Artigos Anteriores

TIRO DE MISERICÓRDIA

ANO XIV - Nº 007/14 -

LENTILHA

Confesso que a minha intenção não era a de abrir o ano de 2013 fazendo comentários sobre assuntos econômicos que não otimizam o nosso desenvolvimento e, principalmente, que contrariam os desejos feitos por milhões de brasileiros no momento em que se deliciavam com a lentilha servida na hora da passagem de ano.

TEMOR

Para evitar o risco de não ser bem compreendido lembro que, em 01/01/2003, quando Lula assumiu seu primeiro mandato como presidente, o grande temor do povo brasileiro era uma possível extinção do Plano Real. Principalmente, porque o PT dizia, claramente, o quanto não gostava, nem acreditava, no Plano, como o próprio ministro Mantega revelou, em artigo que escreveu e que a Folha de São Paulo publicou na sua edição de 12/07/1994.

MORTE PLANEJADA

Pois, depois de já ter abatido dois dos três pilares que davam sustentação ao Plano Real (META DE INFLAÇÃO, CÂMBIO FLUTUANTE E LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL), horas antes de fechar o ano de 2012, a presidente Dilma (costela de Lula) tratou de liquidar a já moribunda Lei de Responsabilidade Fiscal.

TIRO FATAL

O tiro fatal aconteceu na última sexta-feira, dia 28/12/2012, quando todos os brasileiros só tinham olhos para o Réveillon. Pouca gente sabe disso, mas é a pura verdade. Acompanhem o estratégico caminho planejado e trilhado pelos dois governos petistas:

AO LONGO DE 2012

Ao longo de 2012, o governo já havia apunhalado o CÂMBIO FLUTUANTE E A META DE INFLAÇÃO: o Câmbio, como é sabido, passou a ser administrado pelo BC; enquanto isso, a Meta de Inflação foi totalmente deixada de lado. Agora, para completar a obra Dilma tratou de flexibilizar (?) um dos mecanismos mais importantes da LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL, em vigor desde 2000. A mudança legaliza a concessão de desonerações tributárias com base no excesso de arrecadação. ATENÇÃO: a redação original do artigo 14 da LRF, considerado um dos pilares da política fiscal brasileira dos últimos 12 anos, não previa isso.

MATRIZ

Lula, durante seu mandato, tratou de alterar a Matriz de Desenvolvimento (globalizante), quando resolveu voltar ao ninho da Idade da Pedra através do lamentável Nacionalismo. Dilma, por sua vez, tratou de abrir 2013 deixando para trás o Plano Real. Que tal?

SOLITÁRIO

Quando Lula assumiu o poder e não mexeu no plano econômico do governo anterior (FHC), muita gente aplaudiu e declarou amor ao novo presidente. Naquela ocasião, de forma solitária fui vaiado por alertar que Lula, ou Dilma, em algum momento fariam o que o PT sempre quis: acabar com o Plano Real. Pois, durante o ano de 2012 Dilma fez exatamente isso. Aí está, portanto, a prova definitiva de que o PT jamais engoliu o Plano Real. Como Lula precisava ganhar a confiança do povo que temia a volta da inflação, durante o seu mandato tratou de mexer pouco ou quase nada no tripé que dava sustentação ao Plano Real. O assunto, no entanto, nunca foi esquecido. Só faltava o momento certo para liquidar com a boa herança. Ah, ainda dá tempo para encomendar a Missa de Sétimo Dia. Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ALÍVIO
    Depois de muita negociação, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou a legislação que evita o chamado ABISMO FISCAL. Os 257 votos a favor (167 votaram contra) mantiveram o pacote de isenção de impostos que vigorava desde o governo de George W. Bush.
  • BOLSAS
    Com a aprovação do pacote americano, as Bolsas do mundo todo festejam com boas altas nos seus índices. Inclusive a Bovespa.
  • IPI INDECENTE
    Hoje, o indecente IPI para compra de carros mil passa de ZERO para 2%. Até março, o consumidor pagará esta alíquota. Entre abril e junho o IPI subirá para 3,5%; Caminhões continuam com alíquota zero. Atenção: O IPI é um imposto para quem produz. Pode?
  • REGRAS DE CÁLCULO
    A Receita Federal mudou as regras de cálculo do chamado preço de referência de produtos e serviços estrangeiros. O método é utilizado para dar valor a operações de venda e compra de serviços e bens de empresas que têm unidades no Brasil e no exterior. A nova medida tem como objetivo evitar fraudes. Segundo informa a Subsecretaria de Tributação, com as novas regras o governo evita que uma empresa coligada a outra no Brasil mande um equipamento para o país e faça uma avaliação fictícia com o objetivo de remeter valores irreais ao exterior. A mudança está na Instrução Normativa 1.312 publicada no Diário Oficial da União.

FRASE DO DIA

Esperança é a paciência com a lâmpada acesa.

Tertuliano