Artigos Anteriores

POSTURA DEFICITÁRIA

ANO XIV - Nº 007/14 -

PROBLEMAS E SOLUÇÕES

Sem sombra de dúvida, há que se reconhecer que o nosso Brasil está melhorando. O que preocupa, entretanto, é que tanto o número quanto o tamanho dos PROBLEMAS que precisam ser enfrentados ainda é muito maior do que as SOLUÇÕES até agora apresentadas.

REFORMAS

Vejam, por exemplo, o que acontece com as REFORMAS, notadamente a da PREVIDÊNCIA e também a TRIBUTÁRIA: é totalmente perceptível que a vontade do povo está muito distante da vontade dos políticos, os quais, diga-se de passagem, deveriam ter como preocupação exclusiva tornar a vida dos cidadãos mais confortável e menos dispendiosa.

ATITUDE MALDOSA

Pois, o que se viu na última terça-feira, logo após o plenário do Senado aprovar o texto básico da REFORMA DA PREVIDÊNCIA, foi uma legítima paulada na cabeça, tronco e membros da população brasileira, que se traduziu numa desidratação de mais R$ 76 bilhões da ECONOMIA dos gastos previdenciários para os próximos dez anos.

A FOLHA É PAGA COM ENDIVIDAMENTO

Não é possível que a maioria dos senadores (assim como dos deputados) não esteja devidamente informada que para pagar a FOLHA DE SALÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS, tanto ATIVOS quanto,  principalmente, dos INATIVOS (aposentados), o governo precisa ir ao mercado em busca de financiamento através da emissão sempre crescente de TÍTULOS PÚBLICOS.

De novo: quem sustenta a aposentadoria dos servidores não é a contribuição previdenciária (que deveria ser a única fonte), nem os impostos arrecadados, mas o ENDIVIDAMENTO PÚBLICO. pode? 

PROJETO ORIGINAL

Vejam que o projeto original de REFORMA DA PREVIDÊNCIA, entregue ao presidente da Câmara dos Deputados lá em fevereiro, que já era bastante tímido, propunha, além de uma ECONOMIA de Gastos Públicos, para os próximos DEZ ANOS, na ordem de R$1,2 bi, aproximadamente, a criação de um necessário REGIME PREVIDENCIÁRIO PELA VIA DA CAPITALIZAÇÃO, que elevaria a TAXA DE INVESTIMENTO do país.

REMENDO PREVIDENCIÁRIO

Pois, faltando a última etapa do REMENDO PREVIDENCIÁRIO (qual seja a votação em segundo turno no Senado) prevista para a próxima semana, o que temos até agora é uma peça que além de lamentável não produz solução para as DEFICITÁRIAS CONTAS PÚBLICAS. Mais: grandes INJUSTIÇAS foram mantidas em forma de privilégios inconcebíveis, uns já garantidos pela Constituição NADA CIDADÃ, outros mantidos por um grupo de perversos senadores.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis o texto do pensador Percival Puggina - PARE, OLHE, ESCUTE!- :

    Estamos num desses momentos em que se reduz o tempo entre a distração e o atropelamento. Decisões tomadas pelas instituições da República impõem esclarecimento e reação.

    No ano passado, a nação votou pelo fim da impunidade. Não suportava mais que o Brasil fosse pátria mãe gentil dos criminosos e corruptos, e madrasta dos demais. A nação foi vigorosamente às urnas, superando sua notória desconfiança na correção das mesmas e da respectiva apuração. Era necessário salvar-nos daquela perdição.

    Não foi preciso correr um ano inteiro para a maioria do novo Congresso Nacional mostrar-se gêmea da anterior. A outra se lambuzava; esta, protege os lambuzados. Cria leis impulsionadas por movimentos peristálticos. Delibera em causa própria, para ônus nosso. Derruba vetos presidenciais para colocar os órgãos e agentes de Estado dedicados à Justiça, à defesa da sociedade e ao combate à criminalidade deitados no chão, de barriga para baixo. Haverá prisão para quem se mexer e levar a sério seu trabalho. É o garantismo em seu mais deslavado esplendor. Perante ele, os potenciais bandidos são o delegado, o promotor, o juiz.

    Pare, olhe, escute! Quantas matérias jornalísticas você leu, ouviu ou assistiu ao longo destes dias condenando, com a necessária veemência, a decisão do Congresso Nacional? Qual veículo cuidou de levar ao conhecimento público os líderes desse movimento? Qual deu nome aos lobos da matilha? Qual esmiuçou as desastrosas consequências do que foi votado? Que diabo de jornalismo é esse? Se usassem para defender a sociedade 10% do tempo e esforço que gastam para combater o Presidente da República, provavelmente gerassem constrangimento e evitassem alguns desses disparates legislativos. Mas não. Até ao examinar os vetos do Presidente derrubados pelo Congresso no projeto das despesas partidárias, as críticas da Globo não convergiram para a derrubada dos vetos, mas para um preceito que o Presidente não vetou, como se não vetá-lo fosse um mal e derrubar todos os vetos fosse um bem. Noutra ocasião, uma jornalista, mesmo sabendo que Davi Alcolumbre, nacionalmente detestado pelos eleitores de Bolsonaro, foi flagrado pela câmera votando contra todos os vetos do presidente, não se constrangeu em qualificá-lo como seu “principal aliado”.

