Artigos Anteriores

TRANSFERÊNCIA DE RISCO

ANO XIV - Nº 007/14 -

COMENTÁRIOS DE ONTEM

Eu tinha certeza de que vários produtores rurais abominariam os meus comentários de ontem, quanto às compras feitas pelo governo federal, de 360 toneladas de arroz e 100 toneladas de feijão, anunciadas nesta semana.

CULTURA EQUIVOCADA

Não há como concordar com a reação dos arrozeiros, e explico isto mais adiante. Acontece que a cultura dos agricultores brasileiros é de que o governo deve garantir os preços das safras quando o mercado não está disposto a pagar o mínimo que exigem para cobrir os custos de produção.

FUNDO

Já a reação demonstrada pelos leigos, no entanto, muito me impressiona. Se entendem como justo o governo assumir o risco dos produtores, com todo o respeito que merecem sugiro que montem um Fundo, com seus próprios recursos, para que possam financiar os agricultores mal sucedidos.

FUGINDO DO RISCO

Assim como acontece com moedas(câmbio), ações e juros, por exemplo, os exportadores, importadores, investidores e especuladores que não querem enfrentar os riscos de oscilação de preços de mercado, tratam de fazer operações de HEDGE.

PARA O MERCADO

Os mecanismos que propiciam as operações de Hedge, já muito conhecidos no mundo todo, e no Brasil também, já estão disponíveis nas bolsas de mercadorias e de futuros mundo afora. Através da comercialização de contratos futuros, a transferência do risco de preços vai para o mercado.

AGRIBUSINESS

Antes da revolução industrial a agricultura representava praticamente 100% de tudo que era produzido. Daí a preocupação dos governos em garantir o exercício da atividade. Hoje, o agribusiness envolve todos os setores (industrial, comercial e de serviços).

IMPREVIDÊNCIA

Com a organização dos mercados e o avanço da tecnologia, ao analisar o mercado (oferta e demanda), qualquer pessoa tem a possibilidade de negociar produtos conforme as perspectivas que têm de alta ou baixa de preços. Esta operação de compra ou venda nos mercados futuros significa que o mercado está assumindo os riscos de preços. Como o mercado é futuro, as safras podem ser negociadas antes do plantio. O que informa o produtor da vantagem ou não de produzir. Com isso os governos não precisam fazer hedge ou dar garantias de preços mínimos a quem quer que seja. Afinal, quem é imprevidente é porque gosta de assumir seus próprios riscos.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • BOLSAS
    A Bolsa de Valores de Londres vai se unir com a operadora das bolsas de valores de Toronto e Montreal. O acordo entre a LSE e o TMX, do Canadá, todo em ações, foi classificado como uma fusão de iguais, mas os acionistas da bolsa londrina vão ter 55% do novo grupo.
  • IMÓVEIS
    80% dos imóveis americanos são vendidos para estrangeiros. Desse percentual, metade é para brasileiros. A Flórida é de longe a região mais popular entre os compradores estrangeiros, com 22% das vendas. Segundo corretores, vários brasileiros estão fazendo de Miami a sua primeira opção para uma casa na praia, vendendo propriedades no litoral paulista ou em Angra dos Reis.
  • BANRISUL
    O Banrisul disponibilizou novos benefícios aos servidores públicos federais que receberem seus pagamentos pela instituição. Entre as novidades estão o crédito imobiliário com taxas especiais e prazo de até 30 anos para pagamento, promoções nos pacotes de tarifas de conta corrente, de cartões de crédito MasterCard e Visa, e do BanriClube de Vantagens.
  • AVENIDA GRÉCIA
    Iniciam, hoje, as obras de duplicação da avenida Grécia, na Zona Norte de Porto Alegre. O projeto é contrapartida das obras do Shopping Bourbon Wallig, da Companhia Zaffari, com prazo de 8 meses para a conclusão.

FRASE DO DIA

Há calúnias contra as quais a própria inocência perde a coragem.

Napoleão Bonaparte