Artigos Anteriores

SURFANDO EM DUAS ONDAS

ANO XIV - Nº 007/14 -

LIBERDADE ECONÔMICA

Há quem não goste do que o economista liberal Paulo Guedes pensa e diz sobre a falta de liberdade econômica que, infelizmente, reina no nosso empobrecido Brasil, notadamente nos últimos 42 anos (1975-2017). 

ESTADO INTERVENTOR

Entretanto, quem se dispõe a analisar a trajetória econômica brasileira ao longo do período de 1900/1975, gostando ou não de Paulo Guedes não terá como contestar os números (que nunca mentem). Vejam que o desempenho até 1975 foi altamente positivo e, a partir de então, quando o ESTADO INTERVENTOR se fez presente, as coisas foram se complicando. 

ECONOMIA LIVRE

De 1900 a 1975, quando o general Ernesto Geisel assumiu a presidência do Brasil, a economia brasileira cresceu, em média, 7,36% ao ano (a taxa maior do mundo até então). Isto porque a economia brasileira, até então, era relativamente livre. 

ONDA ESTATIZANTE

Pouca gente sabe, mas o fato é que foi durante o Governo Geisel que iniciou a enorme onda ESTATIZANTE no nosso país. Tal decisão, inclusive, pra lá de equivocada, levou praticamente todos aqueles que integravam a equipe econômica do governo a pedir afastamento e/ou serem demitidos.   

II PND

O II Plano Nacional de Desenvolvimento, lançado em 10 de setembro de 1974, ainda no início do governo do General Ernesto Geisel, marcou profundamente a mudança da trajetória econômica brasileira.  O II PND tinha suas bases de sustentação na forte presença do Estado na economia. Deu no que deu, ou seja, o Brasil passou a ser um país medíocre economicamente.

DUAS ONDAS

Como bem diz o economista -liberal- Paulo Guedes, a partir de 1975 o Brasil foi CAPTURADO PELA ARMADILHA do baixo crescimento. Se as coisas começaram a ficar ruins a partir de então, pior ainda ficou no período em que o PT, de Lula e Dilma, assumiu o governo. Aí, além de crescimento negativo, o Brasil foi assaltado de forma brutal.  Passamos a surfar, a mesmo tempo, em duas  ONDAS:  1-  ONDA IMENSA DA CORRUPÇÃO; e a  2 - ONDA, de tamanho idêntico, da INCOMPETÊNCIA! 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS

    Na pesquisa Focus de hoje:

    1-a projeção para o IPCA ao final de 2017 recuou de 3,06% na semana anterior para 3,03%, enquanto a projeção para o final de 2018 se manteve em 4,02%. Para 2019, a estimativa do IPCA se manteve em 4,25% e as projeções de 2020 e 2021 seguiram em 4,00%.

    2- as estimativas para a taxa de câmbio ficaram estáveis em R$ 3,25/US$ ao final de 2017 e em R$ 3,30/US$ ao final de 2018.

    3- a projeção para a taxa de crescimento do PIB avançou de 0,73% para 0,89% ao final de 2017 e subiu de 2,58% para 2,60% ao final de 2018.

    4- a estimativa para a taxa Selic, por sua vez, manteve-se em 7,00% ao final de 2017 e de 2018.

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis o bom artigo escrito pelo pensador Percival Puggina, com o título - QUEM É A MULHER DO ANO? :

    Eu sei que os títulos de mulher do ano costumam ser concedidos para celebridades do meio artístico, dos palcos, das câmeras e das passarelas. Isso tem muito a ver com a superficialidade das relações sociais, vulgarmente incapazes de avançar um milímetro sequer sobre as aparências. Ao afirmá-lo, não estou emitindo juízo de valor sobre quem quer que seja.
    Já quando olhamos ao nosso redor, provavelmente todos temos a quem outorgar esse destaque. Num círculo mais estreito de relações, onde conhecimentos e sentimentos são mais profundos, quase sempre há alguém que é, a um só tempo, rainha, deusa, leoa, obreira infatigável de incontáveis tarefas, pessoa de vontades contidas e interesses postergados, primeira e espontânea oferta no altar dos sacrifícios. Meu louvor, meu apaixonado louvor à essa multidão anônima de mulheres do ano!
    Ao pesquisar no Google sobre a mulher do ano de 2017, vejo tantas referências à cantora Anitta, que não posso deixar de dizer: tal escolha constrange a nação. É sintoma de que o torneado do corpo se impõe ao torneado da alma, e que as formas obscurecem a beleza e a nobreza das virtudes.
    Neste ano de 2017, ninguém se ergueu acima de Heley de Abreu Silva Batista! Foi ela que entrou em luta corporal com um louco incendiário. Foi ela que retirou 25 crianças de uma creche em chamas, salvando-as de morrerem no trágico acontecimento do dia 5 de outubro em Janaúba MG. Horas depois, não resistindo às queimaduras, Heley morreu.
    Em João 15:13, numa alusão ao que viria a acontecer consigo mesmo, Jesus diz: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos". Amor supremo, cuja imposição vem do coração e chega à superação dos mais naturais instintos humanos. Quando enunciou o mandamento do amor, Jesus disse que devemos amar o próximo "como" (tanto quanto) a nós mesmos. Ele não nos exige o que Ele fez. Ele não pediu a Heley o que Heley realizou. Ela agiu voluntariamente. Amor ao próximo além do amor próprio é altruísmo, virtude das almas mais nobres, dos santos, dos heróis, dos que se erguem à reverência de todos nos altares, nos monumentos e nas páginas da História.
    Por isso, quando a agenda de 2017 começa a buscar na prateleira seu lugar ao lado das anteriores, eu me uno aos que escolhem Heley de Abreu Silva Batista e digo: Professora, este ano não tem para mais ninguém! Dê um abraço em Jesus por mim.
     

FRASE DO DIA

Só uma crise, real ou percebida, produz mudança real.

Milton Friedman