis de cidadãos de origem israelita, como denúncia: “Aqui tem judeu”. Atacam-se sinagogas. Passageiros de um voo internacional vindo de Israel sofrem tentativas de ataque físico. O que qualquer coisa dessas tem a ver com a “defesa do território palestino”? É racismo, de novo, e em escala mundial – agora com a máscara de uma “causa justa”.

 

 

2- Por ROBERTO RACHEWSKY - (Pensar+)

PROPAGANDISTAS DO MAL

Os países árabes, pelo menos os mais radicais, religiosos medievais, vão cortar relações com o país vítima de terrorismo, em vez de cortarem o apoio aos terroristas que infernizam a vida e acabam com a paz de quem que viver sua vida.

 

Ocupação, genocídio, apartheid, limpeza étnica, são slogans que os propagandistas do mal cantam para os irracionais do ocidente apoiá-los. 

Dezenas de milhares de palestinos, árabes, esquerdistas, nazistas, saem às ruas para incitar a prática de violência, para exaltar o terrorismo. Isso não é liberdade de expressão, é crime. Principalmente quando usam local público formando hordas para defenderem os atos de pura maldade, que nenhum ser humano normal conseguiria executar.

A Alemanha já declarou que vai coibir este tipo de manifestação. Alemães sabem bem o que é o nazismo e reconhecem seus crimes contra os judeus e outros grupos étnicos ou políticos durante o que convencionaram chamar de terceiro reich.

Não é possível que se tenha vivido a Renascença, o Iluminismo, a Revolução Gloriosa, Americana, Francesa, a II Guerra Mundial, para o Ocidente regredir e ser tomado por uma ideologia religiosa dogmática, intransigente, teocrática que mata mulheres, porque não usam direito um pano na cabeça, gays, cristãos ou judeus.

Se o comunismo e o nazismo mataram milhões, esperem para ver quando o Hamas, Isis, Al Qaeda, Boko Haram, Talibã , Jihad Islâmica, Hisbollah e os países que os apoiam, Irã, Qatar, Síria, Bahrein, Yemen, Rússia, resolverem fazer o que se viu em 07/10 em Israel.

 

3- Por PERCIVAL PUGGINA (Pensa+)

KIT IDEOLÓGICO ESCOLAR: UMA OUTRA GUERRA.

 O episódio aconteceu numa aula do Colégio Anchieta, um dos mais bem conceituados de Porto Alegre. Certo professor de História colocou na pauta o conflito entre Israel e o Hamas, negando o emprego da palavra terrorista para designar a atividade desta organização. Gravado por uma das alunas, o vídeo (imagem estática), com áudio e legendas da conversa ocorrida pode ser assistido aqui.

 

Tudo que o professor fala é muito típico. Ele provoca o assunto definindo o Hamas como grupo político hegemônico representante da população palestina. Cria uma equivalência: os mísseis disparados por Israel equivaleriam às monstruosidades que caracterizaram o ataque do Hamas aos kibutzes vizinhos a Gaza, bem como à festa rave nas proximidades de Re’im. Note-se que os terroristas do Hamas fazem vítimas entre não combatentes, seviciando, matando e incendiando-as, olho no olho de suas vítimas; Israel faz vítimas civis como consequência de bombardeios avisados, aos locais usados pelo Hamas, não obstante, o professor descreve isso como Israel “entrar numa área e matar crianças palestinas”.

 

A estética da guerra é sempre tenebrosa, mas há um abismo ético entre as duas situações!

A dialética do professor, idêntica à da esquerda mundial, pinça o que lhe parece mais conveniente. Não menciona os cerca de três mil mísseis disparados pelo Hamas no início de sua operação cujo objetivo é destruir o vizinho. Imagine o estrago que essa chuvarada de mísseis produziria caindo sobre alvos aleatórios em zonas urbanas se Israel não contasse com a proteção antimíssil proporcionada pelo “domo de ferro”.

 

No momento em que começou a ser confrontado pelos alunos que lhe descrevem os horrores praticados pelo Hamas, o professor muda rapidamente de posição. Israel deixa de ser o causador guerra, mas diz que essa história não começou agora. Afirma que há dois lados e que ele, professor, não tem lado. “Tu tá tomando um lado, cara; eu não tô tomando lado nenhum”. E passa a acusar seus alunos de “terem lado”, informados por fontes “a serviço de Israel e dos Estados Unidos”.

 

Qual a lição inesperada que o caso proporciona?

Um professor militante, portador desse kit ideológico que infesta a cadeia produtiva da Educação em nosso país, tem problemas para sustentar sua opinião num debate com adolescentes bem formados e informados no ambiente familiar. Desconheço os protagonistas do fato. Contudo, sublinho no exemplo proporcionado pelas “meninas” e pelos “caras” (para dizer como o professor), a lição de que não se deve aceitar passivamente tudo que é narrado ou analisado pelos donos do toco de giz. Senhores pais, cuidem de seus filhos!

