Artigos Anteriores

MANIFESTAÇÕES EQUIVOCADAS

ANO XIV - Nº 007/14 -

EDITORIAL DE ONTEM

Diante da grande importância que tem para o futuro do Brasil o tema abordado no editorial de ontem, o qual tratou das manifestações que empregados e empregadores estão fazendo a respeito da forte desindustrialização brasileira, volto ao assunto.

DOSE DE FALSIDADE

O que é possível observar, claramente, é que o governo neo-socialista-petista está aproveitando muito esta pressão que as classes empresarias e de trabalhadores estão fazendo, para mostrar o quanto uma simples DOSE DE FALSIDADE é o bastante para acalmar os manifestantes e mandá-los para casa.

BASTA A PROMESSA

Como exímio cumpridor da cartilha gramsciana, os petistas sabem muito bem que manifestações empresariais são sempre muito breves. A satisfação dessa turma reside, exclusivamente, na simples promessa de que os problemas serão enfrentados. Ou seja, o efetivo cumprimento do pleito tem pouca importância.

O ANÚNCIO FAZ A FESTA

A cultura, infelizmente, é esta mesmo: a festa de comemoração acontece quando os governantes prometem qualquer obra. A satisfação do povo, portanto, está no anúncio e não na realização. Exemplos não faltam, como é o caso de inúmeras obras públicas que se arrastam por décadas.

FECHAMENTO DA ECONOMIA

Voltando ao tema da tal de desindustrialização, uma coisa é inegável: o que realmente está sendo pleiteado não é a melhora da nossa competitividade. O que empregados e empregadores estão exigindo, lamentavelmente, é o fechamento da nossa economia.

UTOPIA

O fato é que assim como os empregados não admitem flexibilização dos encargos trabalhistas, os empresários não aceitam ser menos gananciosos. Quem domina minimamente as quatro operações sabe que, caso o real se desvalorizasse 50% frente ao dólar, os produtos importados continuariam muito mais baratos.

SEM ILUSÃO

Liberdade, definitivamente, não é o nosso forte. Alguns até pedem Liberdade, só que como um fim. Assim, não se preocupam com o mais importante: a Liberdade como um meio. Isto explica porque preferimos a maquiagem, o disfarce. O povo brasileiro não gosta de cirurgias, cujo poder de resolver os problemas é plena e efetiva.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FÓRUM DA LIBERDADE
    Está tudo pronto para o 25º Fórum da Liberdade. Como estamos preocupados com futuro, o tema desta edição trata exatamente disso. 2037: QUE BRASIL SERÁ O SEU? - será abordado por inúmeros palestrantes que estarão em Porto Alegre nos dias 16 e 17 de abril.
  • BICICLETAS
    Como alternativa de transporte e lazer, a Prefeitura de Porto Alegre estuda a implantação de bicicletas para o uso público, como ocorre em grandes centros urbanos da Europa. A intenção, segundo o prefeito Fortunati, é realizar uma parceria público-privada que viabilize a instalação dos equipamentos. Fortunati ressaltou, ainda, o empenho da prefeitura para estimular o uso da bicicleta como a construção de ciclovias e campanhas para educação no trânsito.
  • CONSTRUÇÃO
    O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) registrou, em março, taxa de variação de 0,37%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,42%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,42%; e o índice referente a Mão de Obra registrou variação de 0,32%.
  • SUPERMERCADOS
    O setor supermercadista gaúcho registrou um crescimento real de 6,1% em 2011, na comparação com o ano anterior. O dado, já deflacionado pelo IPCA/IBGE, é um dos resultados do Ranking Agas 2011, levantamento realizado entre janeiro e março e apresentado hoje pela Agas. Em valores nominais, o crescimento foi de 12,61% em relação a 2010. Participaram do levantamento as 207 maiores empresas supermercadistas gaúchas, oriundas de 121 municípios do RS. Os destaques da pesquisa serão premiados pela Agas em jantar marcado para o dia 11 de abril.

FRASE DO DIA

O valor dos soldados depende da estratégia do general.

Publílio Siro