Espaço Pensar +

BOOM


Texto do Pensador Roberto Rachewsky - 19.06.2020

 

Boom!

 

Social-democratas são petistas com estudo avançado.

 

Frequentaram Sorbonne, Columbia, Yale, Harvard, Cambridge e preferencialmente Berkeley.

 

Adoram falar em ideias abstratas inexequíveis mas que lhes conferem certidão de bom coração.

 

Bom coração na visão de quem não consegue entender minimamente uma simples abstração.

 

Falam coisas sem sentido como: “o governo ser o canhão da sociedade”. O único canhão que me vem à mente nesta metáfora é uma doze com o cano cortado.

 

Ora, a sociedade e sua economia, para voar, não pode estar no alvo dos canhões do estado, ela deve estar amarrada aos foguetes da iniciativa privada.

 

Social-democratas falam coisas como promover a inclusão social dos excluídos. Ora, não há excluídos no mercado livre. Desculpem a lembrança.

 

É óbvio, os que seriam incluídos na operação que instalaria o centro de distribuição do Mercado Livre, investidores, criadores de riqueza, mão de obra e os coletores de impostos, foram excluídos pelo canhão do estado.

 

Social-democratas falam coisas como igualdade de oportunidade. Bingo! Em uma canetada zeraram as oportunidades criadas pela iniciativa privada para centenas ou milhares de pessoas, ao rejeitarem uma única operação mercantil deixando a todos de novo igualmente sem oportunidades.

 

Sim, esses são os social-democratas, os petistas estudados, preferem todos iguais na miséria do que desiguais na riqueza com prosperidade.

 

Boom!

 

Gravataí ouviu o barulho do canhão. Lá se foi mais uma oportunidade de incluir quem quer e precisa criar valor.

 

Isso não é novo. Guaíba já ouvira esse estrondo quando os social-democratas sem estudo detonaram a fábrica da Ford.

 

Os vizinhos catarinenses agradecem ao governador Eduardo Leite por este ter promovido a inclusão social e as oportunidades criadas pelo CD da Mercado Livre na margem norte do Rio Mampituba e do Rio Uruguai.

 

Canhão da sociedade. Sei.


Leia mais  

"NÓS, QUE LUTAMOS PELA DEMOCRACIA!..."


Texto do Pensador  Percival Puggina - 19.06.2020

 

            A palavra democracia é prostituída no cotidiano de certos grupos políticos e de todos os regimes totalitários. Ressalvadas algumas pessoas de esquerda que conheci e respeitei ao longo dos muitos anos que com elas debati em centenas de programas de rádio e TV, a palavra deve causar dor de garganta à maioria de seus companheiros. Cá entre nós, qual a credibilidade de um grupo de antifas ou black blocs ao entrar na avenida portando faixas "pela Democracia"? Se olhasse apenas a faixa sem ver a estampa daqueles que a portavam, dir-se-ia que o grupo iria protestar contra o STF. Qual a credibilidade dos ministros do STF para falarem em democracia enquanto desprezam a opinião pública e o resultado da eleição?

 

Nessa encrenca política, típica de republiqueta bananeira em que o país está enfiado, volta e meia a frase que dá título a este artigo é pronunciada, com poses de estadista, por membros de alguns partidos de esquerda. Que é isso, companheiro? Prá cima de mim?

 

Os que pegaram em armas e foram para a clandestinidade eram menos hipócritas que a atual geração de revolucionários de terno e gravata. Estes últimos povoam o aparelho de Estado, lutam por privilégios e pelo seu direito a correção dos vencimentos enquanto uma combinação sinistra de vírus com burrice já tomou o emprego de milhões de brasileiros que atuam no setor privado.

