Artigos Anteriores

TROCA DE COMANDO?

ANO XIV - Nº 007/14 -

BOATO

Na semana passada começou a circular um boato no mercado dando conta de que a presidente Dilma estaria disposta a mudar o comando do Ministério da Fazenda. Caso se confirme tudo que está sendo comentado, o INCOMPETENTE Guido Mantega estaria sendo substituído pelo ALQUIMISTA Arno Augustin.

FICA, MANTEGA!

Depois que tomei conhecimento deste -disse me disse- fiquei pensando se não deveríamos dar início, com urgência, de uma campanha tipo: FICA, GUIDO MANTEGA! Mesmo considerado um dos piores da história desse país, o seu (possível) substituto tem tudo para provocar, em breve, um sentimento forte de saudade do atual titular da Pasta.

-OSCAR- DE MAQUIAGEM

É bom lembrar que Arno Augustin, titular da Secretaria do Tesouro Nacional, tem especialização em MAQUIAGEM e EFEITOS ESPECIAIS. Só não vai concorrer ao Oscar porque a sua inscrição não foi feita a tempo. Depois da maquiagem que fez com as contas públicas do país, no apagar das luzes de 2012, que denominou de CONTABILIDADE CRIATIVA, Arno Augustin não teria concorrente à altura.

DUAS ESPECIALIDADES

Como já virou praxe em todos os governos petistas e em boa parte dos governos peemedebistas aliados, todos os escolhidos para ocupar qualquer um dos inúmeros ministérios precisam provar que tem, no mínimo, uma de duas especialidades: a primeira é a CORRUPÇÃO; a segunda, a INCOMPETÊNCIA. Se for portador das duas, aí é a glória.

NOVO PRÉ-REQUISITO

Agora, o governo Dilma pode estar acrescentando mais uma especialidade, ou pré-requisito, caso se confirme o boato sobre a saída de Guido Mantega e a entrada de Arno Augustin: MAQUIADOR. Não é de se estranhar se daqui a pouco o governo resolva abrir um concurso público para contratação de gente capaz de entortar números.

PRESTIDIGITAÇÃO

Se a situação das contas públicas de 2012 exigiu alguma familiarização com a prestidigitação, para o atual exercício de 2013 o trabalho já promete ser maior. Daí se depreende que o boato tem um bom fundo de verdade. Afinal, nada melhor do que o próprio ministro da Fazenda para dar as cartas sobre como fazer para enganar os pobres contribuintes e cidadãos brasileiros.

ILUSIONISMO

Vale lembrar que prestidigitação é o ato de escamotear, iludir. Assim, profissionais da área não mudam a realidade das coisas, certamente. Mágicos não fazem objetos desaparecer, gente. Eles, no máximo, mudam o objeto de lugar, tirando do alcance dos olhos dos espectadores. Quem acredita no desaparecimento, além de tolo é incompetente. Mostra, inclusive, credenciais para ser ministro.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • MISSA
    Graças ao Centro-Oeste, o PIB brasileiro vai fechar 2012 no positivo. Sem a região, o resultado teria sido ainda pior que o fraco crescimento de 0,8% a 1% que o país espera. O governo deveria mandar rezar uma missa para aquela importante região, não?
  • TRAGÉDIA ANUNCIADA
    Gostem ou não, o fato é que o fornecimento de luz para a Copa do Mundo de 2014 está ameaçado em boa parte das cidades-sede, diferentemente do que vem sustentando o governo. Quem anuncia a tragédia é um relatório da Aneel, finalizado em dezembro. Faltando um ano e meio para a realização da Copa, mais da metade dos 163 empreendimentos necessários para garantir o fornecimento de energia está atrasada. Que tal?
  • META DE INFLAÇÃO NO JAPÃO
    O Banco Central do Japão (BOJ) e o governo do país informaram ao mercado que resolveram adotar o regime de meta de inflação. A meta para 2013 é 2%. O banco central japonês apontou que vai perseguir o afrouxamento monetário e que vai comprar 13 trilhões de ienes (US$ 146 bilhões) de ativos a partir de 2014, sem estabelecer um prazo de encerramento.
  • E NO BRASIL...
    Aqui, lamentavelmente, o governo Dilma resolveu acabar com o regime de meta de inflação. O Japão, pelo visto, não entende patavina de economia, não é mesmo?

FRASE DO DIA

Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada.

Ayn Rand