Artigos Anteriores

OS BRASILEIROS DECENTES ESPERAM A CONDENAÇÃO DEFINITIVA

ANO XIV - Nº 007/14 -

CONDENAÇÃO DEFINITIVA

Enquanto acompanho o julgamento do recurso apresentado pelos advogados do sujeito -CONDENADO- Luiz Inácio Lula da Silva, no TRF-4, na expectativa de um veredicto JUSTO, trato de expor o sentimento de grande parte da nossa sociedade que, sem tirar nem por, exige a CONDENAÇÃO DEFINITIVA do maior LADRÃO DE CORAÇÕES E MENTES do nosso planeta.

 

PRISÃO

Vejam que a maioria do povo brasileiro, bastante ansioso, não percebe que não é Lula que está sendo julgado, mas o recurso no processo do triplex em Guarujá. Por isso vê a sessão de hoje no TRF-4 como algo definitivo onde, a partir da CONDENAÇÃO, só cabe a PRISÃO do escroque.

 

FICHA LIMPA

Alguns políticos que estão se apresentando como candidatos a presidente dizem que a eleição com Lula no páreo é salutar. Como assim? Este posicionamento, antes de tudo, é um flagrante desrespeito à LEI DA FICHA LIMPA. Até porque as condenações já aplicadas ao marginal, até o presente momento, são mais do que suficientes para impedir a sua participação na corrida eleitoral. 

TÉCNICO OU POLÍTICO

Há que diga também que Lula está sendo julgado muito mais politicamente do que tecnicamente. Ora, ora. Como CHEFE DA QUADRILHA que assaltou os cofres públicos e as estatais, de forma nunca vista, o julgamento tem sido feito, exclusivamente, baseado nas atitudes safadas, que resultaram em prejuízos incalculáveis ao povo brasileiro. 

O TRIPLEX E A OAS

Não cabe, no meu entender, ficar analisando o imóvel -triplex- do Guarujá como motivo do crime. O CRIME está nos recursos utilizados pela OAS, comprovadamente oriundos de contratos superfaturados com a Petrobrás. 

PRESENTE

Mais: qualquer empresa, ou pessoa física, pode presentear quem quer que seja, desde que com recursos próprios. O que a OAS fez, e seu presidente confessou ao juiz Sérgio Moro, foi o uso do dinheiro obtido com o assalto à Petrobrás. Tudo, como confirma a OAS através de sua diretoria em peso, com o conhecimento e aprovação de Lula. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FIM DA FICHA LIMPA?

    Uma postagem compartilhada pelo Partido da Causa Operária (PCO) em suas redes sociais, na última sexta-feira (19), tem dado o que falar. Na montagem, ilustrada pelo ex-presidente Lula (PT), o partido defende a revogação da Lei da Ficha Limpa como uma forma de garantir o “direito da população a escolher seus próprios candidatos”. Pode?

  • ESPAÇO PENSAR+

    Eis o artigo do pensador e jurista Ives Gandra Martins, com o título -O FIM DAS INCERTEZAS-:

    O julgamento do recurso interposto pelo advogado de Lula contra a decisão do juiz Sérgio Moro que condenou o ex-primeiro mandatário da nação está suscitando variada gama de objeções e de indagações sobre a independência dos poderes, os fundamentos da democracia e se há algo que justifique pressões políticas sobre os julgadores do TRF da 4.ª Região.

    Minha primeira consideração é de que, pelo regime democrático, a independência dos poderes deve ser respeitada; qualquer pressão de movimentos que costumeiramente violam a lei com invasões de terra e depredações de prédios públicos e privados é antidemocrática e segue caminhos próprios de quem deseja impor sua vontade pela violência, e não pela vitória nas urnas ou aprovação em concurso público.

    Não é a violação da lei, com invasões de terra e prédios, que torna os que assim agem democratas e supremos julgadores do Poder Judiciário?

    Lamento que um julgamento apenas técnico sobre direito e provas seja objeto de pressões, ameaças e manifestações destituídas de fundamentação jurídica, atribuindo-se a uma sentença de mais de 200 páginas, minuciosamente proferida com cautela e argumentos, características de perseguição política, não própria do Poder Judiciário em um regime democrático.

    O segundo aspecto é que a decisão a ser proferida porá fim às incertezas. Se for absolvido, o ex-presidente poderá concorrer nas eleições de 2018, sem qualquer obstáculo, devendo enfrentar os demais candidatos com seu natural carisma – inclusive para justificar, perante a sociedade, por que nos períodos de seu governo e nos da ex-presidente Dilma houve desvios monumentais de dinheiro público, com prejuízos enormes à Petrobrás, concessão de empréstimos não pagos a países como Venezuela, Angola e Moçambique, inflação de dois dígitos, queda fantástica do PIB, desajustes das contas públicas, juros estratosféricos, recessão e desfiguração da imagem brasileira no exterior, o que resultou no rebaixamento brasileiro a três níveis abaixo do grau de investimento. O discurso populista de pobres contra ricos talvez seja a tônica que adotará em sua campanha. Por outro lado, se for condenado, ficará inelegível pela Lei da Ficha Limpa.

    Lula é inocente:? Lula deve ser absolvido pelo TRF4 (artigo de Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula)
    Além disso, pela jurisprudência do STF, após decisão condenatória de segunda instância pode ser decretada a prisão do ex-presidente. Pessoalmente, pelo artigo 5.º, inciso LVII, da Lei Suprema, entendo que apenas após o trânsito em julgado de decisão condenatória poderia ser um acusado considerado culpado. De que vale, porém, a opinião de um velho e modesto professor de 82 anos perante a jurisprudência firmada e aplicada pela suprema corte a inúmeros políticos brasileiros, com amplo apoio da imprensa e do povo, no sentido de que é a decisão de segunda instância que caracteriza a culpa do acusado, e não o trânsito em julgado? Não tenho preconceitos aristocráticos contra a suprema corte.

    Não é a violação da lei, com invasões de terra e prédios públicos e privados, que torna os que assim agem democratas e supremos julgadores do Poder Judiciário. Quem deseja modificação daquilo que entende não estar certo no sistema deve fazer o teste das urnas ou, então, submeter-se aos concursos públicos necessários para galgar cargos técnicos que lhe permitam essa atuação, única forma de respeitar o que há de mais valioso no país na atualidade, que é o Estado Democrático de Direito.

FRASE DO DIA

A ignorância é a maior enfermidade do gênero humano.

Cícero