 

            Como entender que alguém ou que alguma organização política se apresente como lutadora pela democracia e use unhas e dentes da retórica para  defender Hugo Chávez e seu sucessor Nicolás Maduro, os irmãos Castro (da empresa cubana Castro & Castro, Cia. Ltda) e a ternura "sedenta de sangue" de Che Guevara? Que credibilidade tinha a democracia entre as nações submetidas a torniquetes políticos e econômicos pela extinta URSS, rebatizadas sem consulta como Repúblicas Democráticas, ou Repúblicas Populares, quando não proclamando uma junção dos dois adjetivos?

 

            Repito: os que pegaram em armas e foram para a clandestinidade eram menos hipócritas. Não prostituíram a palavra. Não a usaram para enganar bobos. Sempre que penso sobre a apropriação do vocábulo, que ganhou aberrante efeito demonstração na arruaça da Avenida Paulista, me vem à mente um episódio no qual terroristas e guerrilheiros tiveram a oportunidade de proclamar ao Brasil quem eram e o que pretendiam. E o fizeram, para a História, de viva voz e próprio punho. Era o mês de setembro de 1969. Duas organizações guerrilheiras, a ALN e o MR-8 haviam sequestrado o embaixador dos Estados Unidos, Charles Burke Elbrick, e imposto condições para libertá-lo: soltura de 15 presos políticos e leitura em cadeia nacional de rádio e TV de um manifesto que haviam redigido. Naqueles dias, estava em plena vigência o AI-5 e o Brasil era governado por uma junta militar, em virtude do derrame cerebral que acometera o presidente Costa e Silva. Embarcar os presos para o México e para Cuba era fácil, mas autorizar a publicação nos principais jornais e a leitura em cadeia nacional de uma catilinária dos sequestradores era constrangedora rendição. Contudo, a execução do embaixador pelos sequestradores seria um mal maior. E a junta militar se rendeu.

 

            O país parou para ouvir o texto redigido por Franklin Martins, um dos sequestradores. Oportunidade preciosa, dourada, única, para guerrilheiros e terroristas dizerem por que lutavam, afirmarem seus mais elevados compromissos e cobrá-los do governo, não é mesmo? O documento (leia a íntegra em "Charles Burke Elbrick" na Wikipedia) foi uma xingação que falava do que os revoltosos entendiam: ideologia, violência, "justiçamentos", sequestros, assaltos. Não há menção à palavra democracia. Nenhuma das dezenas de organizações guerrilheiras ou terroristas atuantes naqueles anos usou a palavra democracia para sua identificação.

 

            Os que pegaram em armas e foram para a clandestinidade queriam levar o Brasil para o inferno comunista, mas eram menos hipócritas.


Leia mais  

A INVEJA MATA


Texto do Pensador Percival Puggina - 06.06.20

 

Na encíclica Rerum Novarum, publicada em 1891, época em que o comunismo era apenas uma tese ainda distante um quarto de século de sua primeira experiência, o papa Leão XIII, referindo-se a esse modelo, escreveu: “Além da injustiça do seu sistema, vêem-se bem todas as suas funestas conseqüências, a perturbação em todas as classes da sociedade, uma odiosa e insuportável servidão para todos os cidadãos, porta aberta a todas as invejas, a todos os descontentamentos, a todas as discórdias; o talento e a habilidade privados dos seus estímulos, e, como conseqüência necessária, as riquezas estancadas na sua fonte; enfim, em lugar dessa igualdade tão sonhada, a igualdade na nudez, na indigência e na miséria”. Foi profeta. A história veio lhe dar inteira razão.

 

 No entanto, se as previsões do sábio pontífice foram confirmadas e pouca gente esclarecida rejeita suas afirmações sobre a ineficácia do sistema comunista, tem passado meio despercebida a relação entre comunismo e inveja (e poderíamos acrescentar “entre os totalitarismos e a inveja”) cuja existência ele tão fortemente sublinhou.

