Artigos Anteriores

O BRASIL PRECISA DE UM TRATAMENTO DE CHOQUE

ANO XIV - Nº 007/14 -

CONTRA O RADICALISMO

Não sei se devo acreditar piamente na notícia que saiu ontem, 13, no site -O Antagonista-, dando conta de uma revelação feita pelo senador Izalci Lucas, eleito pelo PSDB do Distrito Federal, a qual diz que, nos bastidores do Senado, está sendo formado um BLOCÃO “contra o radicalismo” do governo Bolsonaro.

ACIMA DE PARTIDOS E INTERESSES PARTIDÁRIOS????

A ideia, segundo afirmou Izalci ao -O Antagonista-, é reunir senadores “acima de partidos e interesses partidários” para “colocar ordem na Casa, mas com bom senso”. Mais: "A gente sabe que vai vir muita coisa aí a partir de 2019 e tem que ter bom senso, porque o Brasil não aguenta muito radicalismo”.(???)

MÁ VONTADE

Entretanto, partindo do pressuposto de que foi isto mesmo que o senador eleito pelo PSDB disse, aí não tem como ficar calado. De antemão, já fica muito claro o quanto o novo senador já está pronto para despejar uma grande  má vontade contra as importantes medidas que se fazem necessárias para tirar o Brasil do enorme atraso.  

TRATAMENTO DE CHOQUE

Antes que alguém aprove a declaração do mau senador é importante salientar que quando a doença é grave o que se impõe é um TRATAMENTO DE CHOQUE.  Gente, o BOM SENSO diz, com todas as letras, que a salvação do  Brasil passa por cirurgias radicais e urgentes. 

MURISTA

Esta postura do Izalci identifica, ipsis literis, o quanto o senador incorporou a forma de agir e pensar do seu partido, PSDB, que se notabilizou por estar sempre EM CIMA DO MURO. Ele usa o termo -RADICALISMO- para dizer, com toda clareza, o quanto se mostra disposto a não apoiar as mudanças que já estão sendo veiculadas.

SÚPLICA

Suplico, meus caros leitores, para que não se deixem levar pela lamentável declaração do senador Izalci. Ao contrário: tratem de exigir o máximo de RADICALISMO, revestido de muita PRESSA, para que possamos salvar o que for possível daquilo que está empilhado na enorme montanha  de problemas que o Brasil cultivou ao longo de cinco séculos.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • OS PRÓXIMOS DOIS ANOS -2019 E 2020

    A propósito do quanto o RADICALISMO é necessário, eis o retrato do Brasil, segundo o economista Ricardo Bergamini, para os próximos dois anos - 2019 e 2020:

    Nos próximos dois anos (2019 e 2020) não haverá investimentos públicos

    - No acumulado em doze meses até junho de 2016 registrou-se déficit primário (sem juros) de R$ 151,2 bilhões (2,51% do PIB). No acumulado em doze meses até outubro de 2018, registrou-se déficit primário de R$ 84,8 bilhões (1,24% do PIB), Redução real de déficit primário (sem juros) de 50,60% em relação ao PIB, comparado com os últimos doze meses do governo Dilma. Nesse ritmo o Brasil vai levar mais 2,3 anos para atingir resultado fiscal primário “zero”.

     - Investimentos públicos caem para 1,17% do PIB e atinge o menor nível em 50 anos

     Nos próximos dois anos a dívida da União deve alcançar 90,00% do PIB

    - Em 2010 o estoque correto da dívida líquida da União (interna mais líquida externa) era de R$ 2.388,0 bilhões (61,46 do PIB). Em outubro de 2018 era de R$ 5.526,1 bilhões (81,31% do PIB). Crescimento real em relação ao PIB de 32,30%.

     Poupança = Investimento = Crescimento

     - A taxa de Investimento no terceiro trimestre de 2018 foi de 16,9% do PIB. No terceiro trimestre de 2013 foi de 21,5% do PIB. Redução de 21,40% em relação ao PIB em cinco anos.

     – A taxa de poupança bruta no terceiro trimestre de 2018 foi de 14,9% do PIB. No terceiro trimestre de 2009 foi de 20,9% do PIB. Redução de 28,71% em relação ao PIB em nove anos.
     

  • DENGUE

    O Hospital São Lucas da PUCRS está selecionando voluntários para participar de um estudo que testa a eficácia da vacina contra a dengue desenvolvida pelo Inst. Butantan. Os interessados precisam ser saudáveis, ter entre 18 e 59 anos, e serem moradores de Porto Alegre. Informações (51)3320.3178

FRASE DO DIA

Não devemos resistir às tentações: elas podem não voltar.

Millôr Fernandes