Artigos Anteriores

FORTES EMOÇÕES

ANO XIV - Nº 007/14 -

FORTES EMOÇÕES

Para quem gosta de viver sob fortes emoções, antes de tudo sugiro que viaje pelo Brasil. Ainda que o nosso país não tenha mudado muito desde 1500, quando foi descoberto pelos portugueses, o fato é que de uns tempos para cá, sem a menor sombra de dúvida, nenhum outro país ofereceu tantas possibilidades. 

PEGADINHA

Em determinados momentos, casos e/ou situações, até aqueles mais experientes e, portanto, menos sujeitos a soluços, ainda precisam se beliscar para ter certeza de que aquilo que estão vendo, ouvindo e lendo tem alguma ligação com a VERDADE, ou se tudo não passa de uma simples PEGADINHA. 

CONCURSO PARA POLICIAL

Vejam, por exemplo, esta notícia e digam, sinceramente, se o Brasil é ou não -sui-generis-: ontem foi amplamente noticiado que um preso da Polinter, em Teresina (PI), deixou a cadeia para fazer prova de concurso da Polícia Militar do estado do Maranhão. Pode?

Por incrível que possa parecer, o fato é que o desembargador Pedro de Alcântara Macedo, do Tribunal de Justiça do Piauí, simplesmente concedeu habeas corpus para Luis Carlos Rodrigues de Oliveira, que em dezembro de 2016 foi preso por integrar uma perigosa quadrilha, especializada em explosões de caixas eletrônicos e assaltos a bancos no Piauí e Maranhão. Que tal?  

CONCURSO

Como se vê, caso o assaltante Luiz Carlos passe no concurso, aí sim a Polícia do Maranhão vai oferecer mais segurança ao povo daquele Estado. Maravilha, não? Acreditem: isto é VERDADE. Não se trata, portanto, de uma PEGADINHA.  

Ah, mas não fiquem muito surpresos, pois em vários Estados e Municípios, assim como no governo federal, para sentar na cadeira de governante ninguém precisa fazer concurso. Pode?  

CRESCE O ROMBO E DECRESCE O PIB

Mesmo admitindo que o Brasil sempre preferiu o subdesenvolvimento, foi nos governos Lula/Dilma/Petistas que o escancaramento da estupidez ganhou força. A prova do quanto o brasileiro gosta de ser estúpido está, por exemplo, no DÉFICIT PÚBLICO, que só nos últimos três anos apresentou um crescimento monumental.

Ao invés de fazer crescer o PRODUTO (PIB), o governo do PT fez todos os esforços para fazer crescer o ROMBO DAS CONTAS PÚBLICAS e, como se não bastasse, ainda tratou de fazer decrescer o PIB.

CRESCIMENTO DO ROMBO 2014/2016

Ontem, como foi amplamente divulgado, as contas do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) fecharam 2016 com um déficit primário de R$ 154,255 bilhões, ou 2,47% do PIB.

Só para lembrar:

em 2015, o déficit primário atingiu R$117 bilhões, ou 1,9% do PIB.

em 2014 o rombo foi de 32,5 bilhões, ou 0,63% do PIB.

 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • CRIMINALIDADE

    Com o crescimento brutal da criminalidade, ei o que diz o pensador Thomas Korontai, que também é fundador e líder do Movimento Federalista e pré-candidato declarado à Presidente da República para as eleições de 2018.

    VAMOS NOS CURVAR À CRIMINALIDADE?
    Logicamente que não! Nenhuma Sociedade pode fazer isso. Mas este “quinto poder” que tomou conta de quase todos os espaços dos inúmeros brasis deste país continental tem uma causa primária: o modelo estrutural do Estado Brasileiro.

    Sem adentramos na área econômica e ideológica, da degradação social que assola o País, a solução da criminalidade começa a autonomia para cada estado poder legislar livremente, fazendo seus próprios códigos penais, de preferência votados pelo maior interessado: o Povo.

    Os estados devem ter autonomia também, para reformular seu aparato de Segurança Pública, sua polícia. Cada cidade deve ter a sua própria polícia, com suporte complementar de uma super-polícia estadual. Simples assim. 

    Em um ambiente economicamente livre para gerar trabalho e renda, e uma boa Educação, sabemos que tais fatores também influenciam, e muito, para uma forte redução da criminalidade. Isto é Federalismo Pleno. O federalismo criativo O federalismo das competências e responsabilidades locais.

  • CARRY OVER

    A taxa de desemprego no Brasil ficou em 12% no trimestre encerrado em dezembro de 2016, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados hoje pelo IBGE. A taxa é a maior da série histórica, ainda que dentro das estimativas. No mesmo período de 2015, a taxa era de 9,0%.

  • VENDAS DE VAREJO NA ALEMANHA

    Na Alemanha, as vendas no varejo caíram 0,9% em dezembro ante novembro, na série com ajustes sazonais. O resultado veio abaixo do esperado. Na comparação anual, as vendas no varejo apresentaram aumento de 1,1%. 

FRASE DO DIA

Pra todo game-over existe um play again.