Artigos Anteriores

O FIM DA LIBERDADE ESTUDANTIL

ANO XIV - Nº 007/14 -

PERDA DA LIBERDADE

Nesta manhã, ao ler a Gazeta do Povo, fiquei sabendo que a Medida Provisória da -LIBERDADE ESTUDANTIL-, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em 9 DE SETEMBRO DE 2019, a qual garantia a GRATUIDADE na obtenção -SEM CUSTOS- da CARTEIRA DE IDENTIFICAÇÃO ESTUDANTIL DIGITAL, infelizmente vai CADUCAR neste domingo, 16 de fevereiro.

PASSIVIDADE

O que mais me espanta é a total PASSIVIDADE dos estudantes deste nosso imenso e empobrecido Brasil. Mais: até agora não se tem conhecimento de nenhum PROTESTO quanto ao brutal descaso do Congresso Nacional, que em momento algum manifestou qualquer interesse pelo assunto e tampouco foi pressionado pelos até então beneficiados com a gratuidade imposta pela MP.

FIM DO MONOPÓLIO DA UNE

Só para refrescar a memória, em nenhum momento a Câmara e o Senado se mobilizaram para instalar a comissão especial para analisar o conteúdo da MP. Por ocasião da sua publicação o ministro Abraham Weintraub declarou que a GRATUIDADE DA CARTEIRINHA tinha como propósito a DEFESA DA LIBERDADE dos estudantes. E completou dizendo: - Estamos aumentando a liberdade com mais opções, mais concorrência, mais liberdade e o fim do monopólio da UNE.

MASSA DE MANOBRA

Mais do que sabido, a maioria dos estudantes são comumente usados, tanto pela UNE- União Nacional dos Estudantes quanto pela UBES -União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, como MASSA DE MANOBRA para defender os lamentáveis IDEAIS SOCIALISTAS/COMUNISTAS promovidos por estas entidades. Exemplo:  os protestos para impedir o aumento do valor das tarifas de transporte coletivo.

Pois, quando o governo trata de emitir uma MP com o propósito de conceder a GRATUIDADE das Carteiras Estudantis, que dá por encerrada a nojenta cobrança das mesmas pela UNE e/ou pela UBES, aí nada acontece. Pode?

LAMENTÁVEL

Na reportagem, o jornalista Roger Pereira informa que a MP DA LIBERDADE ESTUDANTIL previa validade “enquanto o aluno permanecer matriculado” na instituição de ensino. Assim, as quase 300 mil carteirinhas digitais emitidas até domingo seguirão valendo em todo o território nacional. A partir desta 2ª feira, 17, as carteiras nacionais de identificação de estudante voltarão a ser emitidas apenas pelas entidades representantes das classes, que VOLTARÃO A COBRAR R$ 35,00 (ou mais) por ano.  Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • O PARASITA E O CARREGADOR DE PIANO

    Ainda que o ministro Paulo Guedes já tenha pedido desculpas por ter comparado o valor que representa o CUSTO e a QUANTIDADE enorme de funcionários do SETOR PÚBLICO como PARASITAS que destroem por completo o HOSPEDEIRO, eis o texto do jornalista Alexandre Garcia -O PARASITA E O CARREGADOR DE PIANO-:

    "Parasita" foi o grande vencedor do Oscar deste ano e o diretor do filme, também premiado, divide com Paulo Guedes o uso desse título que frequenta o noticiário. O sul-coreano com o filme e o ministro com esta manifestação, pronunciada na Fundação Getúlio Vargas: “O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação. Tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo. O hospedeiro está morrendo, e o cara virou um parasita. O dinheiro não chega ao povo, e ele quer aumento automático. Não dá mais”.

    Os parasitas e os que não são parasitas ficaram furiosos. O ministro da Economia pediu desculpas pela generalização. Mas o episódio deu munição para os que querem torpedear qualquer transformação no Estado brasileiro que tire do conforto os que vivem uma situação privilegiada em relação aos demais contribuintes brasileiros.

    No fundo, no fundo, a denúncia de que há parasitas deve ter sido aplaudida pelos que "carregam o piano". Em qualquer instituição pública que se examine vai se identificar aqueles que deixam o paletó no espaldar da cadeira, os que ficam no cafezinho, os que saem para tratar de seus assuntos particulares, os que ficam de enganação dias, meses e anos, e aqueles hospedeiros dos parasitas, sobrecarregados, que precisam realizar as tarefas, como quietas vítimas da injusta distribuição do peso. "Carregam o piano" em hospitais públicos, nos postos de saúde, nas escolas públicas, na previdência, nos ministérios, nas estatais.


    O concurso público é a forma mais justa de admissão em carreira do Estado, porque avalia o mérito. Mas esse mérito precisa ser continuamente avaliado no desempenho do servidor do público. No entanto, a estabilidade e o direito adquirido são tentações a que muitos não resistem, ao encontrar quem trabalhe em seu lugar. E não se pode elogiar o "carregador de piano" sem que isso signifique admitir como simbiose essa relação entre parasita e hospedeiro. É preciso libertar esse hospedeiro.

    A agenda de transformação administrativa do Estado que vai ser oferecida ao Congresso quer romper isso para o futuro, já que no presente não pode ofender o direito adquirido, que está abrigado pela Constituição.

    As propostas de mudanças vêm da experiência crítica dos melhores das carreiras do Estado, os que dominam todas as nuances desse intrincado ser que é o inchado Estado brasileiro. Agente público escolhido e mantido por mérito, sem militância partidária, de caráter incorruptível, sem ser servidor de um governo ou de outro, mas do povo brasileiro e para as próximas gerações.

    Ao longo dos anos, separou-se dos demais brasileiros um contingente estatal com mais direitos que os outros, contrariando a Constituição, que fala em igualdade, "sem distinção de qualquer natureza". E, convenhamos, as diferenças não são apenas entre os servidores do público e o público. Existem distinções também entre os próprios servidores, com a coexistência de parasitas e de "carregadores de piano"."

  • RESULTADO DO BANRISUL

    O Banrisul registrou, no exercício de 2019, lucro líquido de R$ 1,34 bilhão, aumento de 28,2% na comparação com 2018. O lucro líquido ajustado pelos eventos extraordinários totalizou R$ 1,27 bilhão em 2019, crescimento de 16,2% frente ao registrado no mesmo período de 2018, com retorno ajustado de 16,9% sobre o patrimônio líquido médio.
    Na avaliação do presidente do Banrisul, Cláudio Coutinho, os resultados excepcionais devem-se ao trabalho iniciado no Banco há alguns anos. “A estratégia comercial foi direcionada para operar, principalmente, no Rio Grande do Sul, disponibilizando linhas de crédito para pessoa física, micro e pequenas empresas e o agronegócio. Essa é a nossa missão, focada no Estado onde o Banrisul tem vantagem competitiva”, ressaltou ele.

FRASE DO DIA

Tive pena do ser humano por trás do erro, e não de seu caráter.

Aristóteles