Artigos Anteriores

EXPULSÃO DE INVESTIDORES

ANO XIV - Nº 007/14 -

À CATA DE INVESTIMENTOS

É muito comum ver governadores e prefeitos saírem mundo afora à cata de investimentos para seus estados e municípios. Para seduzir potenciais interessados tratam de mostrar, através de sites, vídeos e folhetos coloridos, as características que possam, quem sabe, influenciar na decisão dos investidores. 

O RS E PORTO ALEGRE FAZEM O CONTRÁRIO

Pois, por incrível que possa parecer, nos últimos anos, o RS e sua capital, Porto Alegre, resolveram fazer o contrário: através de várias decisões que vem sendo tomadas tanto na Assembleia Legislativa quanto na Câmara dos Vereadores, os políticos gaúchos estão fazendo de tudo para ESPANTAR INVESTIMENTOS. 

 

NOVOS E ANTIGOS

Esta fantástica e incrível providência, diga-se de passagem, vale não só para NOVOS investimentos. Os ANTIGOS, que em outras épocas foram seduzidos, a cada dia que passa buscam novos ares, só para ficar longe da estupidez gaúcha, hoje a principal característica do RS.

RS - ESTADO CALOTEIRO

O Estado do RS, mais do que sabido, por absoluta incompetência de seus governantes está mergulhado numa (anunciada) crise cuja solução se mostra simplesmente impossível. Explico: como os DIREITOS ADQUIRIDOS são para sempre, ou seja, não permitem revisão e/ou redução, não há como sair da enorme encrenca. Desesperado, o governador gaúcho só tem anunciado e praticado CALOTES.

ARRECADAÇÃO INSUFICIENTE

Como as atividades econômicas estão desaparecendo do RS, e a crise econômica do país impõe redução de consumo, a arrecadação é insuficiente para honrar a folha de pagamento dos servidores.

Como os governantes anteriores não fizeram a reforma previdenciária do Estado e, -atenção- o número de inativos que são suportados pelo Tesouro (leia-se PAGADORES DE IMPOSTOS) é superior ao número de funcionários ativos, o RS chegou ao ponto do esgotamento dos recursos.

FORA, INVESTIDORES!

Pois, mesmo diante desta caótica situação do Estado, que por si só já vem promovendo uma debandada de investimentos NOVOS e ANTIGOS, ontem os vereadores de Porto Alegre resolveram que na Capital do Estado não é permitida a existência de investidores de casas de espetáculo. Pasmem: por unanimidade, os estúpidos edis aprovaram a MEIA-ENTRADA para jovens entre 16 e 29 anos, de baixa renda. Pode?

 

COMO AFUGENTAR INVESTIMENTOS

Hoje, para mostrar o quanto está disposto a afugentar investimentos, o governador do RS ingressou com ação cautelar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir o bloqueio de contas do Estado aplicada quando não há o pagamento da parcela da dívida. 

Os vereadores de Porto Alegre, por sua vez, mostraram que além de estúpidos também são injustos. Sim, porque deveriam estender a tal de MEIA-ENTRADA para todos os habitantes da Capital. Mais:  deveriam propor 50% de desconto para tudo, desde restaurantes, taxis, etc., e, principalmente, IMPOSTOS MUNICIPAIS. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • CONSTRUÇÃO

    O índice de confiança da construção, elaborado pela FGV, ficou estável entre julho e agosto. Esse resultado sucedeu uma sequência de três quedas: -4,3%, em maio, -0,4%, em junho e -3,9%, em julho. No ano, o índice acumula queda de 25,7% e encontra-se no nível mais baixo da série, iniciada em julho de 2010. Em julho, a estabilidade do índice decorreu de movimentos opostos das avaliações em relação ao estado atual dos negócios (-0,9%) e das expectativas em relação aos meses seguintes (+0,7%). 

  • EUA BOMBANDO

    A primeira revisão do PIB dos EUA referente ao 2T15 se mostrou mais forte que o esperado, revisando a leitura inicial de expansão de 2,3% para 3,7% na variação trimestral anualizada. O mercado esperava revisão para 3,2%. O grande destaque da divulgação foi a revisão do desempenho do investimento privado bruto, que passou de +0,3% para +5,2% na mesma base de comparação, puxado, em grande medida, pelo maior nível de estoques. Outra conta que surpreendeu positivamente foi o gasto público, que foi revisada de +0,8% para +2,6%. 

  • MAIS IMPOSTO

    O pacote de medidas para o ajuste das contas públicas do Rio Grande do Sul vai além do aumento da alíquota do ICMS e deve pesar ainda mais no bolso de todos os gaúchos. Caso seja aprovada, a proposta de redução em até 30% no volume de benefícios fiscais de ICMS em relação ao que originalmente foi concedido traz risco concreto de o Estado perder ainda mais empresas. O alerta é do Instituto de Estudos Tributários.

     

  • VOLTA DA CPMF

    O governo federal, segundo informa a Veja, já admite a criação da CPMF para 2016. Como se vê, não é só o RS e Porto Alegre que estão fazendo força para afugentar investimentos. O Brasil Petista detesta crescimento econômico.

FRASE DO DIA

Fuja daqueles que lhe prometem um oceano, talvez acabe se afogando em suas águas.