Artigos Anteriores

FALTAM 264 MIL ASSINATURAS

ANO XIV - Nº 007/14 -

AJUSTE FISCAL

Você, obviamente, já ouviu falar de AJUSTE FISCAL, não? Pois, como tem absoluta consciência de que  paga uma elevadíssima CARGA TRIBUTÁRIA sem receber quase nada em troca, tanto em qualidade quanto em quantidade de SERVIÇOS PÚBLICOS, por certo está convencido de que o tal de AJUSTE FISCAL deveria se restringir apenas à REDUÇÃO DE DESPESAS PÚBLICAS.
 

MENTIRA DESLAVADA

Pois, ainda que já esteja ciente de que a presidente Dilma Neocomunista Rousseff só sabe mentir, o fato é que, depois de muito falar em AJUSTE FISCAL, o que realmente fez, nesta primeira quinzena de 2016, foi aumentar a DESPESA DA UNIÃO em R$ 6,2 bilhões. Pode? Mais: esta interminável -FARRA DE GASTOS- acontece no momento em que as RECEITAS DA UNIÃO minguam a olhos vistos. 

 

 

LEI ORÇAMENTÁRIA

Vale lembrar que a DESPESA cresceu antes mesmo da péssima presidente ter sancionado a LEI ORÇAMENTÁRIA, que aconteceu na última sexta-feira,15/01, na qual consta, por incrível que possa parecer, que o governo se compromete a cumprir um SUPERÁVIT PRIMÁRIO de R$ 30,5 bilhões (0,5% do PIB). Fantástica mentira, não? 

CPMF

Cabe lembrar, também, que na LEI ORÇAMENTÁRIA sancionada por Dilma (na 6ª feira), conta com uma RECEITA NA ORDEM DE R$ 10,1 bilhões provenientes da cobrança da CPMF, a partir de setembro. Ou seja, o governo conta com algo que não existe, pois a CPMF não foi aprovada pelo Legislativo. 

 

DEFINIÇÃO DE AJUSTE FISCAL

Creio que o texto acima ajuda, aos bons e maus entendedores, a chegar a um correto esclarecimento: para o governo Dilma-Petista, -AJUSTE FISCAL- nada mais é do que a soma dos seguintes (maus) ingredientes:

1- AUMENTO DA CARGA TRIBUTÁRIA,

2- ELEVAÇÃO ABSURDA DA DESPESA PÚBLICA e

3-BAIXA QUALIDADE DE SERVIÇOS PÚBLICOS. 

Ficou claro?

SOU VOLUNTÁRIO

Mudando de assunto, neste final de semana me dediquei a fazer um TRABALHO VOLUNTÁRIO, cujo resultado se mostrou muito promissor. Nas manhãs ensolaradas de sábado e domingo, na beira da praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis, SC, me dispus a coletar assinaturas de pessoas dispostas a COMBATER A CORRUPÇÃO NO BRASIL.  

Trata-se de uma iniciativa simples, que cada leitor pode (e deveria) fazer, de colaborar com a CAMPANHA PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL que visa obter 1,5 milhão de assinaturas, para que o Brasil disponha de uma  Lei de Iniciativa Popular que ataque para valer a CORRUPÇÃO.  

FALTAM 264 MIL ASSINATURAS

Pois, o que mais me espantou, enquanto auxiliava os interessados em assinar as fichas que me foram enviadas pelo MPF, foi perceber que a maioria era formada por VENDEDORES AMBULANTES (vendedores de milho verde, cerveja, salsipão, redes nordestinas, cangas, etc.).

Todos, sem exceção, se diziam muito indignados. Também não escondiam o quanto se mostram decepcionados com o governo do PT. Minha esposa, Lúcia, postou várias fotos no Facebook, registrando o que aconteceu neste final de semana em Jurerê.

Só para informar: já chegamos (até ontem à noite) a 1,236 milhão de assinaturas. Faltam ainda 264 mil, gente. Vamos nessa, meus caros leitores. O sucesso só depende de cada um de nós. Não se acanhe! 

 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • LEI DE REPATRIAÇÃO

    A presidente Dilma Rousseff sancionou, na última quarta-feira (13), com vetos, a LEI DE REPATRIAÇÃO, que regulariza os recursos enviados por brasileiros ao exterior sem o conhecimento da Receita Federal.

    Pelo menos três dispositivos foram vetados. Um deles é o que permitia a regularização de objetos enviados de forma lícita, mas não declarada, como joias, metais preciosos e obras de arte. Outro dispositivo vetado é o que permitia a repatriação de recursos em nome de terceiros ou laranjas, fazendo com que o dinheiro esteja em nome da pessoa realmente beneficiada para que possa voltar ao Brasil.

