Artigos Anteriores

O PESO DOS ROMBOS IMPEDE A DECOLAGEM

ANO XIV - Nº 007/14 -

RECUPERAÇÃO DO ATRASO

Pela reação que o mercado está escancarando vê-se, com boa nitidez, o quanto estavam equivocados aqueles que acreditaram que o simples (ou complicado) afastamento do PT do governo já seria suficiente para fazer a economia brasileira crescer.

TIRAR DO ATOLEIRO

Estes -OTIMISTAS SEM CAUSA-, levados pelo entusiasmo e pouco senso analítico, não entenderam, ou não quiseram entender, que tirar o Brasil do grande atoleiro, que foi cuidadosamente desenvolvido ao longo dos governos Lula/Dilma petistas, não seria uma tarefa fácil. Muito menos em prazo curto ou mesmo médio. 

SEM FORÇA PARA DECOLAR

Pois, da mesma forma como acertei -na mosca- ao dizer, constantemente, que nas mãos, pés e mentes dos petistas o destino da economia brasileira seria trágico, também acertei -na mosca-, que sem uma redução substancial e imediata dos ROMBOS DAS CONTAS PÚBLICAS (que não param de crescer) a economia brasileira continuaria sem força suficiente para decolar.

VOO DA GALINHA

A propósito, não foram poucas as vezes em que usei o -voo da galinha- como metáfora para fazer comparação com o desempenho da economia brasileira, notadamente a partir de 1974, quando Geisel assumiu o governo.

DECOLAGEM COMPLICADA

Ainda que já tenha explicado várias vezes, considero como importante repetir sempre: as galinhas são demasiadamente pesadas para o tamanho de suas asas. Isto faz com que tenham enorme dificuldade para fazer uma decolagem.

A CAUSA DOS VOOS RASANTES DA ECONOMIA

Pois, da mesma forma, o ROMBO DAS CONTAS do Brasil (União, Estados e Municípios), que não para de crescer principalmente por força das contas da PREVIDÊNCIA, é pesado demais para as debilitadas asas da economia brasileira. Aí está a grande CAUSA que impede a decolagem.  Isto sem considerar o peso das estatais, que é paquidérmico.

Assim sendo, quando muito, coisa que está cada vez mais difícil sem as REFORMAS, a economia brasileira só conseguirá dar pequenos e curtos pulinhos. É o caso.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FLORENSE - 65 ANOS COM EXCELÊNCIA

    Amanhã, sexta-feira, dia 18 de maio, a grife de móveis Florense completa 65 anos de atividade, com todo o gás.
    A Florense é uma empresa brasileira com raízes italianas, design internacional e processos produtivos ecologicamente corretos. Em seu parque fabril, na Serra Gaúcha, tecnologia de ponta e trabalho artesanal vibram na mesma sintonia para gerar móveis de finíssimo acabamento.
    Uma empresa autoral, que desenvolve tecnologia exclusiva e domina todos os processos industriais, operando pelo sistema custom made e personalizando cada projeto como uma grande marcenaria fina, com flexibilidade total de medidas, grande variedade de materiais nobres e centenas de padrões de acabamentos. A cultura do fatto a mano, mantida desde sua fundação, em 1953, contribui para tornar cada projeto único.
    A excelência nos serviços prestados por uma rede franqueada que cobre todo o Brasil e tem forte presença nos Estados Unidos e na América Latina complementa a qualidade dos produtos. A rede de franquias, que já está completando 30 anos, foi pioneira no mundo no segmento de móveis.
    Tudo isso consolida a Florense entre os players mundiais e justifica a credibilidade adquirida pela marca junto ao segmento da alta decoração.

    Parabéns a família Florense pelo aniversário e pelas conquistas! 

  • COPOM

    O Comitê de Política Monetária (Copom) surpreendeu o mercado e manteve os juros em 6,5% ao ano, ao considerar que houve piora no balanço de riscos para a inflação, em razão do quadro internacional volátil e menos favorável para as economias emergentes.

  • INDIGNAÇÃO TORTA

    Fico espantado com o fato de inúmeros brasileiros estarem se mostrando (com razão) lesados com os calotes impostos pela Venezuela e Moçambique, que somam mais de R$1,5 bilhão,  e nada dizem sobre o perdão de dívidas dos nossos agricultores (que estão ganhando fortunas com as boas safras) que superam R$ 17 bilhões. Pode?

FRASE DO DIA

Se tudo falhar, tente a lógica.

Robert Half