Artigos Anteriores

ROMBO MAIS ENXUTO?

ANO XIV - Nº 007/14 -

SEM AVISO PRÉVIO

Agindo de forma pouco educada, sem informar previamente que não estava disposto a trabalhar, ou funcionar, o meu -note- resolveu tirar uma folga, o que impossibilitou a publicação do editorial de ontem, quinta-feira. Daí a razão pelo cano que fui obrigado a dar aos meus leitores, justamente num momento em que pode acontecer de tudo, menos folga. 

TEMA DA SEMANA

Como o assunto predominante desta semana foi a necessária e urgente  Reforma da Previdência, nada mais importante do que encerrar o período falando ainda mais deste tema. Principalmente, porque a maioria dos deputados federais dá a clara impressão de que não quer entender o quanto as duas Previdências (uma, que atende à privilegiada PRIMEIRA CLASSE; outra, que integra a estúpida SEGUNDA CLASSE de brasileiros) são responsáveis diretos pelo crônico DÉFICIT DAS CONTAS PÚBLICAS.

SUSPIRO

Pois, na terça-feira, quando o presidente Temer, convencido de que a Câmara Federal não se mostra disposta a aprovar a reforma, resolveu -jogar a toalha-, esta atitude surtiu efeito considerado como positivo pelo mercado. Entretanto, o que de fato se viu foi apenas a disposição da possibilidade de que venha a ser aprovada uma REFORMA MAIS ENXUTA da Previdência. 

PELA METADE

Ora, o que o Brasil menos precisa é de REFORMAS ENXUTAS, que nada mais são do que REMENDOS. Ou fazemos o que deve ser feito, de forma COMPLETA, ou nunca vamos sair do atoleiro. O que está sendo proposto, sem garantia de ser aprovado, é absolutamente insuficiente para sanear o altíssimo DÉFICIT DAS CONTAS PÚBLICAS. Aliás, mal e mal conseguiria reduzir o ROMBO PELA METADE. 

POSICIONAMENTO

Portanto, com a mesma intensidade de quem, há mais de 10 anos se dedica a escrever sobre a necessidade de uma ampla REFORMA DA PREVIDÊNCIA, deixo aqui bem claro que se for para fazer uma MEIA SOLA, ou uma REFORMA ENXUTA, o melhor é deixar como está. É assim que desde já  me posiciono, se esta for a vontade dos péssimos e lamentáveis congressistas. 

PROGRAMA ATUARIAL

Volto a afirmar: a nossa PREVIDÊNCIA SOCIAL, além de deficitária, coisa que a REFORMA ENXUTA não conserta, produz a maior INJUSTIÇA SOCIAL do nosso planeta. Mais: Previdência, antes de tudo, não é PROGRAMA SOCIAL, como muitos insistem, mas um efetivo PROGRAMA ATUARIAL.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis, a propósito deste editorial, o texto produzido pelo pensador Darcy Francisco dos Santos, com o título -SEM REFORMAS O BRASIL VAI QUEBRAR:

    A frase de George Burns, um comediante americano, se aplica muito bem ao caso brasileiro: “É uma pena que todas as pessoas que sabem como governar o país estejam dirigindo táxi ou cortando cabelo”.
    No rol dos que pensam que sabem, mas pouco sabem como governar, eu incluiria mais algumas pessoas, inclusive alguns ilustres parlamentares. Passo a expor alguns dados, que me levam a firmar essa convicção.
    Em 2016, da arrecadação de tributos e contribuições no País, pouco mais de R$ 2 trilhões, 68% foi efetuada  pela União e 32% por Estados e municípios.
    Do total arrecadado, a União repassou uma parte aos entes federados e canalizou outra para as finalidades dos tributos e contribuições com destinação específica (salário-educação, FGTS e Sistema “S”), restando-lhe  líquidos 48%.
    Desse líquido, 72% é destinado à seguridade social (previdência, saúde e assistência social). Com isso, “sobrariam”  28% para as demais finalidades do governo central, mas isso não ocorreu porque uma fatia desses recursos precisou financiar parte das despesas da seguridade que não cabem dentro dos 72% citados.
    Então, o total líquido que ficou com a União atinge a ainda elevada soma de R$ 985 bilhões. No entanto, R$ 872 bilhões foram aplicados na seguridade social (88,5%), restando para todas as demais finalidades R$ 113 bilhões, ou 11,5%.
    Com esses 11,5% a União precisou financiar todos os poderes, os demais 25 ministérios e órgãos especiais, inclusive o Ministério da Educação, ao qual são destinados 18% da receita líquida de impostos, porque lhe cabe manter mais de 60 universidades e órgãos afins. Também com eles o Ministério dos Transportes precisa construir ou manter estradas, portos, aeroportos que ainda não foram privatizados.
    Por tudo isso, que o déficit primário do exercício foi de R$ 160 bilhões que somado ao montante de juros de R$ 318 milhões, atingiu a 478 bilhões de déficit fiscal (7,6% do PIB, um dos maiores do mundo).
    A dívida bruta total atingiu a R$ 4,6 trilhões. A ela foi acrescido integralmente os juros,  mais o valor do déficit primário.
    Com tudo isso, ainda há quem afirme que o País não necessita de reformas. Pasmem! 

  • AUTOMOBILISMO

    O Bourbon Shopping Wallig será ponto de encontro dos apreciadores do antigomobilismo, movimento que apresenta carros que marcaram a história do automobilismo, entre os dias 10 e 19 de novembro. O público poderá visitar, no estacionamento do 4º andar do shopping, em exposição gratuita, dezenas de carros que fazem parte da coleção do Veteran Car Clube do Brasil RS, entidade que desde 1979 reúne colecionadores de veículos e promove eventos ligados ao tema.

    As grandes atrações da exposição serão dois veículos que integram cenas marcantes do filme De volta para o futuro, obra que marcou o cinema dos anos 1980. O DMC DeLorean, usado por Doc Brown e Marty McFly para viajar no tempo, e o conversível Ford 46, do vilão Beef, poderão ser conferidos pelo público no local. Outros veículos emblemáticos, como o DKW Perua (1959), o Simca Chambord (1963), o Ford Modelo A (1930), o Fiat 514 L (1929) e o brasileiro Puma GTS (1979) também marcam presença no evento. A visitação ocorre de segunda a sexta, das 18h às 22h, nos sábados, das 10h às 22h, e nos domingos, das 11h às 20h. No feriado do dia 15 de novembro (Proclamação da República) a exposição funciona das 11h às 20h.
     

FRASE DO DIA

Hoje em dia as pessoas sabem o preço de tudo, mas não sabem o valor de nada.