Artigos Anteriores

VERSÃO PETISTA DO -ENCILHAMENTO-

ANO XIV - Nº 007/14 -

IRRESPONSABILIDADE ILIMITADA

Todos os governantes que resolvem expandir a atividade econômica via ampliação de gasto fiscal e/ou adoção de política monetária frouxa, do tipo que propõe e estimula forte endividamento tanto por parte do governo quanto da sociedade, deveriam saber que são adeptos do caos. Trata-se de portanto, de uma irresponsabilidade sem limites.

HISTÓRIA

A história aí está para mostrar o que aconteceu em todos os países que resolveram adotar programas populistas e/ou assistencialistas. O Brasil, para quem procura saber dos grandes erros cometidos pelos nossos governantes, já passou por uma crise muito parecida com esta que foi produzida pelos governos Lula e Dilma, do PT. 

ENCILHAMENTO

Pois, tão logo o marechal golpista Deodoro da Fonseca proclamou a República, o jurista Ruy Barbosa, mostrando ser um neófito em matéria de Economia e Finanças, assumiu o Ministério da Fazenda. Com tal acabou se tornando responsável pela manutenção do fatídico programa, iniciado por Visconde de Ouro Preto, denominado ENCILHAMENTO, o qual levou o Brasil ao caos.

PROGRAMA SUICIDA

Sob a justificativa de -estimular- a industrialização no País, Barbosa adotou uma política econômica baseada nos mesmos critérios que o PT, com Lula e Dilma a frente, resolveu copiar. Ambos resolveram conceder créditos livres e abundantes aos investimentos industriais, garantidos por farta emissão monetária e aos consumidores, com facilidades impressionantes.

SEMELHANÇA

Vejam que a semelhança entre os dois programas é muito grande. Em ambos o que se viu foi:

1- a expansão dos capitais financeiro e industrial através de desenfreada especulação financeira em todos os mercados;

2- forte alta inflacionária, causadas pela forte expansão monetária e gastos públicos exagerados; e

3- intervenção brutal na economia.

DIFERENÇA

Ainda que as semelhanças sejam muitas, onde a incompetência tem grande destaque, o povo brasileiro, ao longo do primeiro governo Republicano, não foi vítima de uma monstruosa corrupção como acontece hoje por aqui. Ou seja, como se não bastasse a escolha do mesmo mau caminho, que de forma calculada acabaria levando o país ao inevitável caos econômico, o PT ainda imprimiu uma roubalheira sem precedentes na história mundial.   

PREFERÊNCIA NACIONAL

Para provar que em matéria econômica o Brasil fere a lógica, científica, de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, o PT copiou o Encilhamento vivido no século XIX e implantou, com requintes de grande safadeza e com viés neocomunista, o Encilhamento -versão século XXI-.

Como se vê, o país gosta do caos. Como o povo não se esclarece por absoluta falta de base educacional, os governos pintam e bordam. Do jeito que bem entendem. Com um detalhe: os petistas, em particular, fazem do caos econômico uma preferência nacional.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FEE X CORECON/RS

    Pelo quilate de vários economistas do país, que já assinaram o -Manifesto de apoio aos pesquisadores da FEE, à própria instituição e seu presidente (Igor Morais), vê-se que a diretoria do Corecon/RS (presidida por Fernando Ferrari) foi muito infeliz nas críticas que fez ao Estudo técnico elaborado por pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística.

    Vejam o que diz o Manifesto que já conta com 130 economistas, como é o caso de Gustavo Franco, Paulo Rabello de Castro, Gustavo Loyola, Afonso Celso Pastore, Marcelo Portugal, por exemplo:

    MANIFESTO DE APOIO AOS PESQUISADORES DA FEE À SOCIEDADE GAÚCHA.

    1. Na semana passada um documento técnico elaborado por três pesquisadores da FEE gerou grande discussão na imprensa, nas redes sociais e no meio político. O documento, intitulado “Relatório sobre o mercado de trabalho do Rio Grande do Sul — 2001-13”, foi classificado por alguns como “ideológico”, “tecnicamente falho” e “machista”.


    2. O documento faz, entre outras coisas, uma análise estatística e econômica das diferenças salariais entre homens e mulheres e conclui que a existência de discriminação por gênero, por parte do empregador, respondeu, em 2013, por cerca de 1/3 da diferença salarial entre os gêneros.

    3. Resolvemos vir a público para informar a sociedade gaúcha que, em nossa opinião, independente de gostar ou não dos resultados obtidos, o documento é tecnicamente bem fundamentado. Ele usa os dados disponíveis da PNAD do IBGE, que é a fonte básica para quase todos os estudos microeconômicos no Brasil, e aplica um modelo teórico (tecnicamente chamado de “decomposição Oaxaca-Blinder”) que também é padrão na literatura científica internacional.

    4. Em resumo, o documento atende a todas as características de pesquisa científica de qualidade: usa um banco de dados confiável e uma metodologia com respaldo na literatura técnica.

    5. No mundo acadêmico é sempre possível questionar resultados de um estudo científico. Mas isso deve ser feito dentro dos limites e fóruns estabelecidos pela própria ciência: ou seja, questionando a metodologia teórica ou os dados utilizados. Infelizmente, não é isso que ocorreu nesse caso. O debate sobre o referido documento tem sido marcado pela histeria política.

     

  • NO BRASIL

    No Brasil, a produção industrial regional caiu em 5 dos 14 locais pesquisados em março ante fevereiro. Em São Paulo, o recuo foi de 0,8% na mesma base de comparação.

  • NO REINO UNIDO

    Já no Reino Unido, a produção industrial cresceu 0,5% em março ante fevereiro, acima da projeção de alta de 0,1%. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento foi de 0,7%, também acima do esperado.

  • DENÚNCIA GRAVE

    Li, no site da revista Veja, a seguinte denúncia grave:  Um livro dos jornalistas uruguaios Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz revela que a presidente Dilma Rousseff -interveio- diretamente para punir o Paraguai depois que o congresso do país votou pelo impeachment do presidente Fernando Lugo, em 22 de junho de 2012. -Uma Ovelha Negra no Poder-, sobre o ex-presidente do Uruguai José Mujica, é a mesma obra que revelou confidências do presidente Lula sobre o mensalão.

    Lugo sofreu impeachment por mau desempenho de suas funções a nove meses das eleições presidenciais no Paraguai. O posto passou a ser ocupado pelo vice-presidente, Federico Franco. Faz parte do jogo democrático ter instrumentos para afastar presidentes incompetentes, criminosos ou corruptos. No Paraguai, tudo ocorreu em obediência à Constituição, ainda que as votações no Congresso e no Senado tenham sido muito rápidas. Apenas um deputado e quatro senadores pediram a absolvição de Lugo. No total, 112 parlamentares votaram por "la condena", pela condenação. O prazo para o presidente apresentar sua defesa foi curto, mas não violou as regras para o impeachment.

    Argentina e Brasil sustentaram que o processo significava uma "ruptura democrática", apesar de ter ocorrido em conformidade com as leis paraguaias. Para punir o governo interino, os governos dos dois países decidiram expulsar o Paraguai do Mercosul. Mas o uruguaio Mujica era contra a medida. O livro de Danza e Tulbovitz revela como o governo brasileiro o convenceu a mudar de ideia e como a presidente Dilma Rousseff foi fundamental para isso.
    E agora?

     

FRASE DO DIA

A ignorância é a maior multinacional do mundo.

Paulo Francis