Artigos Anteriores

PARA NÃO CAIR MAIS NO ERRO

ANO XIV - Nº 007/14 -

O RESISTENTE

Nos últimos anos, em duas oportunidades, entrevistei o ex-presidente do BC, Gustavo Franco. O assunto central foi o câmbio flutuante, coisa que o Brasil não adotou no período em que ele esteve à frente do BC. E, em ambas entrevistas percebi claramente o quanto ele resistia à idéia. O que já está provado, todavia, é que o Brasil poderia ter evitado a catástrofe financeira caso ele tivesse adotado a flutuação cambial, coisa que só aconteceu depois de sua saída, já com Chico Lopes na presidência do BC.

PREJUÍZO FANTÁSTICO

Não foi, certamente, o cambio fixo o único responsável pela brutal sangria de mais de U$ 40 bilhões das nossas reservas. Afinal, a situação complicada pela qual passavam os países emergentes obrigava o capital, de qualquer nacionalidade, a caírem fora daqui. Caso FHC tivesse adotado o sistema de flutuação cambial, o risco e o prejuízo financeiro teriam sido, ao menos, repartidos entre os diversos agentes. Assim, o saque rápido, em duas semanas apenas, não teria provocado um estrago tão violento nas nossas reservas.

OUTRA COTAÇÃO

O preço de saída dos dólares na época, por forte pressão de demanda, implicaria em outra cotação, bem mais alta. Só isto já levaria a repartir os prejuízos com quem precisasse fechar câmbio. Estaríamos, assim, dividindo o risco e o custo com os retirantes. Sendo fixa a cotação do dólar, só nós perdemos enquanto os sacadores foram beneficiados. Ou seja, tomamos uma decisão tardia. A única recompensa que tivemos foi a lição da tragédia, coisa que nunca se sabe se foi bem aprendida. Por isso espero não repetirmos tal erro.

MAIS SENSATEZ

Agora, Gustavo Franco veio a Porto Alegre e preferiu usar da sensatez e da racionalidade. Felizmente. O que não significa que tenha conseguido fazer a cabeça de muitos empresários e políticos, os ainda resistentes ao câmbio flutuante. Estes são mercantilistas e, obviamente, só lhes interessa o risco zero. Câmbio bom, para estes, é moeda nacional desvalorizada a qualquer preço e sustentada pelo governo. Como o flutuante não está trazendo vantagens para exportadores, os malandros estão clamando pela volta do câmbio fixo tendo o governo como único comprador. Pode?

MAIS IMPORTAÇÃO

Espero que a frase de Gustavo Franco, a qual venho repetindo várias vezes aqui neste espaço, tenha sido aprendida: - Uma maior importação é o que salva a exportação -. Bingo. Mais importação é mais pressão cambial e mais valorização do dólar. Infelizmente, ainda há aqueles que pensam que importação é ruim e que faz mal à saúde. Por isso defendem que nós precisamos só exportar. Coisa ridícula, pois sem importadores quem acabará comprando os dólares ofertados pelos exportadores?

FALTA POUPANÇA

É certo que juros menores ajudam no processo, pois diminuem a pressão na entrada de recursos que aqui aportam para melhorar seus ganhos no mercado financeiro. Por outro lado, para quem se recusa a fazer reformas, a necessidade de se financiar é cada vez maior. E como não há poupança suficiente entre os brasileiros, nós precisamos desesperadamente do dinheiro dos estrangeiros. O que precisamos é de decisão: vamos reformar o Brasil para depender menos de capital financeiro e aumentar o investimento? Ou vamos ficar querendo praticar burrices? A decisão é nossa. Só nossa.

ESTUDE NO EXTERIOR

Quem busca informações sobre cursos ou trabalho remunerado no exterior, agende-se para participar da ExpoEstudenoExterior, no dia 2 de abril (domingo), no Sheraton Porto Alegre Hotel, das 14h às 19h. A Feira vai trazer para Porto Alegre os diretores das principais instituições de países com tradição em intercâmbio como os Estados Unidos, Inglaterra e França e também aqueles que hoje estão na moda por apresentar custos mais reduzidos como o Canadá, a Nova Zelândia e a Austrália, além de países como a Espanha, Argentina, Irlanda, África do Sul, Malta, entre outros. Nesta edição, pela primeira vez em feiras de intercâmbio, estará presente, com programas de MBA em Política, a Harvard University, uma das mais tradicionais e conceituadas universidades do mundo, fundada em 1636, em Cambridge.

COSMÉTICOS

Em breve, mais uma linha de marca própria vai ocupar as prateleiras da rede de lojas Panvel. O lançamento está previsto para o segundo domingo de abril e toda a produção é gaúcha, sai diretamente das esteiras do laboratório Lifar para as 226 lojas da rede. Os cosméticos são à base de nove princípios ativos extraídos da natureza que proporcionam sensação de brilho, maciez e suavidade a pele.

LOJA VARIG

Inaugura hoje, 27, a nova loja da Varig no Bourbon Shopping Country. Situada no segundo piso, ao lado da micro-cervejaria Dado Bier, a nova operação vai centralizar os serviços disponíveis no antigo quiosque já existente no shopping e na filial da Rua dos Andradas. Com uma área de 130 m², o espaço vai oferecer todos os serviços habituais, como reservas, compra de passagens e check-in antecipado para passageiros sem bagagem. O coquetel de lançamento acontece às 19h30.

LANÇAMENTO

Amanhã, 28, às 12 horas, no Tryp Hotel POA, a Laticínios Bom Gosto, segunda maior empresa do setor no RS, estará promovendo encontro com a imprensa para anunciar o lançamento de uma nova linha de produtos e os novos planos e investimentos da empresa para o ano de 2006.

PALESTRA

Dia 31, sexta, 18h30min, acontece o lançamento do livro \"A Ética da Malandragem - No submundo do Congresso Nacional\", na Cave da Vinícula Aurora no Shopping Total. Na ocasião será realizada uma palestra com debate. Lugares limitados. Confirme a presença pelo e-mail polibio@polibiobraga.com.br

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

FRASE DO DIA

A CALÚNIA É A ARMA DO COVARDE.

Anônimo