Artigos Anteriores

GRAU DE ENDIVIDAMENTO

ANO XIV - Nº 007/14 -

TAMANHO DA CRISE

A brutal elevação do endividamento público dos principais países desenvolvidos mostra, com bastante clareza, o tamanho da crise de crédito que o mundo viveu e ainda está vivendo.

FORMA ADOTADA

Para tentar aplacar os efeitos da espantosa dificuldade de caixa das inúmeras instituições bancárias mundo afora, a forma rápida e eficiente adotada pelos governos do Japão, Alemanha, Reino Unido e EUA foi uma pesada emissão de títulos públicos.

EFEITO COMPARATIVO

Hoje, depois de passado o pior momento da crise e conhecido o tamanho do endividamento público desses países, em relação ao PIB, e fazendo também uma comparação com o Brasil, a nossa situação está confortável. Mesmo considerando que a nossa dívida pública ainda é elevada.

DÍVIDA/ PIB

Se a nossa situação melhorou pouco, a fantástica piora dos países de primeiro mundo está fazendo a grande diferença. Confira isto pelo percentual atual das dívidas públicas dos seguintes governos/PIB: EUA = 73%; Japão = 200%; Alemanha = 65% e Reino Unido = 57%. Já o Brasil apresenta dívida de 40% sobre o PIB.

DOIS FATORES

Dois fatores influem muito na formação do Risco-País: o grau de endividamento e o volume de reservas cambiais. Nesses quesitos estamos bem melhor, comparativamente. No período mais crítico da crise as nossas reservas não recuaram e nossa dívida pública permaneceu praticamente estável.

OPÇÃO PELO BRASIL

Daí é possível entender este súbito e enorme interesse dos estrangeiros em desviar mais recursos para o Brasil, o que está provocando esta forte apreciação do real. Por consequência, também uma apreciável redução do nosso risco-país.

PERGUNTA

Você compraria um imóvel de uma construtora que está em situação concordatária? Não tem o receio de que a garantia pode ir pro brejo? Pois é. Da mesma forma faço outra pergunta usando a mesma lógica: você compraria um veículo de uma montadora em concordata e cujo destino é incerto? É bom pensar nisto. Eu não.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • DÉFICIT DOS EUA
    Em discurso de hoje o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, pediu às autoridades norte-americanas que assumam o compromisso de reduzir o déficit orçamentário de quase US$ 2 trilhões do país.
  • NÃO ACREDITO
    O presidente da GM do Brasil, Jaime Ardila, assegurou que a unidade não faz parte do processo de recuperação judicial anunciado na segunda-feira, pela matriz nos EUA. Não acredito.
  • CUSTO PAÍS
    As ações da Justiça brasileira custaram R$ 33,5 bilhões aos cofres públicos em 2008. O número consta na pesquisa Justiça em Números, divulgada ontem pelo Conselho Nacional de Justiça.
  • FLORIANÓPOLIS
    Agora foi o leitor Wilson Volpato que se manifestou sobre a Ilha de SC, por ter sido excluída da Copa de 2014. Vejam a mensagem: 1) Floripa não tem aeroporto;2) Não tem acesso ao aeroporto;3) Não tem rede hoteleira;4) Não tem táxi disponível na maioria das cidades;5) Não tem transporte público digno do aeroporto às praias ou ao centro da cidade;6) Não tem estádios;7) Não tem área disponível e com acesso para construção de estádios nem na Ilha nem no continente.

FRASE DO DIA

QUEM É INFORMADO NÃO FICA TRANQUILO.

N. Stoffel