 

A atitude exemplar dos estudantes, contrapondo-se e não comprando opinião por conteúdo didático, gravando conversas desse tipo de aula, inibiria significativamente uma das principais armas de outra guerra – a guerra que a esquerda promove contra a Civilização Ocidental dentro das nossas salas de aula.

 

É triste, mas verdadeiro. Profissão tão nobre paga, com a própria imagem, as consequências do uso abusivo que tantos fazem de seus kits ideológicos para seduzir corações e mentes infantis e juvenis. 


Leia mais  

DEMOROU... - 01.11.23


Por Igor Morais

 

Demorou, mas parece que uma parcela significativa dos analistas finalmente acordou para o problema fiscal do Brasil. Mesmo assim, esse processo está sendo marcado apenas pela dúvida das promessas de déficit zero, ao passo que eu migro do pessimismo de antes para um ponto mais longe ainda que nem sei denominar.

Explico:

1- De um lado a arrecadação segue minguando certo? Sim, no acumulado do ano ficou em R$ 1,74 trilhões contra R$ 1,82 trilhões do acumulado de 2022. Uma queda, descontado o efeito inflacionário, de -4,39%. Seria como se o Governo tivesse deixado de tirar da população R$ 80 bilhões. Onde está o problema aqui?

1. O esgotamento da arrecadação do IR, o mais importante tributo que responde por quase 50% do total, e parou de subir;

2. A ideologia, que impede o Governo de fazer concessões e privatizações, resultando em R$ 41 bi a menos de receita;

3. A pessima gestão estatal que reduziu o lucro das empresas e reduziu a distribuição de dividendos em R$ 56 bilhões;

4. O IPI, que já chegou a gerar de receita para o Governo R$ 90 bilhões e está em R$ 58 bilhões, o segundo pior resultado da história;

5. O fim do ciclo das commodities. A receita com a exploração de minerais, como o minério de ferro, por exemplo, chegou a gerar R$ 140 bilhões para os cofres públicos.

São meses de retração que trouxe esse para perto de R$ 117 bilhões. Ainda é significativo, mas a desaceleração econômica mundial pode derrubar ainda mais a receita com essa rubrica. E as despesas? Bem, parece que nada foi feito para segurar a turma. E não é apenas o gasto com pessoal que sim, reverteu o processo de queda e já aumenta. Mas o impacto maior está vindo de outras rubricas: 1. INSS. São R$ 42 bilhões a mais e tende a piorar com a alta no salário mínimo para 2024;

 

2- Os gastos com LOAS que atingiram o recorde histórico de R$ 89 bilhões. Você sabe o que é isso? "é a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência que comprove não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família".

Surpreende como o gasto com essa rubrica aumenta todo ano;

 

3- Mais gasto com seguro-desemprego que aumentou R$ 4 bi esse ano. Sabe o que é interessante? O gasto aqui aumenta mesmo com os dados do IBGE apontando queda na taxa de desemprego. Essa relação inversa já vimos antes no período 2010-2015. Dejavu. Onde isso está batendo? Na dívida bruta. Soma-se o deficit de R$ 71 bi com mais R$ 670 bilhões de pagamento de juros e logo logo estaremos flertando com 90% do PIB de dívida, condenando a próxima geração a pagar essa conta.

Ficou triste? Não quer que teus filho(a)s ou neto(a)s paguem isso? Então basta aumentar a arrecadação, pagamos nós essa conta.


Leia mais  

CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE - 31.10.23


Por Roberto Rachewski

 

Leio no New York Post do dia 24 passado, que a Força de Defesa de Israel interceptou Mahmud falando com os paispelo celular da mulher que ele acabara de matar. Exultante,Mahmud dizia: “Pai, matei pelo menos 10 judeus com minhas próprias mãos". Orgulhoso, declara: “Mãe, seu filho é um herói". O pai pede: “Volte para Gaza, basta.” Mahmudsuplica: “Por favor, tenha orgulho de mim, pai.” E completa: “Como assim, voltar? O que há de errado contigo? Ou a vitória ou o martírio. Minha mãe me colocou no mundo para lutar pela religião.” Antes de desligar, Mahmud reitera que enviou imagens. Provas do seu heroísmo, evidências da suabarbárie particular. 

 

Entendam, Hamas governa Gaza. Os terroristas não sãomarcianos. São pessoas comuns que ligam para os pais para contar o que fizeram num sábado. Naquele sábado, invadiram Israel, roubaram, estupraram, dilaceraram, decapitaram, mutilaram, queimaram, assassinaram e sequestraram inocentes, bebês, crianças, adolescentes, adultos, mulheres grávidas, sobreviventes do Holocausto e até cães. As cenas, capturadas pelos próprios terroristas, excitaram os militantes da esquerda e os idiotas úteis que servem de massa de manobra nas manifestações onde gritam, histericamente: “Viva Hamas”. Os fatos permitem a dedução de que a população de Gaza sofre lavagem cerebral. A autoestima dá lugar à obediência servil e à devoção a uma causa perdida, sem volta, sem futuro. Os fanatizados seguemuma ideologia religiosa totalitária que tem a extinção do Estado de Israel e dos judeus entre suas premissas. O povo de Gaza sofre, enquanto seus líderes psicopatas vivem luxuosamente no Qatar, na Turquia ou no Irã.

