Artigos Anteriores

NEM A SUPERLUA AJUDA

ANO XIV - Nº 007/14 -

UFANISMO

Cada dia que passa mais fica evidente que o grande e poderosíssimo inimigo do Estado do Rio Grande do Sul é o UFANISMO DO POVO. Este sentimento, que a maioria dos gaúchos demonstra, com orgulho desmedido e irresponsável, causa danos terríveis ao cérebro a ponto de impedir por completo o discernimento. 

ARROGANTE

O mais lamentável é que esta dramática e visível falta de discernimento, provocado essencialmente pelo elevado grau de UFANISMO, tem levado o povo gaúcho a ser considerado, com absoluta razão, como uma sociedade  arrogante, do tipo que se acha superior a tudo e a todos. 

CONSTRUÍDA AO LONGO DOS ÚLTIMOS 50 ANOS

Observem, por exemplo, que a complicadíssima situação financeira pela qual passa o setor público do RS, com repercussão óbvia nas atividades privada em geral, não apareceu do nada ou mesmo de repente. Ela foi construída, notadamente nos últimos 50 anos, com total permissão da sociedade gaúcha, ao som do Hino Rio-Grandense. 

NOSSAS FAÇANHAS DE MODELO A TODA TERRA

Embalados, ou embriagados, pela melodia do Hino Rio-Grandense, os gaúchos em geral demonstram um cego OTIMISMO, do tipo que acreditam que -ao final tudo vai dar certo-. Este sentimento fica ainda mais evidente e descomunal quando os gaúchos, com a mão no peito, cantam (ou bradam) a parte mais arrogante do hino, que diz:  SIRVAM NOSSAS FAÇANHAS DE MODELO A TODA TERRA-. Pode?

ALERTAS

O que mais me deixa triste, como gaúcho que sou, é que os meus alertas nunca foram levados a sério. A sociedade gaúcha, movida por um INSANO UFANISMO, sempre deu a entender que os poucos que afirmavam, com fundamentos inequívocos, que a situação financeira do Estado do RS caminhava para o CAOS, não passavam de pessimistas ou traidores da Pátria.

PAIXÃO PELO CAOS

Pois, depois de tudo que se viu na Assembleia Legislativa do RS nestes últimos três dias, é inegável que o destino que a oposição (e alguns deputados da situação) quer para o já falido RS é fazer do estado gaúcho uma VENEZUELA. Começando  pela figura lamentável do presidente da Assembleia, o deputado petista, representante do MST, Edegar Pretto, que simplesmente impediu a votação dos projetos. Pode? Pois é.

MARCEL VAN HATTEM É A EXCEÇÃO

Aliás, a bem da verdade o deputado Edegar Pretto só se tornou presidente da ALRS porque os demais deputados o elegeram. A única exceção, diga-se de passagem, foi o valoroso deputado Marcel Van Hattem.

Mais ainda: o novo presidente da ALRS, que vai assumir amanhã, com a aprovação dos demais deputados, é Marlon Santos, do PDT. Ou seja, nada muda para melhor. Que tal? (Ah, Marcel Van Hattem, nesta votação, é, mais uma vez, exceção).

Como se vê, nem a SUPERLUA ajuda para abrir a mente dos gaúchos, que provam por A+B uma paixão pelo CAOS.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FATURAMENTO DA INDÚSTRIA

    O faturamento real da indústria brasileira subiu 3,2% em dezembro de 2017 em relação ao mesmo mês de 2016,
    mas caiu 7% na comparação com novembro do ano passado, sem ajuste, conforme dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Ajustado por efeito sazonal, houve alta de 0,2% no faturamento real da indústria em dezembro ante novembro.

  • PRODUÇÃO INDUSTRIAL

    A produção industrial brasileira cresceu 4,9% no quarto trimestre de 2017 em relação a igual período de 2016,
    na maior alta trimestral desde o segundo trimestre de 2013 (+5,1%), informou o IBGE. O resultado manteve o comportamento positivo registrado nos outros três trimestres de 2017 e interrompe 11 taxas trimestrais negativas consecutivas na comparação entre iguais períodos. Já no acumulado de 2017, a indústria nacional acumulou alta de 2,5% na comparação com 2016, com resultados positivos nas quatro grandes categorias
    econômicas e em 19 dos 26 ramos de atividade pesquisados. No período, destaque para veículos automotores, reboques e carrocerias (+17,2%), seguidos por indústrias extrativas (+4,6%).

FRASE DO DIA

O governo fala de ordem e progresso? Desculpa, mas eu só estou vendo caos e retrocesso!