Artigos Anteriores

O QUE PRECISAVA SER DITO E NÃO FOI

ANO XIV - Nº 007/14 -

PATRIMÔNIO NEGATIVO

Quanto mais leio e ouço que os governos anteriores foram os grandes responsáveis pela venda do patrimônio público no Brasil, mais fico convencido do tamanho da ignorância dos declarantes. Até porque patrimônio só existe se positivo, isto é, o resultado daquilo que se tem menos o que se deve.

SITUAÇÃO FALIMENTAR

A situação das empresas púbicas que foram privatizadas era plenamente falimentar. Era só patrimônio negativo, ou seja, os ativos operacionais existentes, além de sucateados, já não eram suficientes para pagar as dívidas contraídas. Dívidas até então existentes, a bem da verdade. As dívidas a existir eram mais horripilantes, considerando aí as ações trabalhistas cujo volume só era previsto e imaginado. Este rombo, denominado passivo oculto, não tinha um valor definitivo a ser contabilizado.

SÓ DE ALGUNS

É preciso, portanto, desmistificar esta burrice de que havia ainda algum patrimônio a ser vendido. Não existia patrimônio algum, gente. O que havia era um montante de esqueletos, alguns expostos e outros a serem descobertos. Nós só conseguimos nos livrar de alguns deles. Infelizmente, só de alguns.

MAU GOVERNO

Este negócio de ficar dizendo que vai governar para os pequenos, como Lula gosta de afirmar, está provado que, além de provocar o desmantelamento dos grandes, não traz qualquer melhoria para as atividades econômicas. Basta ter a noção clara de que pequenas empresas têm como clientes as grandes empresas, e não o público consumidor pessoa física.

TAMANHO É DOCUMENTO

A vida das pequenas empresas depende da saúde das maiores. Vejam que as GRANDES empresas são responsáveis por 62,3% da massa salarial no Brasil e por 45,6% dos empregos. Os pequenos estabelecimentos (com até 4 empregados) representam 82,1% do total das empresas, mas são responsáveis por apenas 2,5% do total dos salários pagos no país e 4,5% do total de empregos existentes.

DISCURSOS MITOLÓGICOS

As grandes companhias(com 500 empregados ou mais), representam menos de 0,5% do total das empresas, mas respondem por 62,3% dos salários pagos no país e 45,6% da mão de obra empregada. E pagam salários superiores a quatro vezes ao das pequenas empresas. A conclusão, bastante óbvia, é que vários candidatos fizeram, mais uma vez, discursos mitológicos, desconhecendo o ponto de vista prático das coisas e esbravejam, como foi feito com a Ford aqui no RS. Mataram um grande negócio e com ele, ainda no ventre, milhares de pequenos e micro empreendimentos.

VANGUARDA DO ATRASO

Hoje, às 18h30m, na Feira do Livro, em Porto Alegre, os participantes do livro A Vanguarda do Atraso, onde me incluo, estarão à disposição para autógrafos e bate-papo.

TÁ NA MESA

A Federasul recebe nesta quarta-feira, 8, no Tá na Mesa, o presidente do Grupo Gerdau e presidente fundador do Movimento Brasil Competitivo, Jorge Gerdau Johannpeter. Na pauta: Capital Social. Às 12h.

PALESTRAS

A Junior Achievement RS promove, sábado, 11, a 23ª Rodada de Palestras Com o tema ?Trajetória Empresarial de Sucesso? e ?Estratégias de Marketing?, os convidados realizam um bate papo informal com os estudantes, relatando as formas com que obtiveram sucesso em sua carreira profissional. O evento acontece no Teatro do SESC, sábado, das 9h45 às 12h.

CLIMA BRITÂNICO

O clima britânico promete contagiar a noite de amanhã, 7, quando a filial gaúcha da Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil (Britcham) realiza a ?First Pub Night?, no Mulligan Irish Pub, a partir das 19h. O objetivo do evento é promover um descontraído networking entre os associados da Britcham: cada um deles poderá apresentar a si e seus negócios. Na noite ainda haverá a apresentação de Ana Davi, da DS Language Consultants, falando sobre cursos no Reino Unido, informações que são fundamentais para quem deseja estudar neste país.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

FRASE DO DIA

O ÊXITO DOS MEIOS DEPENDE DA UNIDADE DE AÇÃO.

N. Bonaparte