 

O massacre do dia 07 de outubro, não deixa dúvidas, o Hamas está doutrinando jovens para se comportarem como  selvagens, seres incapazes de usar a razão, de alcançar qualquer noção de moralidade, inaptos para a vida em sociedade. Atrocidades assim foram cometidas por alemães e japoneses no passado. Só aceitaram a rendição incondicional, permitindo o retorno da civilidade ao Japão e à Alemanha, após os aliados terem devastado Dresden, Hiroshima e Nagasaki. Render o Hamas é necessário para que Gaza possa ser civilizada, superando o vitimismo que leva à dependência, à submissão e ao ódio.

 

Israel é fruto do esforço de banqueiros, agricultores, comerciantes, industriais e trabalhadores judeus que fugiram do antissemitismo, compraram terras, investiram, transformaram a escassez dos pântanos e dos desertos, num oásis de abundância, construíram uma sociedade livre, aberta, próspera. O povo judeu pode guiar o povo palestinonessa caminhada, como foi guiado por Moisés pelas areias do Sinai, fugindo do Egito, em direção à liberdade.


Leia mais  

OS FILHOTES DE MUSSOLINI - 30.10.23


Por Percival Puggina  

        

Na Universidade Federal do Amazonas, marmanjos e marmanjas tentaram expulsar a gritos e empurrões um palestrante judeu que precisou ser escoltado por PMs.

 

Em Brasília, a Caixa Cultural (da Caixa Econômica Federal) custeou e patrocinou a exibição de “O grito”, mostra de imagens onde a bandeira do Brasil é usada para agressivas e grosseiras mensagens politicamente afinadas com o atual governo da União.

 

O Ministério da Igualdade Racial gastou metade da verba de uso livre, que é de R$12,5 milhões, em viagens e diárias de assessores e dirigentes com destinos dentro e fora do país.

 

O governo, seu partido e seus militantes se recusam a qualificar o Hamas como organização terrorista. Responsabilizam Israel pelo indescritível ataque sofrido no momento em que negociava sua convivência pacífica com o Egito.

 

Em Goiás, professora de uma escola particular postou em rede social foto sua usando camiseta com a frase do artista Flávio Oititica – “Seja marginal, seja herói”.

 

Em todo o país, para o jornalismo militante (e qual não é, nos mais destacados veículos?), entrechoques entre policiais e bandidos só dão causa a críticas dirigidas aos primeiros e a análises sociológicas sobre a dura vida dos segundos. É raro, raríssimo, encontrar, aqui ou ali, um reconhecimento do valor, dos riscos cotidianos e das agruras inerentes à atividade policial. 

 

As Salomés da política, instaladas na pagadoria da publicidade oficial pedem aos Herodes de cada meio de comunicação as cabeças dos Joões Batistas conservadores ou liberais. Os Herodes entregam e o jornalismo brasileiro expurgou para as mídias sociais seus melhores profissionais.

 

O que une esses fatos, todos tão recentes, seja entre si, seja a muitos outros semelhantes no passado (e, com certeza, também no futuro)? Qual é o problema desse pessoal?!

 

Todos esses eventos envolvem o ativismo esquerdista e expressam características fascistas. Seus adversários políticos são o destino final de todas as maldições, vivem ao desamparo de direitos fundamentais e são as únicas pessoas no mundo a quem tratam como criminosos e para quem pedem cadeia... Sobre os verdadeiros bandidos, dizem que “no Brasil se prende demais” e que “prender não resolve”. Por isso, defendem o desencarceramento.

 

São filhotes de Mussolini. Querem a censura e a interdição dos “lugares de fala” de toda divergência. Festejam quando seus adversários são julgados à distância, por crimes que não cometeram e condenados a penas desproporcionais. Aplaudem a omissão do presidente do Senado e as manobras do presidente da Câmara. A discordância política sobre o agir das instituições é classificada como “discurso de ódio”.

 

Os atores desses eventos promovem usos abusivos de eventuais situações de poder. Alguns, como os marmanjos e marmanjas das universidades públicas, por serem majoritários, oprimem a minoria se ela se atreve a divergir. Outros, servem à causa ou querem atiçar a revolução social.

Já passou da hora de propor que a fobia à direita política – causa de discriminações, opressões e origem de violência – seja considerada, também, “crime análogo ao racismo”. Ah, Brasil!


Leia mais