Artigos Anteriores

O INVESTIMENTO E A ECONOMIA

ANO XIV - Nº 007/14 -

ÍNDICE BOVESPA

Ontem, a queda do índice Bovespa, que representa as ações mais negociadas, foi significativa. Em comparação com várias Bolsas do mundo, foi a que apresentou maior recuo. Isto prova, a priori, que a nossa situação não é tão confortável como muitos pensam.

CONTA CORRENTE

Através do déficit em conta corrente do país, cujo montante atingiu US$ 5,947 bilhões em dezembro do ano passado, ficando bem acima do esperado, já é um alerta de que algo vai mal. No ano, o déficit foi de US$ 24,334 bilhões, ou seja, 1,55% do PIB.

REALIZAÇÃO DE LUCROS

Antes que os equivocados repitam as palavras ditas pela imprensa, de que houve -realização de lucros- (argumento ridículo sempre usado para explicar as quedas de preços das ações) é bom olhar o comportamento do Risco-Brasil e o câmbio.

RISCO CÂMBIO E EM ALTA

Se o risco-país permaneceu estável, e o câmbio flutuou dentro da normalidade, aí a queda do índice da Bolsa deve ser vista como fato normal, onde a troca de posições justifica a manobra. Não foi o caso de ontem, por exemplo, onde o risco país subiu 4,92% e o dólar, subiu 1,2%, para R$ l,79.

INFORMAÇÕES EQUIVOCADAS

Também não vale a alegação de que o índice Bovespa já subiu muito, o que poderia sugerir um risco maior de investimento em ações. Aí fica evidente que a grande maioria dos brasileiros não entende de economia, onde o pessoal da imprensa se destaca. A partir daí as informações que o povo recebe são, geralmente, insuficientes e equivocadas.

NA DÉCADA

Pouca gente sabe, por exemplo, que nesta década a lucratividade acumulada do índice Bovespa foi de APENAS 76,74%. Enquanto isso, no mesmo período o IGP-M avançou 127,06%; o CDI rendeu 93,4%; e a poupança, descontada a taxa do mesmo IGP-M, teve ganho negativo, de 0,13%. Portanto, tomando por base o índice da Bovespa, outros investimentos foram bem mais lucrativos.

NUNCA PELA IMPRENSA

Em princípio, só pela pura e simples comparação, não é possível dizer que a Bolsa oferece maior probabilidade de ganho para o investidor. Depende muito do setor em que a empresa de capital aberto está inserida e o desempenho da mesma sob o ponto de vista da governança. A análise do investimento, como se vê, deve ser vista sob vários ângulos. O importante, no entanto, é nunca seguir a imprensa. Só o estudo.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • CHINA
    O PIB da China avançou 10,7% no quarto trimestre do ano passado, na comparação com o mesmo período de 2008. O resultado veio acima do esperado pelos analistas, que projetavam alta de 10,5%. No ano de 2009, a economia registrou expansão de 8,7%, ou US$ 4,91 trilhões. Em 2008, o PIB chinês cresceu 9,6%.
  • PERSPECTIVA
    O relatório Global Economic Perspectives, produzido pelo Banco Mundial, prevê um crescimento mundial de 2,7% neste ano, após uma queda estimada em 2,2% no ano passado. Para o Brasil, a previsão é de um crescimento de 3,6% em 2010, seguindo um crescimento praticamente nulo - de 0,1% - estimado para o ano passado.
  • TRABALHO
    O mercado de trabalho brasileiro criou 995.110 empregos com carteira assinada em 2009, o pior desempenho desde 2003. Em dezembro, as demissões atingiram 415 mil trabalhadores, acima das expectativas do governo e dos analistas. A explicação do ministro Lupi, do Trabalho, foi de chorar. Ridículo.
  • INVESTIR MAIS
    As empresas brasileiras vão investir mais do que repatriar recursos do exterior. A projeção do Banco Central para 2010 é de uma saída líquida (remessas menos ingressos) de US$ 5 bilhões, restabelecendo uma dinâmica de investimentos brasileiros diretos (IBD) apurada entre 2006 e 2008.

FRASE DO DIA

Quando nada é seguro, tudo é possível.

Margaret Drabble