Artigos Anteriores

O RS ESTÁ NO CAMINHO QUE O POVO ESCOLHEU

ANO XIV - Nº 007/14 -

REAÇÃO FRIA

De uns tempos para cá, quando sai alguma notícia dando conta de que o Rio Grande do Sul perdeu posição em algum ranking qualquer, a reação mostrada pela maioria dos gaúchos, que já foi de incredulidade, já é vista com frieza, normalidade. Algo, enfim, dento do esperado.

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO ESTADUAL

Desta vez, segundo informa o estudo realizado com base numa parceria entre o jornal Zero Hora e PUCRS, com apoio institucional da Celulose Rio-grandense, o Rio Grande do Sul caiu do quarto para o quinto lugar no Índice de Desenvolvimento Estadual-RS (iRS), que mede a qualidade de vida de 27 Estados brasileiros, ficando abaixo do Paraná.

EDUCAÇÃO E SEGURANÇA

A piora no ranking se deve, basicamente, aos constantes e intensos recuos nas áreas de EDUCAÇÃO E SEGURANÇA, como bem informa a matéria publicada hoje no jornal gaúcho. Como estas deficiências têm sido muito sentidas na pele do povo gaúcho, a queda na posição só pode ser vista com naturalidade e/ou sem surpresas.

TRÊS DIMENSÕES

O importante estudo avalia o desempenho das unidades da federação e do país em três dimensões: PADRÃO DE VIDA, EDUCAÇÃO, e LONGEVIDADE E SEGURANÇA.

-LANTERNA DO SUL-

Vale lembrar que entre os Estados do sul do país (RS, SC, e PR) o Rio Grande do Sul até pouco anos atrás sempre esteve na liderança. Hoje, como se vê, além de ter sido superado, anos atrás, por Santa Catarina, agora perde também para o Paraná. Resumindo: de líder, o RS passou a ser o -LANTERNA DO SUL. Que tal?

CONTAS PÚBLICAS

Se alguém ficou triste ao saber que o RS piora - de forma dramática- em todos os itens que por ventura venham a ser analisados, a coisa fica ainda mais desesperadora se a medição de desempenho for pelo lado das CONTAS PÚBLICAS. Aí, com absolua certeza, muita gente acabará ENFARTADA. Literalmente!

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

    Ontem, finalmente, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre aprovou o Projeto de Lei Complementar do Executivo que institui o Regime de Previdência Complementar (POAPrev) para os servidores do Município. O texto, que foi aprovado por 19 votos favoráveis contra 15, com emendas, também fixa limites para a concessão de aposentadorias e pensões, conforme o artigo 40 da Constituição Federal, além de autorizar a criação de entidade fechada de previdência complementar. Ufa!

  • ATIVOS X INATIVOS

    A propósito da aprovação do Regime de Previdência Complementar é importante lembrar que o número de aposentados e pensionistas superou o de servidores ativos da Prefeitura de Porto Alegre. A prefeitura registrou, no mês de junho, 15.343 servidores aposentados ou pensionistas e 14.878 servidores ativos. O déficit foi de R$ 377 milhões somente no 1º semestre do ano, crescimento de 61,8% desde 2015.

    O total de aposentados cresceu 65% desde 2010, alcançando 10.703 no final de junho de 2018, o que piora a situação da Previdência.

FRASE DO DIA

Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.

Roberto Campos