Artigos Anteriores

O BRASIL E A 4ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

ANO XIV - Nº 007/14 -

PRIMEIRO MUNDO

O mundo já passou por três Revoluções Industriais.  Em todas elas, mais do que sabido, os países que mais e melhor proveito tiraram foram aqueles que acreditaram e/ou investiram o quanto antes nas novas descobertas, o que lhes garantiu presença na destacada elite das economias consideradas de Primeiro Mundo. 

3 REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS

Vale lembrar que a Primeira Revolução Industrial ocorreu na Inglaterra, no século XVIII (1780-1830) com a siderurgia e as máquinas a vapor; a Segunda, na década 1870/80, com o advento dos motores a explosão e, por consequência, do automóvel; e, a Terceira iniciou na década de 1970, baseada na alta tecnologia ou tecnologia de ponta (HIGH-TECH).

PAÍS COLÔNIA

Infelizmente, o nosso empobrecido Brasil sempre preferiu -deixar pra lá- as importantes descobertas (ondas) que resultaram no efetivo desenvolvimento econômico daqueles que não perderam muito tempo. Aqui, o que mais os governantes e empresários diziam, alto e bom tom, é que a vocação do Brasil não era voltada para a indústria, mas, exclusivamente, para a AGRICULTURA. Ou seja, um eterno País-Colônia. 

QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Hoje, mais do que sabido, o mundo está diante da QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. E, desta vez, para felicidade geral da Nação Brasileira, há, no ambiente do setor privado, uma consciência clara de que o Brasil não vai -deixar pra lá- a OPORTUNIDADE. Tomara. Entretanto, mais do que necessário é conhecer e dominar as ferramentas desta nova era.

BIG DATA

Nesta QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ganha enorme destaque a INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E ANÁLISE DE DADOS. Com o advento do BIG DATA, grande conjunto de dados armazenados, todas as informações são disponibilizadas rapidamente, permitindo que as máquinas tomem decisões sozinhas, elevando a produção. 

ESTUDO

Causa, no entanto, séria preocupação o resultado de um estudo produzido pela KPMG, onde o Brasil mostra baixo preparo para mudanças e/ou encarar novidades. A situação, aliás, piorou nos últimos anos. Enquanto, em 2017, o Brasil tirou nota 0,49 numa escala de zero a um, no Índice de Prontidão a Mudanças, em 2015 a nota era  0,52.

Entre 136 países analisados, o Brasil está na 79ª colocação. Na origem do mau desempenho está a queda nos gastos em inovação e a piora das finanças públicas. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • INADIMPLÊNCIA NOS BANCOS PÚBLICOS

    Em um ano, os bancos públicos viram seus índices de inadimplência - atrasos superiores a 90 dias nos pagamentos de financiamentos - subir de 2,8% para 3,5%. Isso significa que, nesse período, os calotes nesses bancos - nos quais se incluem o Banco do Brasil, a Caixa e o BNDES - cresceram em R$ 10,4 bilhões. O movimento é oposto ao registrado pelos bancos privados. Que tal?

  • BITCOIN: FRAUDE OU FUTURO?

    O CEO do JP Morgan Chase, Jamie Dimon, repetiu essa semana sua velha opinião sobre O BITCOIN, a moeda mais quente do planeta:  o bitcoin é -uma fraude-."É pior que a mania das tulipas. Isso não vai acabar bem. Alguém vai perder muito dinheiro,” disse ele. Durante uma conferência com investidores organizada pelo Barclays, arrematou: “Uma moeda tem que ter suporte legal. O bitcoin vai explodir.” Mais: disse que demitiria qualquer operador de mercado que negociasse bitcoins “por ser estúpido."

     

  • ALMOÇO FARROUPILHA

    Um menu com sabores tipicamente gaúchos é a atração do Bistrô Porto Alegre para o almoço desta quarta-feira (20), feriado que marca a Revolução Farroupilha. No cardápio criado pelo chef Mauro Sousa e servido em sistema de buffet, destaques para o Costelão 12 horas, tainha recheada, nhoque de aipim com ragu de cordeiro e carreteiro de charque. Celebrando a tradição dos doces do Estado, a ilha de sobremesas traz moranga caramelizada, arroz de leite, ambrosia e pudim. 
    Informações pelo e-mail portoalegrebistro@sheraton.com ou através do telefone (51) 2121.6060.
     

FRASE DO DIA

O sábio começa no fim. O tolo termina no começo.

G.Polya