Artigos Anteriores

O FOCO DO GOVERNO É OUTRO

ANO XIV - Nº 007/14 -

REFORMAS

Ao invés de se comprometer, de corpo e alma, com as necessárias reformas constitucionais (previdenciária, trabalhista, política, fiscal e tributária), que, decididamente, destravariam o país, o governo está muito preocupado, e envolvido, com uma única REFORMA: a Reforma dos apartamentos funcionais dos deputados federais, em Brasília. Pode?

PRIVILÉGIO DO PRIVILÉGIO

Como bem escreveu o jornalista Janio de Freitas (Folha de São Paulo do dia 15/01), a Câmara dos Deputados se concedeu o privilégio (há três meses) de ter atividade propriamente parlamentar, ou a sua aparência melhorada, em apenas UM DIA NA SEMANA. Criou assim o privilégio do privilégio; este, o que permitia aos deputados chegar a Brasília na terça, para a sessão da tarde, e cair fora na quinta.

NOITE MUITO CARA

Para passar uma noite em Brasília, eventualmente duas, reformar os 463 apartamentos e modernizar-lhes os equipamentos domésticos é, para dizer o menos, desaforo com a população que paga impostos porque trabalha.

IMORALIDADE

Seja de R$ 280 milhões ou de R$ 680 milhões, o montante do gasto não altera a dimensão da imoralidade. E não há um só partido que se tenha levantado contra. Retrato ainda melhor: não consta haver, entre os 513 deputados, um só que adotasse alguma atitude contra o mal uso do dinheiro público.

INTERESSE PRÓPRIO

Pois é, gente. Como se vê, da mesma forma com que os nossos governantes excedem em atos de safadeza e falcatruas de todos os tipos, também batem recordes sucessivos de gastos públicos. Tudo para atender seus próprios e exclusivos interesses. Nunca da sociedade. Pode?

TESTE

O grau de indignação de qualquer povo do nosso planeta, com relação ao desperdício do dinheiro público e da concessão de privilégios, é medido pelo tamanho da passividade de quem financia os gastos, no caso os pagadores de impostos. Normalmente, quando o limite é atingido, as manifestações explodem e a festa é dada por encerrada.

ILIMITADO

O curioso, para não dizer lamentável, é que no Brasil não é assim. A tolerância do povo brasileiro é infinita. A aceitação de tudo que não pode nem deve existir em qualquer civilização, no Brasil faz parte da cultura e dos costumes. A ordem, portanto, é deixar assim como está e, se possível, não atrapalhar. Muito menos pensar em dar um basta. Se algo tiver que acontecer, esta tarefa cabe, exclusivamente, a Deus.O que falta, portanto, para que todos sejam felizes para sempre é acabar com o que está atrapalhando: A INDIGNAÇÃO. Ela é que é nociva e nos faz mal.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • AEROPORTO
    Ainda sem definir uma localização precisa, o estudo elaborado por uma consultoria e entregue ontem ao Governo do RS apontou a viabilidade econômica para a construção de um novo aeroporto internacional próximo a Porto Alegre. A construção seria viável para uma fluxo de 23 milhões de passageiros, que seria alcançado em 2023. Se depender do governo, a obra não sai. Se depender da iniciativa privada, no RS isto é proibido.
  • BIG SHOW
    A Big Show, maior feira de tecnologia e inovação de varejo do mundo, chega ao fim hoje, 16, em Nova York ? e uma comitiva organizada pela CDL Porto Alegre está trazendo à Capital gaúcha as últimas novidades do setor. A missão internacional, que acompanhou as atividades da feira, vai apresentar, com exclusividade no dia 29, o que mais chamou a atenção de seus integrantes em um evento especialmente desenhado para quem quer estar em dia com os temas e tendências varejistas.
  • PARA GAÚCHO CHORAR
    Esta é para fazer os gaúchos chorarem, ou lembrarem do governador petista, Olívio Dutra: O Fiesta é o modelo de automóvel mais vendido pela Ford - ou o sexto maior do país quando se compara com as demais marcas. No ano passado, foram 113,5 mil unidades emplacadas, incluindo o carro com motor rocam, que continuará sendo produzido em Camaçari (BA).
  • IMPOSTO PARA O ESTUDO
    Um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário aponta que em alguns artigos escolares, a carga tributária pode superar os 40%. Conforme o presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo, Vilson Noer, exceção feita ao livro que possui benefícios tributários, os demais itens tem uma incidência de impostos acima dos 30%. Para estudar é preciso pagar imposto. Pode?

FRASE DO DIA

Os egoístas não sabem conversar; só falam de si próprios.

Amos Bronson Alcott