Artigos Anteriores

O SACO DE BONDADES QUE O CONGRESSO PRECISA APROVAR

ANO XIV - Nº 007/14 -

LEGISLATIVO AINDA EM FÉRIAS

Bem diferente dos países de primeiro mundo, e inclusive até de muitos que fazem parte do segundo e terceiro, o Legislativo do nosso empobrecido Brasil ainda não deu o ar da graça em 2019. Pelo que se sabe, ou se especula, tudo leva a crer que, finalmente, o início dos trabalhos começa na próxima semana. A conferir.

DECRETO-LEI E MEDIDAS PROVISÓRIAS

O fato é que diante desta flagrante, irresponsável e nojenta paralisia, o Poder Executivo, para poder governar minimamente, de acordo com o que prometeu durante a campanha eleitoral, não teve alternativa senão a de editar o decreto-lei que flexibiliza a POSSE de armas, além de algumas importantes Medidas Provisórias.

PAPEL DO LEGISLADOR

O curioso é que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ao invés de abrir a Casa para discussão dos projetos de real interesse do País, que não são poucos, preferiu manifestar o seu aborrecimento ao se deparar com as Medidas Provisórias, alegando que o papel do Executivo é o de governar e não legislar. 

REFORMAS

Pois, nem mesmo sabendo (imagino que saiba) do quanto o Brasil necessita de REFORMAS para poder sair da grave CRISE ECONÔMICO/FINANCEIRA que está metido, o presidente da Câmara Federal ainda se dignou a dar início aos trabalhos em 2019.

OCDE

Ora, enquanto os deputados curtem as férias (a atual corresponde ao Carnaval) espero que tomem conhecimento de que, inobstante o ridículo desempenho de 1,1% do nosso PIB em 2018, a OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico -  achou por bem CORTAR a sua estimativa de alta do PIB Brasileiro de 2019, de 2,1% para 1,9%.

Mais: para 2020 (se as REFORMAS DA PREVIDÊNCIA E A TRIBUTÁRIA- forem aprovadas), a estimativa de crescimento é de apenas 2,4%.

SACO DE BONDADES

Este, infelizmente, é o triste quadro da economia e das finanças do nosso País, que só ganhará uma nova e boa moldura se o Congresso se debruçar sobre os problemas e aprovar as soluções que estão propostas. Apenas estas DUAS REFORMAS, é bom que se diga, representam o correto SACO DE BONDADES que o Brasil está necessitando.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • ESPAÇO PENSAR+

     Eis o artigo do pensador Rodrigo Constantino, com o título -ATIRAR NO MENSAGEIRO OU NA MENSAGEM?-

    O presidente Jair Bolsonaro, especialmente por meio de suas redes sociais “controladas” pelo filho Carlos, parece não ter muita noção da “liturgia do cargo”. Inspira-se demais talvez em Trump, que também sofre de certa incontinência verbal. “Entre o estímulo e a resposta, o homem tem a liberdade de escolha”, disse Viktor Frankl. Mas entre o estímulo e o tweet, Trump e Bolsonaro colocam pouquíssimo freio. Deveriam.

    Bolsonaro postou um vídeo tosco com uma cena lamentável em que uma figura abjeta faz obscenidades em local público durante um bloco de carnaval, e termina com outro fazendo xixi em sua cabeça. O vídeo, claro, gerou muita polêmica, levou várias hashtags de apoio e crítica ao topo dos trendings, e dividiu reações. O que pensar disso?

    Para começo de conversa, o homem é presidente da República, tem quase 3,5 milhões de seguidores no Twitter, e sabe-se lá quantos são menores de idade. Não combina com o cargo, com a imagem institucional que ele representa, e ponto final. É simplesmente errado um presidente fazer isso, o que justifica tantas críticas que ele recebeu, inclusive de gente à direita. Foi, para dizer o mínimo, algo de muito mau gosto.

    Mas… igualmente estranho é certas figuras, mais à esquerda, atacarem tanto o mensageiro e ignorarem totalmente a mensagem. Bolsonaro não criou a cena; ela a reproduziu. O que ele mostrou aconteceu, e acontece. Cada vez mais. Até em universidades! Leiam A corrupção da inteligência, de Flávio Gordon. A degradação moral em nosso país tem sido absurda, promovida por “intelectuais”, por artistas, por relativistas morais que se acham moderninhos, mas não passam de bestas lutando para levar a humanidade de volta ao animalesco.

    A revolta com o ato do presidente é legítima. Mas a ausência de revolta com o que ele expôs, e que de fato representa um problema crescente, é algo um tanto suspeito. Os “progressistas” não acham que “vale tudo”? Não incentivam de certa forma esse comportamento bizarro como se fosse sinal de liberdade de expressão? Não valorizam o excesso de subjetivismo, a quebra de todos os tabus, o desafio rebelde (e infantil) a todas as normas da sociedade? Não acham lindo quando feministas fazem cocô em uma foto de Bolsonaro como forma de “protesto”? Então qual a grande surpresa? O que não pode é mostrar isso?

    Permita-me discordar da imensa maioria nas redes sociais nessa polêmica. Ou por outra: concordar com a imensa maioria, mas juntando os dois lados! Sem partidarismo, sem hipocrisia, lutando para manter a coerência. Tenho “mixed feelings” com esse episódio.

    Se, por um lado, junto-me aos que não aceitam um presidente postar algo tão asqueroso em seu Twitter, o que não é condizente com sua função, por outro lado me solidarizo com quem celebra a exposição de tanta baixaria como estímulo para reflexão de quão longe a destruição dos nossos valores foi.

    Acho que Mario Sabino resumiu muito bem: “Acho que o presidente da República deveria pensar se os conteúdos dos seus tweets podem ser vistos por menores de idade. É uma regra simples. Quanto aos vagabundos do vídeo, cadê a polícia?” É possível condenar ambas as coisas: a decisão de Bolsonaro de publicar o vídeo, e o comportamento inaceitável daqueles que estão no vídeo, filhotes da destruição moral promovida pela esquerda.

    No mais, talvez fosse prudente retirar Carlos do comando do Twitter. O presidente pode dar um Lego para ele ou algum outro brinquedo mais inofensivo…

     

FRASE DO DIA

Quando você segura o sucesso , você prejudica aqueles que precisam de ajuda.

Margaret Thatcher