Artigos Anteriores

RS: ESTADO INVIÁVEL

ANO XIV - Nº 007/14 -

TRISTES PARA SEMPRE

De forma geral, por mais  difíceis e complicadas  que sejam os problemas e/ou situações a serem enfrentados,  a ordem é acreditar que uma saída acabará sendo encontrada. É assim que funciona a ESPERANÇA de que no final tudo acabará bem e todos serão felizes para sempre.

INVIÁVEL

Pois, quem vem desafiando a própria ESPERANÇA de que pode vir a ser  minimamente VIÁVEL é o falido Estado do Rio Grande do Sul, que por decisão e vontade do povo e de seus péssimos governantes, notadamente petistas, continua focado na ideia de se perpetuar no abismo.  

CAUSA

Se para muitos o problema é identificado como  FINANCEIRO, me apresso em esclarecer, pela enésima vez, que isto nunca foi a CAUSA, mas tão somente a CONSEQUENCIA do caos ou da total, absoluta e crucial INVIABILIDADE DO ESTADO DO RS.

 

RESPONSÁVEIS

De uma vez por todas: as CAUSAS do CAOS DAS CONTAS PÚBLICAS DO ESTADO GAÚCHO, independente de ordem, se apoiam:

1- na mediocridade dos governantes (em todas as áreas -executiva, legislativa e judiciária-);

2- no domínio impiedoso das Corporações;

3- no silêncio e/ou aceitação do povo e do setor  empresarial

 

LEIS PÉTREAS

Volto a afirmar, pela enésima vez, que os principais problemas (não todos) que levaram o RS ao ESTADO DE INVIABILIDADE foram promovidos por LEIS PÉTREAS, que uma vez aprovadas nunca mais podem ser modificadas,  nem mesmo por meio de emenda Constitucional. 

Vale, portanto, observar, que as PORTAS DE SAÍDA para os cruciais problemas do Estado do RS, foram BLINDADAS PARA SEMPRE. 

 

NÃO PODE!

Isto significa que o governo NÃO PODE, em hipótese alguma, REDUZIR:

1- o número de funcionários, que por lei pétrea gozam de estabilidade;

2- os salários de quem está em atividade, que por lei pétrea não podem ser reduzidos; 

3- os ganhos dos funcionários aposentados, que tanto em número de pessoas quanto no custo financeiro já é maior do que aqueles que estão em atividade.

Pode?  

ARMADILHA

Como aí repousam mais de 75% de tudo que o Tesouro do Estado arrecada, e a cada dia mais e mais funcionários se aposentam,  beneficiados, obviamente, pela INTEGRALIDADE DOS SALÁRIOS (independente, portanto, de estar ou não em atividade), o Estado do Rio Grande do Sul construiu, definitivamente, a sua própria armadilha. Para não sair mais dela!

 

SERVIÇOS PÚBLICOS IMPRESTÁVEIS

Endividado a ponto de não conseguir honrar compromissos financeiros, o RS já não consegue prestar os serviços pagos pelos impostos dos seus cidadãos:

1- a EDUCAÇÃO está caótica (nos últimos anos o Estado não cumpre nem 50% do ANO LETIVO).

2- a SEGURANÇA foi entregue aos bandidos que pintam e bordam em todos os cantos.

3- a SAÚDE vai de mal a pior.

Resumo: ou as LEIS PÉTREAS são enfrentadas, ou o CAOS É PARA SEMPRE E CADA VEZ MAIOR.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS

    De acordo com o relatório Focus, divulgado hoje pelo Banco Central:

    1-  a projeção da Selic para o final de 2016 subiu de 13,50% para 13,75%. 

    2- a projeção para o PIB passou de -3,23% para -3,20%. Para 2017, a previsão é de crescimento de 1,10% da economia brasileira. 

    3- a projeção para o IPCA deste ano foi elevada de 7,20% para 7,31%. Para 2017, a previsão se manteve em 5,14%. 

     

  • MÃOS FORTES DO ESTADO

    Lula e Dilma criaram 41 estatais (!!!) entre 2003 e 2015, informa o jornal Valor, com base em levantamento do Instituto Teotônio Vilela.

    Mais: essas empresas acumulam um rombo de 8 bilhões de reais.

    As "mãos fortes do Estado" custaram caro. (O Antagonista)

  • APENAS PARTICIPAR

    A frase -O IMPORTANTE É COMPETIR- nada tem a ver com o papel que o Brasil está fazendo nas Olimpíadas que está sediando no Rio de Janeiro. Pelo que estamos mostrando, a frase é outra: O IMPORTRANTE É APENAS PARTICIPAR-. Que tal?

FRASE DO DIA

Devemos rejeitar a ideia de que cada vez que a lei é quebrada a culpada é a sociedade, e não o transgressor da lei. É hora de restaurar o preceito de que cada indivíduo é responsável por seus atos.

Ronald Reagan