Artigos Anteriores

ECONOMIA BRASILEIRA: DE MAL A PIOR

ANO XIV - Nº 007/14 -

CERTEZA

Antes mesmo do encerramento do mês de abril (estamos apenas no 4º mês do ano), já existe uma clara e indiscutível certeza: o PIB brasileiro será negativo em 2015. O que ainda não se sabe é o tamanho do recuo.  

DESEMPENHO NEGATIVO

Quem acompanha as pesquisas feitas, semanalmente, pelo Boletim Focus, do Banco Central, já percebeu que, desde o primeiro dia deste ano a projeção que o mercado financeiro faz, quanto ao desempenho do PIB para 2015, mostra, a cada edição, um percentual negativo. Mais: sempre superior ao da semana anterior. 

FOCUS E CNI

Vale lembrar que nesta semana, mais precisamente na última segunda-feira, 20, por exemplo, o Boletim Focus informou que o mercado projeta uma queda de 1,01% para o PIB em 2015, enquanto que a CNI - Confederação Nacional da Indústria- projeta queda de 1,2% .



 

QUEDA DE 3%

Pois, da mesma forma com que vários institutos participam desse verdadeiro concurso de palpites e especulações sobre o comportamento da atividade econômica do país, faço aqui também a minha projeção:  a queda do nosso PIB deverá ser na ordem de 3% para 2015. Com margem de erro de 0,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.
 

SETOR INDUSTRIAL

Explico: neste ano, nem o Setor Agrícola conseguirá salvar a pátria da nossa pobre economia. Vejam que a CNI, depois de projetar, recentemente, uma alta de 1% de crescimento do Setor Industrial para 2015, resolveu rever a sua projeção: agora crê numa queda de 3,4%. Ou seja, aquilo que já ia mal deve ficar ainda pior.  

SETOR COMÉRCIO E SERVIÇOS

O Setor Comércio e Serviços, que tem segurando as pontas do PIB nesses últimos anos, graças, principalmente, a uma oferta descomunal de crédito acompanhada de uma taxa de câmbio baixa, o que levou muita gente ao consumo, já está enfrentando dificuldades notórias. O que nos leva a projetar também para esse Setor, números negativos para 2015 (e seguintes). 

SETOR PÚBLICO

Deve ser levado em conta que o Setor Público, que nada produz mas se apropria, de forma escandalosa, de tudo que é produzido no país, não está nem aí para o aperto. Ao contrário: a presidente Dilma, sancionou o Orçamento da União, para 2015, sem vetar a emenda adicionada no Congresso Nacional que aumenta o valor destinado ao Fundo Partidário de R$ 289 milhões para R$ 867,5 milhões. Pode?

Ora, por essa e por muitas outras que o governo já fez e continuará fazendo, não é difícil projetar que o comportamento da nossa cada dia mais pobre economia só tende a piorar. Só não percebe quem cobre os olhos para não ver, e os ouvidos para não escutar o que a voz rouca das ruas tem a dizer...   

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • BALANÇA COMERCIAL

    A balança comercial registrou déficit de US$ 240 milhões na terceira semana de abril, resultado de US$ 3,745 bilhões em exportações e de US$ 3,985 bilhões em importações. No acumulado do mês, a média diária das exportações apresenta queda de 25,7% ante abril de 2014.

    Pelo mesmo conceito, a média diária das importações registra recuo de 22,8%. Com isso, a balança comercial de abril apresenta déficit parcial de US$ 108 milhões, levando o déficit acumulado no ano para US$ 5,665 bilhões. 

  • CONFIANÇA

    Enquanto o Brasil padece pela falta de confiança, na Alemanha acontece o inverso: o índice ZEW de confiança do empresariado em relação à situação corrente avançou de 55,1 pontos em março para 70,2 em abril. O resultado se mostrou  acima do esperado pelo mercado, que esperava alta mais modesta, para 56,5 pontos.

  • PERDA DO SELO

    O número de companhias brasileiras com risco de perderem o selo de bom pagador –o chamado grau de investimento– da agência de classificação de risco Moody's mais que dobrou no primeiro trimestre, em relação aos últimos três meses de 2014.

    As notas dadas pelas agências de avaliação de riscos são usadas para balizar as decisões de investidores.
    Entraram na relação de "potenciais anjos caídos", nome dado pela agência às companhias Baa3 (última nota antes do grau especulativo) com perspectiva negativa ou em revisão para rebaixamento, cinco empresas: AES Tietê, Bandeirante Energia, Espírito Santo Centrais Elétricas, Energest (do setor elétrico) e a construtora Odebrecht.
    Em dezembro, eram Braskem, Eletrobrás e Sabesp (a lista considera apenas companhias não financeiras) (Folhapress).
     

  • CLUBE MISS RAND

    Neste sábado, 25, o Clube Miss Rand receberá o economista e pensador Igor Morais, Presidente da Fundação de Economia e Estatística do RS. Igor fará uma análise da atual conjuntura econômica do Brasil e os nossos desafios para o futuro. A entrada é franca!

    O evento deverá ocorrer no Auditório da ESPM.

    Mais informações: Evento no Facebook

FRASE DO DIA

Não são as ervas más que afogam a boa semente, e sim a negligência do lavrador.

Confúcio