Artigos Anteriores

MOTIVOS PESSOAIS

ANO XIV - Nº 007/14 -

FAVA CONTADA

Como todos tomaram conhecimento, no final da última sexta-feira, a até então presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, pediu demissão do cargo. A sua saída, no entanto, não chegou a causar surpresa nos ambientes econômico e político do país. Era -fava contada- como diz o jargão popular.

 

PEGAR O BONÉ

O motivo alegado por Maria Silvia na sua carta de demissão foi -motivo pessoal-. Ora, todo mundo está careca de saber que -motivo pessoal- é a forma mais utilizada para aqueles que preferem não expor, ou apontar, as verdadeiras e legítimas razões que os levam a -pegar o boné- e cair fora. 

ALGO MAIOR

Pois, enquanto não for expressa a verdadeira razão que levou Maria Silvia a pedir demissão, o mercado, ávido por explicações convincentes, passa a especular. Até agora, a única coisa que é possível afirmar, sem qualquer possibilidade de erro, é que algo muito sério aconteceu para que a executiva tenha pedido demissão. 

MERCANTILISMO

Como faço parte da turma dos especuladores, no meu entender Maria Silvia percebeu, enfim, o quanto era absolutamente incapaz para enfrentar o MERCANTILISMO, que está alicerçado, basicamente, no intervencionismo, no protecionismo e no monopólio. 

SORTE AO PAULO RABELLO DE CASTRO

Com a saída (ou derrota) de Maria Silvia, como foi divulgado no final da tarde da mesma sexta-feira, 26, o escolhido para ocupar a presidência do BNDES é o economista e pensador (Pensar+), Paulo Rabello de Castro, ao qual envio votos de muita sorte na nova empreitada, pois conhecimento é o que, decididamente, não lhe falta.

 

AMIGOS PROPINEIROS

Entretanto, o que mais lamento é que Rabello de Castro não tem a mínima competência para fazer o que é realmente necessário: FECHAR IMEDIATAMENTE A INSTITUIÇÃO. Até porque o BNDES se notabilizou, por força do MERCANTILISMO PETISTA, em promover pouco ou nada de FOMENTO e muito em termos de agrado aos amigos propineiros do governo.  

TRANSPARÊNCIA

Enquanto não é visto como necessário o fechamento definitivo do BNDES, o que precisa ser feito é, ao menos, botar ordem nos financiamentos de projetos, que gozam de taxas altamente subsidiadas. Bom mesmo seria se os MERCANTILISTAS deixassem que houvesse transparência nas operações. Ou seja, mesmo admitindo que nos financiamentos fornecidos pelo BNDES seja aplicada a indecente e estúpida -TJLP- (quase a metade da Selic), é necessário expor quais tomadores estão adimplentes e quais estão definitivamente inadimplentes. 

 

PAGAMENTO DAS PARCELAS

A estas alturas o que mais importa é saber se os financiados estão pagando as parcelas. A JBS, pelo que se sabe, tem fôlego para tanto, porque as operações da organização não só existem, de fato, como se mostram rentáveis. Já os financiamentos concedidos às empresas do Eike Batista (até o sobrenome é o mesmo), por exemplo, não têm nenhum lastro.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS DE HOJE

    Na pesquisa Focus, divulgada hoje:

    1- a projeção para o IPCA ao final de 2017 subiu de 3,92% na semana anterior para 3,95%, e para o final de 2018 de 4,34% para 4,40%. Para 2019 e 2020, as projeções permaneceram em 4,25%.

    2- a expectativa para a taxa de câmbio se elevou de R$ 3,23/US$ para R$ 3,25/US$ ao final de 2017, e de R$ 3,36/US$ para R$ 3,37/US$ em 2018.

    3- a projeção para a taxa de crescimento do PIB teve leve recuo de 0,50% para 0,49% e de 2,50% para 2,48% ao final de 2017 e 2018, respectivamente.

    4- a estimativa para a taxa Selic, por sua vez, manteve-se em 8,50% ao final de 2017 e de 2018.

  • FORMA EXEMPLAR

    Vejam porque o deputado estadual Marcel Van Hatten representa, ipsis literis, seus eleitores. Na semana passada, durante expediente na Assembleia Legislativa do RS, Marcel tratou os comunistas de forma exemplar: clique aqui para assistir (https://youtu.be/1jg4RlDDeL4)

  • PANVEL

     Vale destacar o bom desempenho das vendas no varejo e a continuidade do plano de expansão das lojas Panvel, que  impactaram positivamente o resultado do Grupo Dimed no 1º Trimestre de 2017, com faturamento de R$ 580 milhões.

    As vendas das lojas Panvel e dos canais online e app cresceram 16,6% na comparação trimestral e o destaque ficou por conta das compras pela loja virtual, com incremento de 22,5%. A abertura de 34 lojas nos últimos 12 meses também contribuiu com o resultado.

    O desempenho da Panvel superou a média obtida pelas grandes redes de farmácia no período, total de 9,26%, segundo dados divulgados pela Abrafarma.

FRASE DO DIA

Há momentos em que você precisa escolher entre virar a página ou fechar o livro.