Artigos Anteriores

ABRINDO O BICO

ANO XIV - Nº 007/14 -

DESABAFO COERENTE

As declarações, em tom de desabafo, feitas pelo comandante do 11º BPM do RS, o tenente-coronel Sérgio Simões, publicadas na ZH de sábado, 30/01, deixou a mim e mais 99% dos gaúchos um pouco mais confortados. Não pelos resultados que os ditos vão promover, mas porque alguém da área de segurança do Estado, finalmente, resolveu abrir o bico.

CONSTATAÇÃO

A constatação conferida pelo comandante da BM, de que a polícia prende várias vezes o mesmo bandido, e a Justiça, por sua vez solta, imediatamente, o criminoso, é mais do que velha. Diante de tantos e repetidos casos, já não cabe falar de má vontade para com a Justiça. Trata-se, de novo, de pura constatação. Coisa palpável. Real.

DIVIDINDO OS ADJETIVOS

Nas diversas oportunidades que ousei afirmar, com fundamentos claros, de que as instituições públicas gozam do mais puro descrédito, mesmo assim não faltaram as costumeiras mensagens me taxando de ácido, pessimista e pouco esperançoso. Agora, pelo visto, alguém mais vai dividir comigo tais adjetivos.

DEPUTADOS ÁGEIS

O tenente-coronel Sérgio Simões prega, ao longo da entrevista, que os deputados precisam ser mais ágeis. Aí, infelizmente, o comandante da BM cometeu um grande erro. Os deputados, ao contrário do que afirma, são muito ligeiros, gente. Principalmente, ou exclusivamente, quando precisam aumentar seus benefícios.

ATROCIDADES

Esses mesmos deputados, federais e/ou estaduais, são absolutamente nulos e desinteressados na arte de promover uma legislação mais adequada para uma segurança pública à altura das necessidades do povo. Ainda mais quando se leva em consideração os níveis impressionantes de atrocidades em todo o território nacional.

AJURIS

Diante de tanta obviedade, que de forma muito tardia foi exposta por um categorizado agente de segurança pública, o mais interessante mesmo foi a reação pra lá de absurda, do presidente da Associação dos Juízes do RS, - Ajuris, João Ricardo dos Santos Costa, ao dizer que o oficial da BM reeditou um clichê surrado. E arrematou dizendo que essa história de Polícia prende e Justiça solta já é ultrapassada. Pode?

O PUFE DA GOVERNADORA

Se houvesse um interesse sinérgico das lideranças, coisa impensável no RS, as autoridades deveriam se reunir para resolver o assunto. E não para criticar o que não pode ser criticado. A insegurança é uma realidade, gente. Dura, séria e complicada. Tem toda razão o comandante Simões quando diz que a sociedade e seus representantes estão, exclusivamente, preocupados com o pufe da casa da governadora. O resto pode esperar -ad eternum-, pois não tem a mínima importância.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • RECEITA
    As autuações da Receita Federal em 2009 somaram R$ 90,39 bilhões. O valor aumentou 20,19% em relação a 2008, quando havia sido de R$ 75,2 bilhões. Foram feitas 474.813 autuações de contribuintes que deixaram de recolher tributos por algum motivo. Desses, 7.920 correspondem a representações penais, ou seja, se referem a contribuintes que fraudaram ou sonegaram impostos ilegalmente. Do total autuado, R$ 55 bilhões se referem aos grandes contribuintes. Em 2008, o valor havia sido de R$ 45 bilhões.
  • LISTA
    O governo da Alemanha está disposto a comprar uma polêmica lista com os dados de quase 1.500 sonegadores de impostos que depositaram fundos em bancos suíços e que lhe foi oferecida por um informante anônimo em troca de 2,5 milhões de euros.
  • BANCO DO BRASIL
    O Banco do Brasil informou que os números do quarto trimestre de 2009 terão um impacto positivo de R$ 1,6 bilhão. O montante se refere a uma atualização dos cálculos atuariais do plano de benefícios da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ).A divulgação dos demonstrativos trimestrais está prevista para o dia 25 de fevereiro.
  • PIB
    O mercado financeiro elevou a estimativa para o crescimento do PIB brasileiro neste ano, a 5,35%. Há uma semana, o prognóstico era de 5,30% e, há um mês, de 5,20%.

FRASE DO DIA

NASCEMOS PRÍNCIPES E A EDUCAÇÃO FAZ DE NÓS SAPOS.

E. Berne