Artigos Anteriores

PIB NEGATIVO

ANO XIV - Nº 007/14 -

QUINTO RESULTADO NEGATIVO

O PIB brasileiro, segundo dados (oficiais) divulgados hoje pelo IBGE, apresentou variação negativa de 0,3% na comparação entre o primeiro trimestre de 2016 e o quarto trimestre de 2015, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal. É o quinto resultado negativo consecutivo nesta base de comparação.

A MAIOR DA SÉRIE HISTÓRICA

Na comparação com igual período de 2015, a contração do PIB atingiu 5,4% no primeiro trimestre do ano, ou seja, a oitava queda seguida nesse tipo de comparação. No acumulado dos quatro trimestres terminados no primeiro trimestre de 2016, a queda do PIB foi de 4,7% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores, a maior da série histórica, iniciada em 1996.

PIB SEM SURPRESA

Fiz questão de iniciar este editorial com dados sobre o PIB, para que os leitores possam comparar com o que escrevi no mesmo dia (01) e mês (06) do ano de 2012 (quatro anos atrás). Eis aquele editorial:   

PIB SEM SURPRESA - O Ponto Crítico e os membros do grupo -PENSAR!- não vão se candidatar a prêmio algum por terem acertado, na mosca, a previsão de que a economia brasileira teria crescimento muito próximo de zero, no primeiro trimestre de 2012.

Lembro bem das mensagens que recebi no início do ano, quando a fantasiosa equipe econômica do governo Dilma afirmava que o PIB brasileiro apresentaria crescimento robusto. Diziam que a minha visão estava contaminada pelo ranço anti-petista de governar...

 

CUSTO PAÍS

CUSTO-PAÍS - Na real, o crescimento da economia só tem condições para existir, e se manter por um bom tempo, caso o CUSTO-PAÍS seja drasticamente reduzido. Isto, como tenho insistido, só é possível com a realização de boas reformas, coisa que o governo não admite em hipótese alguma. 

SEM COMPETITIVIDADE

SEM COMPETITIVIDADE - Ora, sem capacidade competitiva, a economia brasileira não consegue concorrer com produtos importados. Ao invés de livrar o Brasil desta camisa de força, o governo, através da estúpida Matriz NACIONALISTA e/ou BOLIVARIANA, além de impedir o barateamento dos produtos brasileiros faz com que os produtos estrangeiros fiquem mais caros. 

APROPRIAÇÃO DA RENDA

APROPRIAÇÃO DA RENDA - Diante de tanta insensatez governamental, os consumidores/contribuintes só tem uma saída: diminuir o consumo. Afinal, de que adianta a renda do povo aumentar (via crédito) , se o governo se apropria de mais de 40% de tudo que é consumido?

DESCULPA ESFARRAPADA - Não sei até quando a sociedade vai aceitar as explicações do governo a respeito da nossa anemia econômica, que transfere o problema para a situação da Grécia. Para quem não sabe, o PIB da Grécia não vai além de 0,37% do PIB MUNDIAL. Enquanto que o nosso representa 3% do PIB mundial.

Ah, também não adianta responsabilizar a Espanha, cuja participação no PIB MUNDIAL é de apenas 1,8%.  

REFORMAS

COM SEDE - Como se vê, os problemas do Brasil estão no Brasil e não em qualquer outro lugar. Só resta o povo perceber. Enquanto impera a desinformação, o governo tira proveito: aumenta o IPI da água (pode?). Assim, o que ainda não vinha acontecendo já se mostra inevitável: o consumidor, que já esgotou a capacidade de compra dos caros produtos fabricados no Brasil, vai precisar conviver também com a sede. Que tal?

ESTÍMULO INEFICAZ - É notório que o governo está perdido. Não é possível que não saiba que as medidas que está tomando para tentar animar a economia são insuficientes. Ou enfrentamos as reformas, coisa que os países mais atingidos pela crise já estão fazendo, ou vamos trilhar o lamentável caminho escolhido pela Argentina. Ruim, não?  

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • IPC-S

    O IPC-S acelerou de 0,49% em abril para 0,64% em maio. O indicador acumula altas de 4,23% no ano e de 9,15% em 12 meses.
     

