Artigos Anteriores

PAIXÃO PELO SUBDESENVOLVIMENTO

ANO XIV - Nº 007/14 -

OPORTUNIDADES RECENTES

Para quem se dedica pouco à leitura e na busca do entendimento das razões para o atraso enorme do Brasil frente aos países desenvolvidos tem, hoje, oportunidades impares para melhor conhecer o porquê da nossa paixão pelo subdesenvolvimento. Observem as situações recentes:

PRIMEIRA SITUAÇÃO

1- O episódio vivido durante o processo de eleição da presidência da Câmara dos Deputados, é digno de nota. Zero, certamente. Se Greenlagh já era o diabo, Severino Cavalcanti é o lobisomem. Como o primeiro não interessava por questões curriculares, o segundo acabou preferido por questões fisiológicas. Agora, todos os deputados vão se dar muito bem. Não faltará o aumento dos salários, e o recesso deverá ser aumentado para seis meses. Pelo que se viu e assistiu, os nossos representantes não estão nem aí para o Brasil. E muito menos para quem vive nele. Viva;

SEGUNDA SITUAÇÃO

2- A mini-série Mad Maria, que está indo ao ar na Rede Globo, mostra o quanto sempre detestamos investimentos internacionais. Principalmente quando se tratou de dinheiro americano. Os nacionalistas de esquerda, em cada vitória obtida em suas sucessivas lutas, foram os grandes responsáveis pelas continuadas derrotas sofridas pelo Brasil quando pretendemos algum desenvolvimento. Estrangeiro que trouxe dinheiro e vontade de crescer aqui, ou foi expulso ou perdeu tudo. Se a história de Mauá já é bem conhecida, embora não fosse estrangeiro, agora é a vez de conhecer melhor o empresário Percival Farquhar, na mini-série. Além do mais, o novelista, portador de forte ideologia de esquerda, também contribui para que os nacionalistas liquidem com o americano.

LULA CHÁVEZ E HUGO SILVA

Para completar, o presidente Lula Chávez, sempre muito à vontade na Venezuela, abraçado ao seu fraternal amigo Hugo Silva, praticou, com o anfitrião, o esporte favorito de ambos: criticar os EUA. Como o Brasil e a Venezuela não têm por onde serem criticados, Lula ainda deu uma declaração fantástica: as soluções latino-americanas não estão no Norte ou além mar. Está na integração dos países latinos. É verdade,principalmente, juntando Argentina, Brasil e Venezuela, não é mesmo?

CONHECIDO PELAS RUÍNAS

Vejam, o RS está faturando alto com a vitória da Beija Flor no Carnaval carioca. Lamentavelmente, com ruínas. Melhor seria se pudéssemos faturar com temas voltados para o desenvolvimento. Ainda assim é preciso aproveitar o fato para obtermos mais turismo na região missioneira do Estado. Que, pela falta de estrutura e distância vai ser, no entanto, muito difícil.

NOVAS RUÍNAS

Do jeito que vão as coisas por aqui, é bem possível que o RS ainda venha a ser mais usado por novas ruínas para as diversas escolas de samba do Brasil. As atitudes do governo estão levando a economia para um buraco tão grande, que isto vai ser muito explorado, certamente, em pouco tempo. Os bairristas idiotas, sempre muito ridículos quando tomados por emoções infantis, chegam até a afirmar que foi graças ao tema das Missões a conquista do primeiro lugar da Beija Flor. Nada disso. A Escola de Samba, pela sua tradição e talento, com qualquer tema seria muito competitiva.

TEMAS GAÚCHOS

As nossas ruínas, cada dia mais conhecidas, é que poderão ser aumentadas em prazo curto. Com as atitudes estranhas e lamentáveis que vem sendo tomadas pelo governo gaúcho, de criar todas as dificuldades possíveis para quem se decidiu por exportar, mais ruínas estarão sendo inauguradas. Quem sabe outras Escolas de Samba comprem estas paisagens de destruição, para tentar novas vitórias nos desfiles de carnaval?

BALANÇO DO BANRISUL

O resultado do balanço do Banrisul foi excelente. Parabéns. Entretanto, como o patrimônio líquido cresceu 28,1% sobre 2003, e o lucro 6,2% sobre o mesmo período, o balanço do ano anterior foi melhor, relativamente. O retorno sobre um patrimônio menor significou, no ano anterior um lucro percentual bem maior.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

FRASE DO DIA

O GRANDE ERRO DA NATUREZA É A INCOMPETÊNCIA NÃO DOER.

Millor