Artigos Anteriores

ESTACIONAMENTO DE DINHEIRO

ANO XIV - Nº 007/14 -

EMISSÃO DESCONTROLADA

Com o propósito, ou intenção, de impedir uma catástrofe financeira internacional, os bancos centrais de diversos países, notadamente da Europa e dos EUA, resolveram que a melhor solução para o grave problema deveria passar pela emissão maciça e/ou descontrolada de moeda, notadamente euros e dólares.

LIQUIDEZ SOCIALISTA

Esta medida, que muita gente confunde erradamente como CAPITALISTA, quando é, isto sim, essencialmente SOCIALISTA, fez do dinheiro a mercadoria mais abundante no mundo. Em momento algum, como estamos assistindo, tivemos a oportunidade de viver um período com tamanha liquidez.

ATITUDES DE RECEIO

Esse fato, no entanto, passou a exigir novas atitudes e, principalmente, compreensões por parte dos depositantes e investidores em geral. É notório e transparente o quanto os donos do dinheiro andam preocupados em não perder suas poupanças monetárias. Mesmo aqueles que, por receio, mantém o dinheiro depositado exclusivamente em conta-correntes, ou seja, sem remuneração alguma.

O MAU EXEMPLO DO CHIPRE

O que está acontecendo no Chipre, por exemplo, diz tudo sobre o tal receio. Quem confiou nos bancos daquele país, com o propósito de simplesmente guardar suas economias, está passando por problemas sérios. Além de estar impedido de sacar o seu próprio dinheiro está fortemente ameaçado de perder boa parcela do montante investido e/ou depositado. Que tal?

CONFISCO

Esta situação, até então impensável, nos leva a crer que chegamos ao ponto de que o ato de depositar dinheiro em banco não significa coisa alguma em termos de garantia. O depositante pode acordar e perceber que não mais dispõe de sua poupança, ou, na melhor das hipótese, com menos do que tinha na véspera, dependendo do tamanho do confisco determinado. É mole?

COBRANÇA PELO ESTACIONAMENTO

Ora, diante da extraordinária liquidez que o mundo vive em função das emissões (ditas salvadoras das pátrias), não é difícil imaginar como é possível os bancos mais sólidos cobrarem uma taxa para GUARDAR o dinheiro de seus clientes. Da mesma forma como os garagistas operam ao cobrar pelos veículos estacionados nos seus pátios.

PAGAR PELA GUARDA

Como se vê, o ato de pagar pela guarda, desde que com boas garantias (seguro), antes de ser considerado um absurdo, pode vir a ser um ótimo negócio nos dias de hoje. Principalmente se o exemplo do Chipre for seguido por outros irresponsáveis SOCIALISTAS, que insistem em manter as despesas sociais extremamente elevadas.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • CABO ELEITORAL
    Da mesma forma como apoiou a reeleição de Hugo Chávez, o ex-presidente Lula está empenhado na campanha de Nicolás Maduro, para presidência da Venezuela. Em vídeo, Lula diz o seguinte: - Maduro presidente é a Venezuela que Chávez sonhou. Ou seja, para manter o programa definido pelo FORO DE SÃO PAULO, Maduro precisa se eleger. E tem gente que baba de amor por Lula. Pode?
  • MENSALÃO
    Seria ótimo se o povo venezuelano viesse a tomar conhecimento do MENSALÃO, considerado, de forma indiscutível, o maior caso de corrupção jamais visto no Brasil. Infelizmente, Lula nada expõe sobre esse mal feito no vídeo que enviou à Venezuela. Pena.
  • TÁ NA MESA
    A Federasul vai utilizar seu espaço de debates (chamado Encontro.com) para ouvir, na próxima terça-feira, 09, o governador do Estado de Pernambuco, Eduardo Campos, que falará sobre Estado e Sociedade: Parcerias para o desenvolvimento. Às 12h.
  • CONSELHO DE QUALIDADE
    O empresário gaúcho Joal Teitelbaum é o primeiro brasileiro a ser eleito para o Conselho Global da Sociedade Americana da Qualidade (American Society for Quality ? ASQ). No mês de maio, ocorrerá a primeira reunião presencial de 2013 do grupo, composto por apenas sete integrantes no mundo, na cidade de Indianápolis, nos EUA, quando serão debatidos temas como o estado global da qualidade e forças do futuro, definindo-se ações para implementar a sustentabilidade tanto no setor privado como no setor público. Parabéns!

FRASE DO DIA

Os miseráveis não têm outro remédio a não ser a esperança.

William Shakespeare