Artigos Anteriores

UM DISCURSO FRANCO, SINCERO E OBJETIVO

ANO XIV - Nº 007/14 -

DISCURSO NA ONU

Depois de assistir duas vezes, na íntegra, o discurso proferido pelo nosso presidente, na abertura da Assembleia da ONU, também tratei de ler e ouvir as críticas e comentários daqueles que, costumeiramente, reprovam tudo aquilo que Jair Bolsonaro diz, ou  imaginam que possa estar  pensando, achei por bem opinar a respeito.

FRANQUEZA E SINCERIDADE

Para começar gostei muito do discurso. Confesso que esta foi a primeira vez que um presidente brasileiro, que por tradição é o representante que abre a Assembleia da ONU, fez uso do palco e do microfone para proferir um discurso repleto de FRANQUEZA, extrema SINCERIDADE e muita OBJETIVIDADE. 

TOM DO DISCURSO

Vejam que os críticos que detestam o presidente, que em situação alguma dariam o braço a torcer, viram o discurso de Bolsonaro como -AGRESSIVO- e não CONCILIADOR, como gostariam que fosse. Esta afirmação, aliás, serve de prova do quanto os maus jornalistas adoram a sempre muito FALSA E NOJENTA postura -POLITICAMENTE CORRETA-.

POSIÇÃO COMBATIVA

Pois, na minha avaliação, o discurso do presidente Jair Bolsonaro foi COMBATIVO, que resulta da soma de boas doses de FRANQUEZA com  enfática OBJETIVIDADE.

A propósito, o pensador Rodrigo Constantino também comunga da minha convicção. No texto que expõe o seu sentimento diz:  - Estão chamando o discurso de Bolsonaro na ONU de “agressivo”? Agressiva é a militância bolsonarista nas redes sociais. Com isso estou de pleno acordo. Já o discurso do presidente pode ter sido direto, enfático, até duro, mas não foi agressivo coisa alguma. Bolsonaro “tocou a real” sobre a agenda “progressista”, e bem na casa do “progressismo” global. E isso incomodou tanto, eis a verdade.

SALVAR O PLANETA

Mais: - Os mesmos que odiaram o discurso de Bolsonaro na ONU e sentiram “vergonha” de ser brasileiro ficaram encantados com os gritos histéricos da pirralha sueca de 16 anos que quer “salvar o planeta”. É a bolha “progressista”, o mundo da estética, da hipocrisia, da autoimagem, onde a sensação de nobreza importa mais do que os atos ou fatos.

CUCARACHA

Na real, o discurso do presidente Jair Bolsonaro serviu para mostrar, pela primeira vez desde que o Brasil é o país que, tradicionalmente, abre a Assembleia da ONU, a postura de um PAÍS que pretende deixar de ser um CUCARACHA. Parabéns, presidente, pela postura firme.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ZAFFARI DE A a Z

    O Grupo Zaffari está lançando o relatório social referente ao ano de 2018. A publicação, intitulada “Zaffari de A a Z”, detalha os projetos nas áreas social, cultural e ambiental que receberam patrocínio e apoio da empresa, ao longo do ano passado.

    Entre as iniciativas culturais, destacam-se os Concertos Comunitários, que, em 2018, alcançaram a sua 31ª edição; o patrocínio à apresentação do tenor Andrea Bocelli; patrocínio à 11º Bienal do Mercosul; apoio da marca à realização das feiras do livro de Porto Alegre, Passo Fundo, Cachoeirinha e Gravataí, e patrocínio à construção da Casa da Música da OSPA, na Capital, entre outras. Na área social, o livro registra as colaborações da empresa com hospitais e instituições, a atuação dos Esquilos mascotes em visitas a pacientes de hospitais, patrocínios e apoios a campanhas sociais e eventos esportivos beneficentes como o Lance de Craque. Na parte de sustentabilidade, cita o patrocínio ao 7º Seminário Cidade Bem Tratada; processos de uso consciente de energia, e gerenciamento de resíduos sólidos. Redução de uso de papel, distribuição de sacolas retornáveis e recicláveis também são contabilizadas pela publicação.

    Desenvolvido pelo departamento de marketing coorporativo do Grupo Zaffari, o livro também está disponível online através do link: (www.grupozaffari.com.br/responsabilidade-social).

  • DOAÇÃO

    A AHMI – Associação dos Amigos do Hospital Presidente Vargas, comemora a iniciativa de Carmen Fichtner, voluntária que liderou a captação-relâmpago, junto a 18 doadores, da verba necessária para a aquisição de cortinas divisórias para o Centro Obstétrico do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Além de proporcionarem privacidade para mães e bebês, as cortinas vão indiretamente beneficiar o atendimento de crianças e adolescentes através do CRAI - Centro de Referência no Atendimento Infanto-Juvenil para Vítimas de Violência Sexual. É que as cortinas são uma exigência para o alvará da Vigilância Sanitária, documento necessário para a liberação da verba do Ministério Público destinada à reforma do CRAI. Com 18 anos de atividade, o departamento atende mensalmente cerca de 150 crianças e adolescentes, e é hoje um modelo para todo o Brasil de atendimento multidisciplinar, humanizado e desburocratizado.

    Através do CRAI, além do atendimento médico, as vítimas realizam, no próprio hospital, as perícias físicas e psíquicas que auxiliam na formação de provas judiciais contra os responsáveis pelas agressões e alienação parental. A visão do projeto é reduzir a exposição das crianças e adolescentes e minimizar as consequências dessa vivência traumática, e também maior agilidade junto aos órgãos de Saúde, Segurança, Justiça e demais integrantes do Sistema de Garantias de Direitos.

FRASE DO DIA

Você pode ignorar a realidade, mas não pode ignorar as consequências de ignorar a realidade.

Ayn Rand