Artigos Anteriores

JOGANDO CONVERSA FORA

ANO XIV - Nº 007/14 -

O ERRADO SOU EU

Ontem à tarde, enquanto assistia os discursos que antecederam a votação para presidente da Câmara dos Deputados, que resultou na cantada eleição de Henrique Eduardo Alves ou, mais precisamente, de mais um político do PMDB cercado de suspeição, falta de ética e mau comportamento por todos os lados, cheguei a uma triste, tardia e ingênua conclusão: O ERRADO SOU EU. Eu e, certamente, mais um punhado de tontos educados com os mesmos princípios.

NOVA ONDA

A minha voz, assim como a desse pequeno grupo, infelizmente, só conseguem ser ouvidas numa mesa de bar, cujas cadeiras são ocupadas por indignados que não têm coisa melhor para fazer. Formamos um ingênuo grupo de pessoas convencidas de que o tecido social está contaminado, sem perceber, no entanto, que para a maioria do povo tudo está em linha com a nova onda comportamental. Ou seja, a corrupção e a safadeza passaram a ser vistas como normais e rotineiras. Fazem parte, portanto, da cultura dos brasileiros.

VOZ DA RAZÃO

Os errados, ou desajustados, indiscutivelmente, somos nós, impotentes e convencidos de que a educação correta é aquela que recebemos. Mais: com enorme resistência, ainda mostramos dificuldade em reconhecer que a voz do povo (maioria) é, sim, a voz da RAZÃO, a voz do CONVENCIMENTO. Daí essa infelicidade que nos atormenta e não nos deixa em paz.

OUVINDO VOZES

Em meio ao discurso do novo presidente da Câmara, que simplesmente desafiou o STF, me vi vestido com a roupa de um bobo errante. A ponto de ouvir meus pais e mestres, que diziam duas frases: 1-

VONTADE PURA

Ora, no Brasil, como se sabe, justiça é manga de colete. E atitude consciente é esta que estamos assistindo através dos atos de nossos representantes, ou essência do povo. Afinal, os 271 votos (55% do total) que o deputado Henrique Alves recebeu, ontem, de seus colegas, não podem ser confundidos com desatenção, descuido, mero acaso ou uma escorregadela. É vontade. Pura vontade.

FORA DA CASINHA

Um número tão expressivo de deputados, que seguiram os mesmos passos dos senadores quando elegeram o sinistro Renan Calheiros, não comete erros. Acerta. Bem de acordo, aliás, com a cultura ora dominante no país. Quem pensa e age de forma diferente, de antemão precisa saber que está, literalmente, FORA DA CASINHA. É o meu caso, infelizmente.

CONVERSA DE BAR

O que me preocupa neste momento é que meus filhos foram educados com os mesmos ensinamentos que recebi. Ambos, portanto, já estão formados. Formados em INDIGNAÇÃO, certamente. No mais alto grau. Por serem leitores do Ponto Crítico já imagino que depois de tomarem conhecimento deste editorial vão querer conversar sobre o assunto. Caso receba o convite vou propor que a nossa conversa aconteça num bar qualquer da cidade. Lá, certamente, vão entender que falar sobre o futuro do Brasil é jogar conversa fora.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • TRAGÉDIA
    A Petrobrás registrou lucro líquido de R$ 21,18 bilhões em 2012. O resultado representa uma queda de 36,42% em relação ao obtido em 2011 (R$ R$ 33,313 bilhões). A venda de combustíveis a preços mais baixos do que os de importação pela Petrobrás está entre os fatores que mais pesaram nos resultados da estatal em 2012, quando a empresa teve o primeiro prejuízo em mais de 13 anos, no segundo trimestre.
  • TRIBUTAÇÃO
    Técnicos do governo discutem com representantes do mercado de capitais um novo regime de tributação das aplicações financeiras com rendimentos atrelados à taxa dos Certificados de Depósitos Interbancários (DI). A proposta em elaboração prevê que fundos DI e CDBs, por exemplo, terão o tratamento tributário de uma operação de curto prazo. Ou seja, alíquotas de Imposto de Renda mais salgadas, que variam de 20% a 22,5% sobre os ganhos de capital, independentemente do tempo que o investidor mantiver a aplicação. (Valor)
  • VONTADE DO POVO
    A maioria da nova cúpula da Câmara dos Deputados (o povo, portanto) defende que não seja cumprida a decisão do Supremo Tribunal Federal que determinou a cassação automática do mandato dos quatro deputados condenados no julgamento do mensalão. E agora?
  • AQUÉM DO ESPERADO
    Em mensagem encaminhada ao Congresso Nacional, a presidente Dilma Rousseff reconhece que o PIB de 2012 ficou AQUÉM DO ESPERADO. Ora, esperado por quem, presidente Dilma? Por favor, me tirem o tubo...

FRASE DO DIA

A riqueza é produto da capacidade do homem de pensar.

Ayn Rand