Artigos Anteriores

PRESSÃO EMPRESARIAL

ANO XIV - Nº 007/14 -

RELAÇÕES COMERCIAIS

Manter boas relações comerciais com o máximo possível de países é pré-requisito para melhorar o desempenho do fluxo no comércio internacional. E fluxo, como se sabe, significa importar e exportar buscando sempre um equilíbrio de negócios que agrade os países envolvidos nas operações.

BLOCOS

Quando se trata de países de um mesmo continente, para facilitar ainda mais o fluxo surgiram os blocos comerciais, onde, por acordos firmados os seus membros se comprometem em manter o mesmo tratamento alfandegário. Que em última análise é uma forma de protecionismo.

ESTADO DE DIREITO

Dentro de cada bloco, por questões de mercado, logística e custos, é comum que empresas de porte invistam diretamente nos países membros. Para evitar que algum governante maluco apareça e resolva fechar, expropriar ou mesmo expulsar as empresas, as Nações se protegem através de acordos. Afinal, investimentos só acontecem desde que protegidos pelo cumprimento do Estado de Direito. Em Blocos formados por países cujos governos são democráticos, o risco de nacionalizações e expropriações de empresas é pequeno. Mesmo assim há como recorrer para proteger o investimento.

BLOCO POLÍTICO

O nosso pobre MERCOSUL, que nunca chegou a cumprir corretamente o seu papel de Bloco Comercial, por interesses político-ideológicos dos atuais governantes, está mudando o foco. Está virando um Bloco Político. Para tanto querem que novos membros regidos por sistemas pouco ou quase nada democráticos se aproximem. A Venezuela é um deles, embora não seja o único.

CONFISCOS

É incompreensível que os costumeiros confiscos, expulsões e outros atos lamentáveis praticados pelo neo-ditador Hugo Chávez, não estejam sendo analisados corretamente por entidades governamentais e, principalmente, por muitos empresários brasileiros que mantém negócios na Venezuela.

EXEMPLOS ABUNDAM

Será que esses empresários ainda não perceberam o sério risco de que suas empresas venham a ser confiscadas, expropriadas e nacionalizadas pelo ditador venezuelano? Exemplos abundam, gente. E mesmo assim os ditos estão pressionando vários dos nossos senadores para que aprovem o ingresso da Venezuela no MERCOSUL.

NAS NUVENS

O senador Tasso Jereissati, relator da proposta na Comissão de Relações Exteriores, muito pressionado por empresários, já disse que vai fazer uma análise técnica para decidir. Tasso quer verificar se existe incompatibilidade técnica, econômica ou política para a adesão da Venezuela ao MERCOSUL. Verificar? Será que o senador anda nas nuvens? Podem anotar aí: muitos desses que estão pressionando alguns senadores, olhando só para os negócios, se tiverem muita sorte e comungarem do mesmo sentimento ideológico de Chávez, acabarão como simples empregados das suas próprias empresas.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • BOLSA-CASA
    Ontem informei que o Tesouro entraria com R$ 16 bilhões para o Bolsa-Habitação. O valor hoje é outro; R$ 20,5 bilhões, que sairão de receitas primárias do Tesouro - portanto com impacto direto no resultado fiscal primário da União. Amanhã creio que o número será maior ainda.
  • ANIVERSÁRIO
    Parabéns a Porto Alegre, pela passagem dos seus 237 anos. Já tem idade suficiente para deixar de ser um Província, mas isto depende mesmo é dos provincianos, certamente.
  • BALANÇO
    A Aracruz Celulose divulga nesta sexta-feira, 27, os resultados financeiros do quarto trimestre de 2008 e o consolidado do ano. Os números estarão disponíveis no site da empresa antes da abertura do mercado e serão apresentados em teleconferência que acontece às 12h, em inglês.
  • HOLOCAUSTO
    Em entrevista a Revista Press, o arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, disse que morreram mais católicos que judeus no holocausto, mas isso não é dito porque os judeus têm a propaganda do mundo. Sob o ponto de vista numérico tem razão o arcebispo. Mas isso não significa que não houve o holocausto.

FRASE DO DIA

O HOMEM PRECISA DE RESPEITO MAIS DO QUE DE PÃO.

J. Vienjean