Artigos Anteriores

BOLETIM MÉDICO DO PACIENTE BRASIL

ANO XIV - Nº 007/14 -

BOLETIM MÉDICO DE JULHO

Ontem, o Governo Central, que reúne o Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central, divulgou o Boletim Médico do paciente Brasil, que sofre de múltiplas doenças, todas elas GRAVÍSSIMAS, referente ao mês de julho.

CIRURGIAS

Sem surpresas, o Boletim assinalou, pela enésima vez, de forma muito clara, que o paciente, gravemente enfermo, só conseguirá respirar sem aparelhos se o povo conceder aos médicos de plantão a expressa autorização para que o Brasil passe por várias cirurgias, todas urgentes, para que os inúmeros tumores que tomaram conta do corpo todo, sejam retirados.

DEPENDENTE DE SANGUE

Entretanto, para desespero do povo brasileiro, notadamente os portadores de alguma parte do cérebro, sabem que os médicos (governantes técnicos) só estarão devidamente autorizados para fazerem as urgentes cirurgias depois que lhes for apresentado o necessário documento que diga, formalmente, que o corpo Brasil está livre dos DIREITOS ADQUIRIDOS e das LEIS PÉTREAS. Caso contrário (sem cirurgia), o doente ficará, para todo o sempre, um dependente crônico de sangue (impostos). 

 

DÉFICIT MONSTRO

Quem se dispôs a ler o Boletim de julho, divulgado ontem pelo Tesouro Nacional, deve ter tomado um susto ao ver que o déficit primário atingiu R$ 20,152 bilhões, ou seja, 4,8% acima do saldo negativo de R$ 19,226 bilhões registrado no mesmo mês do ano passado (o maior para o mês de julho
em toda a série histórica, que começou em 1997).

ROMBO MAIOR

Entretanto, antes que alguém entre em SURTO DE INDIGNAÇÃO proponho que entenda, de uma vez por todas, que o grande e maior responsável pelo ROMBO do Tesouro Nacional (que é suprido pelo dinheiro arrecadado junto aos pagadores de impostos) é a velha conhecida PREVIDÊNCIA SOCIAL, que registrou déficit de R$ 13,517 bilhões no mês. E tem gente que não quer a reforma da Previdência. Pode?
 

TRANSFUSÕES DE SANGUE

As receitas totais, representadas pelas transfusões COMPULSÓRIAS de sangue feitas pelos infelizes pagadores de impostos, tiveram queda real de 2% em julho, enquanto as despesas tiveram queda de 4,2% no mesmo período, descontada a inflação. No ano, as receitas tiveram queda real de 1,3%, enquanto as despesas tiveram baixa de 0,2%.

CUSTO

O mais lamentável nisto tudo é que o povo brasileiro, na sua grande maioria, mostra maior preocupação  com o que custa menos, e nada com o que muito. Basta ver a (correta) indignação com a criação do Fundo Eleitoral, que propõe um gasto de 3,6 bilhões e nenhuma indignação com o ROMBO DA PREVIDÊNCIA, que impõe um custo de R$ 400 BILHÕES para este ano. Pode? 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • IGP-M DE AGOSTO

    O IGP-M registrou alta de 0,10% em agosto após quatro quedas consecutivas. Com esse resultado, o IGP-M acumula deflação de -2,56% no ano e recuo de -1,71% nos últimos doze meses.

    Os preços ao produtor se mostraram menos negativos em relação a julho, ao avançarem de -1,16% para -0,05%. Tal movimento teve a contribuição da do subgrupo Combustíveis para o consumo, cuja taxa de variação passou de -4,84% para 0,24%, mas teve como protagonista o avanço de minério de ferro (de 1,47% para 11,65%).

     

  • IPC

    O IPC, índice que mede os preços ao consumidor, apresentou variação de +0,33% no mês corrente, acima do visto no mês anterior (+0,04%), com avanço em quatro das oito classes que compõem o índice, com a principal contribuição vinda de Transportes (de -0,42% para 1,70%). Por fim, o INCC, que representa os preços dos custos de construção subiu de +0,22% para+0,44%. 

  • PIB EUA

    O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 3% no segundo trimestre de 2017 na comparação com o trimestre imediatamente anterior, em termos anualizados, de acordo com a segunda leitura divulgada pelo Departamento do Comércio do país.
     

FRASE DO DIA

Primeiro, nós moldamos nossas estruturas. Depois, elas nos moldam.

W. Churchill