Artigos Anteriores

A SOLUÇÃO ESTÁ NA CIRURGIA

ANO XIV - Nº 007/14 -

BRASIL ENFERMO

Hoje, com todas pessoas que converso, tanto pessoalmente quanto pelas importantes redes de relacionamento, percebo que todos estão plenamente convencidos de que Brasil, assim como boa parte dos Estados e Municípios, estão gravemente enfermos. 

REMÉDIOS

Entretanto, por tudo que ouço e leio, percebo, com absoluta clareza e atenção, que a maioria não sabe quais tipos de doenças são estas e muito menos como devem ser enfrentadas. Ou seja, apenas sentem, na pele, que o país está muito mal, mas desconhecem o número de problemas e, por consequência, quais remédios devem ser ministrados. 

CONTEINERS DE PROBLEMAS

Chega-se portanto, a uma imperiosa conclusão: os problemas que foram criados e mantidos, ao longo do tempo, são de tal ordem que se forem descritos, um a um, encheriam vários CONTEINERS. Esta enorme quantidade, por óbvio, já basta para dificultar o conhecimento de todos os males e quais as soluções para cada um deles. 

VOLTAR A RESPIRAR

Pois, diante da impossibilidade de fazer referência a cada problema existente, me proponho a mostrar aquele que mais pesa na nossa economia e que, por sua vez, produz dificuldades enormes para que o País, Estados e Municípios possam voltar a respirar.   

PROBLEMA MAIOR

Gostem ou não, o fato é que o PROBLEMA MAIOR está no CUSTO DAS FOLHAS DOS SERVIDORES do setor público, principalmente na conta dos INATIVOS. Sem atacar este MEGA PROBLEMA, com total certeza o Brasil como um todo não tem como ser um país viável. 

EXEMPLO

Vejam, por exemplo, o que acontece no RS e que já se espalha por outros Estados da Federação: A ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS JÁ NÃO É SUFICIENTE PARA PAGAR A FOLHA DOS SERVIDORES -ATIVOS E INATIVOS-.

E mesmo diante deste QUADRO TERRÍVEL os servidores exigem que o Estado não só pague em dia os seus salários como aprove novos aumentos. Por outro lado, para piorar ainda mais o quadro, o povo exige que o governo contrate mais professores, policiais e agentes de saúde. Pode?

CIRURGIA

Portanto, muita ATENÇÃO: ainda que todos os males devam ser enfrentados, o fato é que, sem mexer no PROBLEMA MAIOR, acima referido, não tornará os pacientes - País, Estados e Municípios- efetivamente saudáveis.

A cura, caros leitores, passa por uma profunda cirurgia, cujo bisturi precisa cortar, pela raiz, muita coisa que está contemplada nos DIREITOS ADQUIRIDOS. Qualquer vacilo torna o PROBLEMA MAIOR ainda mais forte, o que inviabiliza ainda mais o que já está INVIÁVEL. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS

    Sem qualquer ponta de surpresa, o destaque dos indicadores desta segunda-feira ficou por conta da piora na expectativa do mercado em relação à queda do PIB para 2016, pelo Focus. A previsão mais recente é de que o PIB caia 2,99% ante a previsão anterior que mostrava queda de 2,95%, na semana passada. 
     

  • INFLAÇÃO E SELIC

    Já para a inflação, a expectativa também é pior: aumento do IPCA de 6,93% segundo os dados desta semana, contra alta de 6,87% para o indicador na semana anterior.

    Já para a Selic, o mercado estima a mesma taxa que na semana anterior para o final de 2016 (15,25%); a mudança ocorreu para a previsão do final de 2017: 12,75% ao ano contra 12,50% ao ano estimados na última semana.
     

  • MOBILIDADE SOCIAL

    O aumento do desemprego e a queda de renda dos brasileiros já mostra impacto forte na mobilidade social no país. Pelo menos 3,7 milhões de pessoas deixaram a classe C e voltaram para as classes D e E entre janeiro e novembro do ano passado. O estudo foi feito pela economista Ana Maria Barufi, do Bradesco, com base nos dados de renda da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. (Valor)

     

  • INFLAÇÃO

    A mensagem a seguir, que recebi ontem, mostra que muita gente já consegue entender, com clareza, o que é INFLAÇÃO. Eis o que diz Alexandre Versignassi:

    - Não sou economista, mas sempre ouvi dizer que o lastro da moeda de um país estava diretamente ligado as suas reservas em ouro, no caso do Brasil sob a administração do BACEN. Se você ou os copiados (alguns são economistas) puderem me elucidar esta questão, agradeço.
    Na minha visão de Administrador (tendo tido algumas cadeiras de Economia durante o curso), entendo que, quando um governo resolve seus problemas de déficits simplesmente emitindo moeda, irá fatalmente ocorrer uma desvalorização da moeda local e uma consequente inflação decorrente deste aumento de papel moeda.
    Por favor me corrijam se estiver errado. 

    Respondo: nada a corrigir, meu caro. É bem isto, ou seja, quem promove inflação não é o tomate ou a batata. É o governo.

FRASE DO DIA

A verdade alivia mais do que magoa.

Cervantes