  • DIVIDA /PIB

    A Dívida Bruta do Governo Geral (Governo Federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) alcançou R$ 4.039,3 bilhões em abril (67,5% do PIB), elevando-se 0,3 p.p. do PIB em relação ao mês anterior.

     

  • ZOOM DE VAREJO

    Acontece em Porto Alegre mais um consagrado Zoom do Varejo. Promovido pela CDL POA, o evento traz, mais uma vez, nomes de peso do cenário da moda. Na edição Zoom Moda Como Negócio, estarão presentes Élio Silva – vice-presidente de Operações e Marketing da C&A no Brasil; Taisa Bornhofen – diretora-comercial da Posthaus.com – um dos três maiores portais de venda de moda via e-comerce; Andrea Bisker - sócia da Sparkoff – empresa que transita nas áreas de conteúdo, tendências e inovação em moda; e Ana Luiza Ferrão - diretora da gaúcha Lojas Gang. As palestras trazem assuntos que estão mexendo com o mercado, como a campanha Misturados da C&A, cases de sucesso em negócios como o reposicionamento das lojas Gang, e-comerce como negócio e as tendências deste mercado tão dinâmico.

    “Ao final haverá um painel no qual os convidados apresentarão dicas práticas e de fácil implementação. A ideia é garantir que as pessoas saiam de lá com soluções práticas para os seus negócios”, afirma Alcides Debus, presidente da CDL Porto Alegre.

                Além de tudo isso, neste ano mais uma novidade está no ar: o lançamento do novo site do evento - www.zoomdovarejo.com.br. Nele o internauta poderá, além de fazer sua inscrição, acompanhar um pouco da história do evento e das reflexões e debates que tem trazido para o varejo gaúcho.

    O Evento acontece no dia 23 de junho, das 8h30min às 12h, no Teatro do CIEE, na Capital.

     

  • DIA DOS NAMORADOS

    O Dia dos Namorados é o momento de impressionar o(a) parceiro(a), então errar na escolha pode significar que não se conhece bem o ser amado. Para entender melhor o processo de compra na celebração dos apaixonados, a CDL POA e o Sindilojas Porto Alegre encomendaram uma pesquisa que traça o perfil dos consumidores gaúchos para o 12 de Junho.

    De acordo com o presidente da CDL POA, Alcides Debus, a estimativa é de que o período movimente R$ 70 milhões no comércio da Capital e Região Metropolitana, considerando, especialmente, as vendas entre 1º e 11 de junho. “O ticket médio deve ficar em torno de R$ 180,00 e os presentes mais citados foram roupas (38%), artigos de perfumaria ou maquiagem (16%), acessórios (15%), calçados (11%) e eletrodomésticos e eletrônicos (5%)”, adiantou Debus. A maioria dos entrevistados (67%) planeja pagar à vista em dinheiro. Em segundo lugar (22,5%), ficou a opção “no cartão de crédito parcelado”, 4,9% “à vista em cartão de débito” e 3,5% “no cartão de crédito em parcela única”. O levantamento foi realizado pela Zooma Consumer Experience, entre os dias 18 e 29 de abril.
     Segundo o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, o varejo está confiante e acredita que as projeções se confirmem. “O companheiro nunca deixa de ser agraciado na comemoração e o presente tem um valor intangível e simbólico, de ter que representar o amor do namorado. Além disso, quando o Dia dos Namorados cai em um domingo a tendência é que a comemoração se estenda por todo o final de semana e, logo, que os casais gastem mais com a data”, comenta.

  • IBGE

    Fiquei feliz com a escolha do economista e pensador (Pensar+), Paulo Rabello de Castro, para presidir o IBGE. Com esta designação informada hoje pelo presidente Temer, as boas ideias do P. Rabello estão mais próximas do Planalto. Tomara que as coisas que precisam acontecer realmente aconteçam. 

FRASE DO DIA

Para sentir as coisas é preciso emoção. Para fazê-las e desfazê-las é necessária uma certa dose de paixão. Mas entendê-las, só com a razão.

Roberto Campos