    A Secretaria de Imprensa da Presidência da República ainda não divulgou o teor completo dos vetos, nem a redação final da lei.

    Para atrair o dinheiro de volta ao país, a lei oferece incentivos para a declaração voluntária de bens e de recursos adquiridos até 31 de dezembro de 2014 e mantidos ao exterior.

    Em troca da anistia de crimes relacionados à evasão de divisas, o contribuinte pagará 15% de Imposto de Renda e 15% de multa, totalizando 30% do valor repatriado.

    Sem a nova lei, o devedor teria de pagar multa de até 225% do valor devido, além de responder na Justiça e na esfera administrativa, dependendo do caso.

    O Senado estima que a nova lei pode resultar na arrecadação entre R$ 100 bilhões e R$ 150 bilhões nos próximos anos.

    Também foi vetado o trecho da lei que permitiria o pagamento parcelado do imposto e da multa devidos.

    Com o veto, os interessados em aderir à regularização dos recursos não poderão mais parcelar em 12 vezes os valores devidos, conforme previa o projeto aprovado no Congresso Nacional.

    Como houve vetos ao projeto remetido à Presidência, os parlamentares deverão analisá-los, decidindo se os mantêm ou derrubam.

    Para que um veto seja derrubado, são necessários os votos de, no mínimo, 257 deputados e de 41 senadores.
     

  • TOTALITARISMO ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO

    Não deixem de ler o artigo abaixo, do pensador (Pensar+) Percival Puggina, com o título: TOTALITARISMO ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO, que foi publicado na ZH de ontem. O assunto é muito sério, gente. Eis:



              A burocracia do MEC está com pé no estribo para cavalgar de vez a educação brasileira. Refiro-me ao uso extensivo e abusivo daquilo que a Constituição determina: fixação de "conteúdos mínimos" para o ensino fundamental. No recentemente aprovado Plano Nacional de Educação (2014-2024) foi inserido um negócio chamado Base Nacional Comum Curricular (BNC) e, obviamente, coube ao MEC, povoado de companheiros, realizar a frutuosa tarefa. O ministério reuniu 116 especialistas de 35 universidades e produziu um calhamaço que, neste momento, está "aberto" a sugestões da sociedade. Ora, a sociedade nem sabe o que está acontecendo. E o que está acontecendo é gravíssimo! Aquilo que, na perspectiva do constituinte de 1988, deveria ser um conjunto de conteúdos, se converteu num manual para homogeneizar cabeças e tornar hegemônica, no ambiente escolar, a ideologia que, há tempos, grassa e desgraça a educação brasileira.

              O MEC informa que a BNC englobará 60% dos objetivos impostos aos ensinos fundamental e médio. E adverte: ela dialoga com o ENEM. Sim, e como! Se o currículo obrigatório "dialoga" com o ENEM (petistas adoram essa metonímia), escola alguma, pública ou privada, vai ensinar diferente, ou sob perspectiva diversa. Se o fizer, seus alunos desconhecerão as respostas que o Estado brasileiro quer ouvir para lhes abrir as portas das universidades públicas. Eis o totalitarismo através da Educação.

              Quando algum pedagogo fala em problematizar algo, ele está afirmando que vai reduzir esse algo a coisa nenhuma. E o fará usando sua permissão para porte dessa arma de grosso calibre que é a barra de giz. Saiba então: o verbo "problematizar", com seus derivados, pode ser encontrado 55 vezes na BNC! Lembram da ideologia de gênero, barrada no Congresso Nacional? E da posterior pressão do MEC, tentando obrigar estados e municípios a adotá-la? Pois retorna, agora, pela BNC. O conceito gênero aparece 12 vezes no texto. Sexo, apenas duas. É a renitente problematização da genitália.

              Quase nada há, ali, que não seja problematizado: sentido da vida; percepções do corpo; relações sociais e de poder; papel e função das instituições sociais, políticas, econômicas e religiosas; seleção das datas comemorativas (!); cronologia histórica nacional e mundial; narrativas eurocêntricas; relação de "saberes e poderes" de caráter religioso e suas tradições; divisão de classes no modo de produção capitalista (e só no capitalista) e, por fim, fenômenos sociais de modo a "desnaturalizar (!) modos de vida, valores e condutas". É a morte, por asfixia, do livre pensar.

     

  • FOCUS DE HOJE

    O Boletim Focus de hoje, 18/01, projeta a inflação de 7%  para 2016 (0,5 ponto percentual acima do teto da meta do governo). Para o ano que vem, a taxa esperada para o IPCA também subiu, passando de 5,20% para 5,40%.

    Quanto ao PIB, a expectativa, por ora, é de recuo de 2,99% em 2016. Viva!

     

FRASE DO DIA

A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida.