Artigos Anteriores

OUTUBRO ROSA

ANO XIV - Nº 007/14 -

OUTUBRO ROSA

O mês de outubro, que hoje se encerra, foi simplesmente magnífico para o Brasil. Comparando com o -OUTUBRO ROSA, importante movimento internacional  que chama atenção sobre a causa do câncer de mama, a eleição de Jair Bolsonaro foi mais além: usando as urnas como poderoso bisturi, os eleitores extirparam o TUMOR CANCERÍGENO PETISTA que levou ao apodrecimento o tecido econômico, social, político e moral do nosso empobrecido Brasil.

TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

Esta importante cirurgia, operada pelas hábeis e inconformadas mãos de mais de 55 milhões de eleitores, representou a retirada do CÂNCER DESTRUIDOR DO TECIDO BRASIL. Entretanto, considerando o estado fiscal deplorável do paciente -Brasil-, e o fato de que o novo CIRURGIÃO-CHEFE só terá condições de iniciar o  tratamento quimioterápico daqui a dois meses, algo precisa ser feito neste período.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Esta importante cirurgia, operada pelas hábeis e inconformadas mãos de mais de 55 milhões de eleitores, representou a retirada do CÂNCER DESTRUIDOR DO TECIDO BRASIL. Entretanto, considerando o estado fiscal deplorável do paciente -Brasil-, e o fato de que o novo CIRURGIÃO-CHEFE só terá condições de iniciar o tratamento quimioterápico daqui a dois meses, algo precisa ser feito neste período.

ENFERMEIROS E/OU PARAMÉDICOS

O que mais chama atenção, neste grave momento, é a atitude de vários enfermeiros e/ou paramédicos que batem pé e dizem não gostar da REFORMA DA PREVIDÊNCIA que está pronta e dependendo de aprovação no plenário do HOSPITAL BRASIL.

AMENIZAR O PROBLEMA

Ora, como a situação do paciente é grave e, portanto, exige medidas rápidas, urgentes  e pontuais para que ele possa continuar respirando, ainda que por aparelhos, e existe alguma forma palpável e disponível para amenizar o grave problema, não há  tempo para ficar discutindo.

O MELHOR NESTE MOMENTO

Ou seja, no meu entender, considerando a gravidade da situação, o melhor para o País é a aprovação imediata desta REFORMA DA PREVIDÊNCIA que já está pronta para ser apreciada e votada. Mais adiante, quando o tratamento quimioterápico mostrar que produziu  boa evolução do paciente, aí cabe fazer  as aprimorações necessárias e possíveis. Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • MENSAGEM DE AUTOR DESCONHECIDO

    Recebi esta mensagem sem saber quem produziu o conteúdo. Se alguém souber peço que me avise para dar o devido crédito. Eis: 

    " "Ganhamos, acabamos com o PT!"

    Tire esse pensamento da cabeça agora! O PT está caído, sim, mas está muito longe de deixar de ser uma ameaça.

    Já se perguntou porque o pior candidato de um partido envolvido até o pescoço em corrupção, cujos principais líderes estão todos na cadeia, recebeu 44 milhões de votos?

    A resposta é simples. Conquistamos a presidência, mas o PT e suas variáveis ainda dominam tudo que leva até lá. A esquerda ainda detém enorme influência e poder. Jamais subestimem um grupo que ganhou 4 eleições, passou 13 anos com acesso a reservas quase infinitas de dinheiro e colocou seu pessoal em absolutamente TODAS as engrenagens da máquina estatal.

    A esquerda ainda domina: meio acadêmico, meio artístico, meio cultural, movimentos sociais a grande parte do meio político. A influência deles é tão grande, que fizeram de Bolsonaro praticamente o culpado da facada que levou. Fizeram de uma matéria esdrúxula de jornal, sem provas, uma acusação que foi parar no TSE e ficou uma semana em destaque. Fizeram seus apoiadores se passarem por bárbaros descontrolados noticiando ataques claramente forjados.