 

A inveja nasce da comparação e se afirma como um duplo sentimento negativo: a alegria pelo mal alheio e a tristeza pelo bem alheio. Os moralistas (estudiosos das questões relativas à moral) afirmam que o invejoso é a principal vítima desse sentimento. De fato, a inveja mata. Ela é um canhão que dispara para frente e para trás. Quando força motriz de um modelo político, ela se torna genocida e pode se voltar para a extinção de uma raça, de uma classe social ou da própria nação em nome de quem se expressa. Ao longo da história, centenas de milhões de seres humanos morreram em guerras e campos de concentração por conta do 5º pecado capital.

 

Foi esse pecado que deu causa ao holocausto. Foi ele que explodiu as Torres Gêmeas. É ele que hoje sai às ruas quebrando vitrinas. É ele que não consegue esconder o gozo perante tais fatos. É ele que nutre em tantos o ódio mortal aos Estados Unidos. Não podem os invejosos conviver com tamanha evidência dos equívocos em que se afundaram. O ódio que têm a Trump não guarda relação com humanismo e anseios de paz. Estiveram calados durante a Primavera de Praga, durante a invasão comunista do Tibet, assistiram desolados à queda do Muro de Berlim e só têm louvores aos regimes cubano, venezuelano e outros que tais.

 

Há cerca de 15 anos, uma emissora de TV exibiu reportagem feita com jovens da periferia de Paris protagonistas de arruaças que, de lá para cá, foram mudando a face da capital francesa. Aquela matéria me explicou muita coisa. Inclusive sobre certo jornalismo militante que já ganhara força entre nós. Um dos jovens entrevistados levou a repórter para ver onde vivia. Era um edifício popular, muito melhor do que as moradias de qualquer favela brasileira. Sem muito que dizer, e percebendo a inconsistência das imagens para os fins a que se destinavam, a moça disparou: “Já se nota o contraste entre isto aqui e os palácios de Paris”. Acho que ela queria levar a rapaziada para morar em Versailles. Enquanto isso, seu revolucionário guia apontava as más condições do prédio: paredes tomadas por pixações, a sinalizarem o caráter pouco civilizado dos moradores, e um balde, no meio da sala, marcando a existência de uma goteira, como se fosse dever do morador do Palais de l’Élysée subir no telhado para reparar tão complexo problema. No fundo, é tudo inveja.

 

Explorando esses vícios da alma, alguns governos se instalam. Também assim se corrompem, conduzidos pelos mesmos sentimentos maléficos. É assim que não se conformam com a perda do poder.


Leia mais  

LIBERDADE SEGUNDO A NOVA ESQUERDA


Texto do pensador Hélio Beltrão


Em texto publicado na Folha de São Paulo de 19/5, Pablo Ortellado sugere que o Estado deve controlar o conteúdo disseminado nas plataformas de REDES SOCIAIS, tais como Instagram, Facebook, Twitter e YouTube, incluindo aplicativos de mensagens, como WhatsApp.
 

Essa é precisamente a ideia do projeto de lei dos deputados federais Felipe Rigoni e Tabata Amaral, que obriga as redes sociais a bloquear toda desinformação, definida como "conteúdo enganoso" que "possa causar risco" à "estabilidade democrática", à "integridade moral" de pessoas e grupos por sua "visão ideológica" ou à "saúde coletiva", entre outros.
 

Em descumprimento, a rede social sofrerá multa de até 10% de seu faturamento, suspensão de atividades ou proibição de operar no país. O projeto institui os vangloriosos "verificadores de fatos" (consulte o dicionário de novilíngua), que checarão todo conteúdo em uma contínua batalha contra a "desinformação" no seu celular.
 

Umberto Eco certa vez afirmou que três quartos da narrativa de Orwell não são ficção distópica, mas história. A nova esquerda no Congresso planeja tornar história o quarto faltante, com essa "Lei da Verdade" e seu aparato associado, em essência uma polícia de pensamento para banir pontos de vista alternativos à monocultura intelectual do melindre.
 

As redes sociais são plataformas que fornecem um fórum digital para conectar pessoas e facilitar o compartilhamento de informação e opiniões de seus usuários. Permitem que todos aqueles que tenham acesso à internet criem conteúdo, democratizando a informação. O usuário voluntariamente aceita disponibilizar informações selecionadas (nem sempre há transparência) e se submeter às regras de conduta em troca de usar gratuitamente sua rede de preferência.
 