    Na semana passada, o STF legislou sobre processo penal e levou ao escárnio seu conhecido desprezo à opinião pública e aos mais justos anseios da sociedade. Criou nova gambiarra no insólito e prodigioso sistema recursal brasileiro. Agindo com o intuito vingativo de derrotar a Lava Jato, preparou o retorno de 32 condenações à eternidade dos trâmites, para alegria de 143 corruptos e corruptores já condenados.

    Pare, olhe, escute! Quantas matérias você leu, ouviu ou assistiu, fora das redes sociais e da mídia alternativa, tratando desse assunto com o rigor que requer? A imprensa, a outrora grande imprensa, quando passa a usar seu poder exclusivamente em favor de causas particulares, gera débitos sociais. A conta vem para todos, como estamos a ver.

    Enquanto o chamado quarto poder caça o mito, as bruxas assombram o país. No Pará, magistrados se mobilizam. Só no Pará? Juízes, promotores, policiais permanecerão inertes enquanto o crime dita leis aos poderes da República? É hora de resistir!

  • CARTA PARA GRETA THUNBERG

    Carta do pensador Roberto Rachewsky, com pedido de desculpas para a garota sueca Greta Thunberg:

    Querida Greta,

    Me desculpe se em algum momento te critiquei pelas palavras que expressaste para o mundo.

    Me desculpe, a culpa pelo que você acredita e diz não é sua.

    Eu estou me perguntando agora, o que você estava fazendo na ONU falando de algo que você não conhece, a não ser o terror que lhe foi ensinado?

    Aquele não era o seu lugar.

    Você deveria estar na escola ou em casa, lendo, quem sabe, "Os Miseráveis" de Vitor Hugo, "O Pequeno Príncipe" de Saint-Exupéry, "Cântico" de Ayn Rand, ou qualquer outro livro clássico.

    Me desculpe menininha, ao te ouvir reagi mal, te tratei como um ser adulto e não como vítima de um bando de caras-de-pau.

    Esqueci de como os chineses, há milênios, moldavam crianças fazendo-as crescer por anos em potes até que adquirissem seu formato, sendo deles retirados para entreterem seus mestres, em um horrendo espetáculo.

    Esqueci de como na Grã Bretanha do século XVII, os "comprachicos" adquiriam bebês para deformar seus rostos de modo que, quando crescessem, se pusessem a peregrinar pelas aldeias divertindo os nobres das cortes e o público ralé.

    Esqueci de mim mesmo quando por um tempo resolvi, em 1971, também com 16 anos, defender as teses ambientalistas do gaúcho José Lutzenberger. Para minha felicidade, logo aprendi que o capitalismo era melhor para nossas vidas do que o ambientalismo por ele defendido.

    Esqueci que você tem apenas 16 anos. Que na sua idade, ninguém, ainda mais uma criança criada em um país rico como a Suécia, sabe exatamente o que se perde quando o desenvolvimento é trocado pela sustentabilidade.

    Sustentabilidade só pode ser alcançada através do desenvolvimento, assim como a maturidade só pode vir com o crescimento.

    Greta, amadureça, torne-se independente, não se preocupe com o mundo, o mundo cuida de si. Importe-se com as atrocidades que estão fazendo contigo. Saia desse pote, estampe no seu rosto um sorriso verdadeiro, como rostos de crianças de 16 anos devem ter.

    O mundo é benevolente com os seres humanos quando estes sabem usar sua mente para produzir. Não vivemos no quadro de Edvard Munch, norueguês, escandinavo como você, não precisa soltar o grito.

    Vivemos num mundo de realizações, somos os senhores do universo. Podemos produzir o que quisermos, podemos errar e desfazer esses erros a qualquer momento.

    Somos racionais, precisamos ser livres para criar, inovar e produzir o que a humanidade espera de nós, para vivermos mais e melhor.

    Sim, como ousaram roubar os teus sonhos, menininha?

    Esta pergunta deve ser respondida por quem te tirou precocemente do mundo fantástico da infância, os "comprachicos" modernos, esses que te colocaram no centro do picadeiro como um ser exótico, a serviço de uma ideologia perversa chamada por socialismo. 

  • WORKSHOP

    A primavera já começou, e para marcar a chegada da estação mais colorida do ano, o Boulevard Laçador, em parceria com a Santo Mimo Casa de Brunch e a Arteplantas floricultura, vai realizar o Workshop Primavera. Na oficina, que acontece no dia 10 de outubro, os participantes irão aprender o passo a passo da montagem de lindos arranjos florais, recebendo dicas de escolha de flores, design da montagem e cuidados necessários para a maior durabilidade dos arranjos.  Ao fim do evento, todos poderão levar seu próprio arranjo para casa.

    Com início às 15h30, a oficina será realizada no restaurante da Santo Mimo, no Boulevard Laçador. A participação no evento acontece mediante inscrição antecipada que pode ser feita na Santo Mimo, na floricultura Arteplantas ou via WhatsApp através do número (51) 99968-1266. O valor da inscrição é de R$ 79,00 e as vagas são limitadas.

FRASE DO DIA

A coisa mais difícil de explicar é a evidente que todos decidiram não ver.

Ayn Rand