Artigos Anteriores

A CAUSA DE TODAS AS CAUSAS

ANO XIV - Nº 007/14 -

NOVA CONSTITUIÇÃO

Na semana passada, em São Paulo, durante um almoço realizado no bistrô da magnífica loja da Florense (na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 690) que contou com a presença de pensadores que residem naquela cidade, o tema que dominou a longa conversa foi a necessidade de uma -NOVA CONSTITUIÇÃO- para o nosso empobrecido Brasil. 

RELAÇÃO CAUSA/EFEITO

Considerando que o grande PROPÓSITO da Sociedade PENSAR+, como reza na sua Carta de Princípios e Objetivos, é -prestar constantes ESCLARECIMENTOS sobre a relação CAUSA/EFEITO quanto às propostas, sugestões e decisões governamentais, em todos os níveis-, aí a necessidade uma NOVA CONSTITUIÇÃO se impõe de forma inquestionável. 

TRÊS RAZÕES

Mesmo existindo várias razões para que uma NOVA CARTA venha a ser escrita, e promulgada, eis aí apenas três justificativas que se impõe como imprescindíveis:

1- forte DIMINUIÇÃO DE DIREITOS com efetivo AUMENTO DE DEVERES;

2- fim da estabilidade de emprego no SETOR PÚBLICO;

3- fim das CLÁUSULAS PÉTREAS, que só podem ser alteradas por NOVA CONSTITUIÇÃO; etc...

PROVIDÊNCIAS

Vejam que, independente de outras providências, só estas TRÊS mudanças, que através da atual CONSTITUIÇÃO (NADA CIDADÃ) são simplesmente impossíveis, o Brasil dá um fantástico  SALTO DE LIBERDADE. 

CAUSA-MÃE

Como se vê,  com absoluta nitidez, a -CAUSA-MÃE-, ou -CAUSA DE TODAS AS CAUSAS-, do empobrecimento da SEGUNDA CLASSE (povo) e do enriquecimento da PRIMEIRA CLASSE (servidores públicos), como bem demonstra o cálculo do PIB do nosso empobrecido Brasil, está consagrado na ambígua CONSTITUIÇÃO de 1988. 

PRONTA E ACABADA

Ainda que muita gente entenda que a proposição de uma NOVA CONSTITUIÇÃO, neste momento, é correr um risco alto de que a ideia venha a ser sepultada no seu nascedouro, isto não impede que estudos e ensaios sejam providenciados. Assim, tão logo o ambiente se torne favorável, ao menos já teríamos uma proposta pronta e acabada. 

O que tenho a declarar é que a reunião-almoço dos pensadores foi encerrada com este firme propósito. Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • TENTATIVA DE SUICÍDIO

    Eis o texto do jornalista J. R. Guzzo -ABANDONAR AS REFORMAS É UMA CLARA TENTATIVA DE SUICÍDIO DO PAÍS-, publicada na Gazeta do Povo:

    "Está difícil. A qualquer minuto, dizem médicos respeitadíssimos, os governos e as redes sociais, o sujeito pode pegar um coronavírus ao botar o pé para fora de casa, e a partir daí não está claro se ele vai ter uma gripe, se não vai acontecer nada ou se vai cair morto. Ler sobre o assunto, em geral, só aumenta a sua própria confusão mental, visto que lhe jogam em cima 1.000 notas, avisos, vídeos, áudios, fotos, etc., que se repetem ou se contradizem uns aos outros. Para completar, começam a surgir, agora, dúvidas cada vez angustiantes sobre outras aflições da vida. Vou perder meu emprego? Vou fechar a minha empresa? Vou ficar sem um tostão no bolso?

    O noticiário é tenebroso. As bolsas caem tanto, em todos os países do mundo, a ponto de suspenderem os pregões. O dólar passa dos R$ 5,00. As companhias de aviação, a continuar essa procissão, estão a caminho da falência porque a cada dia um país diferente proíbe voos vindos do exterior, e os passageiros não podem mais comprar passagens, mesmo que queiram. Na sequência, quebram os hotéis e o restante da indústria de viagem. Segue-se a falência dos fornecedores.

    As indústrias não poderão operar se os operários não puderem frequentar ambientes onde há outras pessoas. O mesmo vale para o grande, médio e pequeno comércio. Faltam peças e componentes importados. E se proibirem as pessoas de andar de ônibus, metro ou trem? Estão sendo suspensos shows, disputas esportivas, convenções, congressos (inclusive congressos médicos) e mais todo o tipo de atividade onde existe público.

    Empresas que podem adotam, pelo menos em parte, o “teletrabalho”. A Amazon quebra, porque não há mais gente para fazer as entregas. A Netflix morre por falta de gente para ver seus filmes. Os governos (o do Brasil, por exemplo, já está quebrado muito antes de qualquer vírus) param porque não há mais funcionários, nem impostos. Vai somando: o que sobra?

    Há duas possibilidades, diante de tudo isso: ou a onda passa, e passa relativamente logo, ou o mundo acaba. Como a segunda hipótese é pouco provável, mesmo porque é impossível dar tudo errado durante o tempo todo, sobra a primeira. Há estimativas, nas quais você acredita se quiser, que as coisas vão piorar durante os próximos três, quatro ou cinco meses, e depois começarão inevitavelmente a melhorar – porque o contágio se esgota e o combate à epidemia se torna mais eficaz.

    Muito do mal, entretanto, já está feito. A economia mundial não vai crescer como se poderia esperar – na verdade, o que se espera agora é exatamente o contrário. No Brasil, especialmente, a situação é delicada. Não apenas a estrutura de saúde, pública ou particular, não está equipada para enfrentar uma epidemia dessas proporções – atenção: a de nenhum país está, mesmo no primeiro mundo, porque era impossível prever o coronavírus e executar, durante anos, o volume de obras para enfrentá-lo –, mas na própria economia em si.

    O Brasil vem de um não-crescimento de 1% em 2019. A reação que se poderia esperar para este ano, pela excelente posição dos principais fundamentos econômicos, já parece travada – até porque a maioria das empresas, dos investidores e dos consumidores tem certeza de que está travada.

    O ministro Paulo Guedes disse que o país tem “capacidade e velocidade de escape” para enfrentar a crise. Não se sabe bem o que é isso, mas é certo que a urgência das reformas se torna cada vez mais vital. O Brasil, sem nenhum vírus, já não tinha outra escolha que não fosse transformar radicalmente o seu Estado. Agora, então, continuar a não mexer em nada parece uma clara tentativa de suicídio.

  • SAINT PATRICK'S DAY

    No dia 17 de março, das 19h às 21h30, o Boulevard Assis Brasil irá celebrar o Saint Patrick’s Day com um evento especial na praça de alimentação do empreendimento. Na ocasião, o público poderá curtir o som de Vini Diníz, que realizará um show de música ao vivo. No repertório, canções como Little Lion Man, da banda Mumford & Sounds, Riptide, de Vance Joy e Seven Days, dos Mighty Oaks.

    Durante o evento, alguns dos restaurantes do shopping também estarão realizando promoções e ações especiais. A entrada é gratuita.

FRASE DO DIA

Otimismo é esperar pelo melhor. Confiança é saber lidar com o pior.

Roberto Simonsen