A LIBERDADE DE EXPRESSÃO não significa que se possa dizer o que quiser, onde quiser. Em casa, você pode vedar um discurso com o qual não concorda. O mesmo vale para os gestores de uma escola privada ou de um espaço de conferências. Similarmente, os gestores da rede social têm liberdade para determinar as regras de conduta e o discurso inaceitável em seu domínio.
 

No entanto, devido a pressões de grupos organizados e de políticos aos pedidos de remoção de conteúdo, as redes sociais estão censurando conteúdo com valor social relevante.
Em geral, conservadores e liberais são os mais atingidos pela remoção e censura. Em resposta, alguns passaram a apoiar a regulamentação estatal das redes, de mãos dadas, com muito álcool em gel, com a esquerda censora. É um erro. Se a opinião permissível for decretada pelo Estado, apenas a opinião oficial será permitida.

 

A censura mais assustadora é exatamente a governamental, prevista pelo projeto de Lei da Verdade. Para os estatistas elitistas que a apoiam, o brasileiro comum é incapaz de julgar a veracidade e a relevância de um comentário em redes ou de um discurso de um político; é incapaz de defender seus interesses e filtrar aquilo que o engrandece.
 

Para eles, o brasileiro é continuamente manipulado por terceiros, ao contrário deles, sábios elitistas que não sofrem manipulação nem manipulam. Por isso, dizem, é preciso que os donos da verdade proíbam que determinado conteúdo venha à tona e seja discutido abertamente.
 

Não importa que seja uma conversa a dois no WhatsApp. É tudo dentro do Estado, nada fora do Estado, tal qual dizia o fascista Mussolini. Afinal, pensam, o que você tem a esconder? Não estaria espalhando desinformação por aí, certo?
É reveladora e irônica a atitude desses censores: no fundo, devem considerar verdadeiro o que desejam censurar, pois quem se julga correto acolhe com prazer a oportunidade de expor e refutar o oponente. A solução apropriada para a desinformação é precisamente mais informação


Leia mais  

CENTO E SEIS REGRAS “A FAVOR” DA LIBERDADE


Texto do pensador Percival Puggina  - 01.06.2020

 

Tudo indica que o senador Alessandro Vieira (CIDADANIA/SE), conseguirá aprovar seu projeto de lei nº 2630, de 2020, instituindo a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet.

 É sabido que a esquerda não conseguiu manter, no terreno da Internet e suas redes sociais, a hegemonia que mantém e preserva no campo cultural. Portanto, controlar o território adversário é uma alternativa estratégica importante, notadamente ao se avizinhar uma campanha eleitoral. Os sintomas da aprovação do projeto são assustadores e reais.

 

• O avulso inicial da matéria, segundo o site do Senado Federal, é do dia 15 de maio.

• O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, já avisou que levará a matéria à votação no dia 5 de junho.

• De regra quase geral, autores de projetos só se empenham pela sua inclusão em pauta quando têm certeza da aprovação.

• Com a vida em ritmo de Covid-19, um lapso de 20 dias entre apresentação do projeto e deliberação pelo plenário é evidência de que está tudo sob controle para que ele vire lei federal.

 

Embora o nome do projeto use três palavras “politicamente corretas” é sabido que elas costumam ser politicamente abusadas. E é exatamente isso que sugere o pacotaço de preceitos que passará a reger a Internet no Brasil. Você poderá ler seu texto inicial aqui. Se o fizer, terá de se haver com 12 páginas nas quais se engalfinham 31 artigos contendo 106 preceitos e 6 remissões. Mas saiba: é tudo pela liberdade, responsabilidade e transparência. É tudo para que você se sinta seguro como um bebê na sua cadeirinha deixando que gente grande decida o que você terá em suas mãos.


Leia mais