Artigos Anteriores

ESPERANDO O ANÚNCIO OFICIAL

ANO XIV - Nº 007/14 -

A PARTIR DE 2013

Tão logo a presidente Dilma Rousseff anunciou, na véspera do Dia da Independência, que a conta de luz deve ficar mais barata para os brasileiros, o povo partiu feliz e confiante para curtir o feriadão. Mesmo sabendo que a redução esteja prevista para acontecer a partir do início de 2013.

MÁGICA DA REDUÇÃO

Pelo que foi informado, o governo pretende reduzir o preço da energia em 16,2%, em média, para os consumidores residenciais. E, para a indústria, o corte previsto pode chegar até 28%. Quero saber como vai funcionar a mágica da redução, mas isto só será revelado amanhã, por ocasião do anúncio oficial.

ELOGIO

Considerando que o governo não mostra o mínimo interesse, vontade e capacidade para fazer as necessárias reformas estruturais, só pelo fato de propor redução de impostos, como pretende para tornar a energia mais barata, já é um grande avanço. Merece até um elogio.

ESCÂNDALO

É lamentável que os governadores não se disponham a entrar na mesma onda do governo federal. Até porque o que mais contribui para o alto custo da energia consumida pelos brasileiros são as indecentes alíquotas de ICMS praticadas em todos os Estados. Algo próximo a 50% do valor das mesmas.

SAFADEZA

Dilma até lamentou esse desinteresse dos governadores, o que proporcionaria uma maior redução do custo. Não obteve sucesso, infelizmente, nem mesmo junto aos governantes do mesmo partido, ou de partidos aliados. Os mesmos que, mentirosamente, afirmam sempre que é bom para os Estados e Municípios que os escolhidos sejam do mesmo partido do (a) presidente. Pode?

DOIS PESOS...

Dilma, como já é sabido, tem sido severa nas suas críticas à iniciativa privada. Os bancos, por exemplo, tem sido os principais alvos porque não se mostram interessados em reduzir as taxas de juros, mesmo com a queda da Selic.No entanto, quando os governadores se recusam a reduzir o ICMS da energia, dos combustíveis e da telefonia, cujas alíquotas são absurdas e/ou escandalosas, aí a presidente é silenciosa e cheia de dedos.

TAXA DE JUROS

Aliás, com relação às altas taxas de juros, que o governo vive reclamando porque entende que os bancos não estão colaborando, pergunto: por que não propõe a redução do imposto de renda e do compulsório? Além de pagarem alíquota de IR superior ao das demais pessoas jurídicas, os bancos ainda são obrigadas a recolher altos depósitos compulsórios. Mais: também precisam bancar o cada vez mais elevado risco de inadimplência.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • METRÔ
    Cumprindo o cronograma de implantação anunciado, o prefeito José Fortunati lança hoje, às 14h, a proposta de manifestação de interesse para finalizar o projeto do Metrô de Porto Alegre. Em ato no Salão Nobre do Paço Municipal, serão apresentados os detalhes da etapa final de formatação do projeto, que será licitado no primeiro trimestre do ano que vem.
  • MODELAGEM FINANCEIRA
    Orçado em R$ 2,4 bilhões, o projeto do Metrô prevê investimento de R$ 600 milhões da prefeitura, R$ 300 milhões do governo do Estado e R$ 1 bilhão da União. O montante inclui ainda R$ 265 milhões em isenções de tributos municipais e estaduais e R$ 323 milhões originários de financiamento privado.
  • FRANÇA
    O presidente da França, François Hollande, só pensa em aumentar impostos. Resultado: a sua popularidade despenca. Dia após dia.
  • TÁ NA MESA
    O Tá na Mesa desta quarta-feira, 12, vai receber o presidente da FIERGS, Heitor Müller. Tema da palestra: O Brasil que queremos. O evento inicia-se às 12h, no Palácio do Comércio, no Centro de Porto Alegre.

FRASE DO DIA

A simplicidade é o último degrau da sabedoria.

Khalil Gibran