Artigos Anteriores

EU APROVO O GOVERNO TEMER

ANO XIV - Nº 007/14 -

TAXA DE APROVAÇÃO

Li com muita atenção e interesse a pesquisa encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), na qual apenas 3% dos entrevistados consideram a gestão do governo Temer como ÓTIMA ou BOA. Vejam que no atual levantamento, se comparado com o anterior (julho), houve um aumento da reprovação.

SÓ PODE

Pelo resultado da pesquisa dá a clara impressão de que a grande maioria das 2 mil pessoas entrevistadas nos 126 municípios:

1- é composta por funcionários públicos;

2- foi fortemente influenciada pela mídia; e,

3- apresentou carteira ideológica comprovando ser petista ou assemelhado. Só pode.

OS ACERTOS NÃO AGRADAM

Sem entrar no mérito das denúncias que pesam contra Temer e seus assessores mais diretos, que nada têm a ver com as decisões econômicas que o governo vem tomando, fica muito claro que quanto mais o governo propõe medidas mais adequadas para o país, menor é a sua aprovação. Ou seja: governo que acerta não é aprovado. Pode?

ACOSTUMADO COM POPULISMO

Também fica provado, por A+B, que o povo brasileiro se acostumou com governos POPULISTAS. Como o presidente Temer já mostrou que é bem menos POPULISTA do que os anteriores, o preço que o seu governo está pagando por não ter este perfil é o altíssimo índice de DESAPROVAÇÃO. 

ESTOU NOS 3%

Pois, ao encerrar a minha cuidadosa leitura do levantamento, por questões de consciência devo dizer que faço parte do universo ínfimo dos 3% que aprova o governo Temer. Esta minha aprovação, por certo, não significa que esteja de acordo com todas as propostas apresentadas e/ou aquelas já aprovadas. Mas é inegável o quanto a maioria delas já fez bem a Brasil. 

MATRIZ BOLIVARIANA

Só o fato de ter abandonado a Matriz Econômica Bolivariana, que fez com que o nosso empobrecido Brasil ficasse bem mais distante da situação vivida pela Venezuela, já foi uma grande vitória do governo Temer. Isto, repito, já é motivo suficiente para obter a minha aprovação. Mais: a confiança na recuperação da economia é mera CONSEQUÊNCIA do sepultamento da Matriz Bolivariana do Atraso.  

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • QUE VENHA A CPI DOS PARCELAMENTOS!

    Eis um bom e esclarecedor conteúdo, produzido pelo pensador Darcy Francisco dos Santos, esclarecendo o que acontece nas contas públicas do RS, que leva o título acima: 

    A oposição quer uma CPI para entender as causas dos parcelamentos salariais, o que não há nenhum sentido, porque parcelamento salarial é tão ruim aos servidores e tão desgastante ao governo que, podendo pagar em dia, só um governante camicase o faria.

    A penúria das finanças estaduais é conhecida de todos e se agravou muito nos últimos anos. Mas, vamos aos fatos:

    Com o fim da hiperinflação em 1994, restou ao governo do Sr. Antônio Britto (1995-1998) financiar os déficits por meio de privatização. O governo Olívio, que lhe sucedeu, além dos excedentes de privatização recebidos, sacou do caixa único R$ 4,9 bilhões, em valores de hoje, sem posterior devolução, o que se tornou regra daí em diante.

    O governo seguinte, do Sr. Germano Rigotto, aumentou alíquotas do ICMS e sacou do caixa único, em montante atualizado R$ 2,9 bilhões. A seu favor pode ser dito que enfrentou as duas maiores secas das últimas décadas. Iniciou a renegociação da dívida extralimite, completada no governo seguinte, com grandes vantagens ao Estado.

    Seguiu-se o governo da Sra. Yeda Crusius, que utilizou R$ 2,5 bilhões do caixa único, somente em seu primeiro ano, para compensar a redução das alíquotas de ICMS, cuja manutenção lhe foi negada, além de ter contado com o produto da venda das ações do Banrisul. Com uma administração financeira séria e responsável e contando com o crescimento da arrecadação, decorrente do “boom das commodities”, praticamente eliminou os déficits.

    O governo seguinte, do Sr. Tarso Genro, recebeu o Estado praticamente sem déficit, com R$ 4 bilhões em depósitos judiciais e com 15% de margem de endividamento. Sacou do caixa único em valores de hoje R$ 8,9 bilhões, ultrapassou a margem de endividamento, ao contrair R$ 5 bilhões de empréstimos, e propiciou um crescimento da folha de pagamento de R$ 8,2 bilhões em valores da época, cujo percentual foi de 2,3 vezes o da inflação e 1,5 vezes o do crescimento da receita.

    Concedeu, ainda, reajustes salariais generalizados, muitos em altos percentuais até 2018, sem receita permanente para sua cobertura, conforme determina a lei de responsabilidade fiscal. A seu favor deve ser dito que fez tudo com aprovação unânime do parlamento.

    O atual governo recebeu o Estado com um déficit de R$ 5,4 bilhões, com um encargo previdenciário de 32% da RCL, em que 57,3% da folha são inativos e pensionistas. Vem se mantendo como a utilização de R$ 3,8 bilhões do caixa único, da cessão das contas dos servidores ao Banrisul, que lhe rendeu R$ 1,3 bilhão, e diversos outros ajustes, além da redução do serviço da dívida em 2016 (R$ 2,3 bilhões) e sua posterior eliminação, por liminar. Mas isso não é suficiente.

    Precisa aderir ao Plano de Recuperação Fiscal, que ainda não será a solução, mas é a única forma capaz de reduzir um déficit de R$ 6,9 bilhões para 2018, cuja receita necessária para cobri-lo chega a R$ 11 bilhões, devido às vinculações.

    O Estado é um doente em estado terminal. Sem o remédio, morre irremediavelmente. Com o remédio pode, a muito custo, se salvar. Não quero nem pensar na hipótese da não adesão ao plano federal, porque serão os que ganham menos os que mais sofrerão.

    Mas se há dúvida a respeito, então, que venha a CPI!

     

  • DESEMPREGO RECUA

    De acordo com a Pnad Contínua, a taxa de desemprego trimestral recuou de 12,8% em julho para 12,6% em agosto, queda um pouco mais forte que a esperada por nós (para 12,7%), mas em linha com o consenso do mercado. Esse foi o quinto mês consecutivo em que houve redução da taxa na margem. 

FRASE DO DIA

Nós temos um sistema que aumenta impostos sobre o trabalho e subsidia o não-trabalho.

Milton Friedman