    Acham mesmo que eles perderam esse poder só por que não chegaram à Presidência? Se não tivessem esse poder, Bolsonaro teria ganho com 80% dos votos. O povo sabia que não queria o PT, mas a destruição da imagem de Bolsonaro foi colocada em prática por todo o sistema. Perdeu milhões de votos por conta de calúnias divulgadas pela esquerda com tamanha intensidade que faria Goebbels se sentir um estagiário na xerox do DCE.

    Bolsonaro pegou o comando, mas a máquina está toda podre e comprometida. Não irá deixá -lo governar e fazer as reformas que o País precisa. Irão sabotá-lo desde o primeiro dia.

    Todas as mudanças na área econômica serão anunciadas pelo sistema como uma tentativa de prejudicar os pobres e retirar direitos do trabalhador. Todas as mudanças na área social serão anunciadas como uma tentativa de assassinar LGBTs/Mulheres/Negros/Pobres/Nordestinos. É assim que a esquerda joga.

    Bolsonaro receberá o Brasil no pior estado que um Presidente já recebeu, será criticado pelos seus acertos e massacrado pelos seus erros. O primeiro ano será bem difícil. É preciso tomar o poder de influência da esquerda e devolvê-lo ano o povo. O povo tem que se informar por fatos e não por narrativas cuidadosamente construídas por intelectuais em universidades.

    Voltarei depois ao assunto sobre onde estão instalados os inimigos e como desentocá-los.

    Não há como acabar com a divisão no País, se não acabarmos com quem está nos dividindo.

    Comemoremos a vitória, foi gigantesca. Mas não percamos a noção da realidade. Estamos só no começo."

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis o texto produzido pelo pensador Ricardo Sonderman, com o título - WINSTON CHURCHILL E JAIR BOLSONARO:

    Na Guerra: Determinação
    Na derrota: Insurgência
    Na vitória: Magnanimidade
    Na Paz: Boa Vontade

    O presidente eleito Jair Bolsonaro se apresenta à nação com alguns livros sob a mesa: entre a bíblia e a constituição, as memórias da Segunda Guerra Mundial escritas por Winston Churchill.

    Churchill conduziu o povo inglês e o mundo livre no conflito contra o nazismo e a barbárie. Lutou, com exércitos e palavras, expondo a realidade do campo de batalha, as derrotas, as vitórias, os objetivos e através da verdade, com firmeza e humildade, ganhou a guerra. Durante os piores períodos, quando a vitória nazista parecia inexorável, incentivou a resistência das populações contra o invasor. Alcançada a vitória, projetou a reconstrução das nações destruídas uma vez que as populações não mereciam o mesmo fim que seus líderes. Soube propagar um sentimento de esperança, respeito e grandiosidade que faz com que até hoje, transcorridos 53 anos de sua morte, Churchill ainda seja lembrado.

    Jair Bolsonaro enfrentou uma eleição com determinação. Nos momentos em que esteve sob ataque, insurgiu-se e foi a voz da revolta. Vitorioso, deverá ser magnânimo e saber construir pontes. Em seu discurso de vitória declara que “a verdade vai liberar esse grande país e vai nos transformar em uma grande nação”. Prossegue dizendo que “o que ocorreu hoje (domingo, dia 28.10) nas urnas não foi a vitória de um partido, mas a celebração de um país pela liberdade”.

     Isso é o que se espera de um verdadeiro líder. Bolsonaro têm pela frente gigantes desafios e ao admitir as dificuldades e suas fraquezas pessoais, demostra humildade e vontade de acertar. O momento atual exige gestos grandiosos e energia para lutar pela liberdade, pela democracia, por bom senso e pela manutenção dos valores ocidentais. Jair Bolsonaro não é Churchill, mas ao exibir alguns livros nos aponta o interesse pelo conhecimento, discutir ideias, aprender e evoluir como indivíduos e sociedade. Com isso em mente, Churchill é uma boa indicação.

FRASE DO DIA

A incompetência, acredite, já destruiu mais políticos que a desonestidade.

Ediel