Artigos Anteriores

É A HORA DE AGIR

ANO XIV - Nº 007/14 -

SEM SENTIDO

Volto a insistir: o desempenho da nossa economia, diante desta grave crise mundial, não suporta mais aquelas surradas manifestações de sentimentos de pessimismo ou otimismo. Isso não tem o menor sentido, assim como acender velas e rezar também não faz as coisas melhorarem.

COMPRAS SELETIVAS

Por ser muito preocupante, o momento atual está exigindo compreensão, frieza e muita ação. É preciso reconhecer que a redução das atividades é motivada pelo novo comportamento assumido pelos consumidores. Com muito medo e bastante cientes de que a euforia acabou, passaram a fazer compras bem mais seletivas.

NOVO DESEJO DE CONSUMO

Diante desta indisfarçável e pura realidade não adianta, repito, se dizer otimista para que as coisas comecem a melhorar. Sem ações que visem despertar um novo desejo de consumo nada acontece. E mesmo assim os riscos dos negócios serão, por algum tempo, bem mais elevados.

A CRISE É REAL

A notícia de hoje, de que o PIB do último trimestre de 2008 apresentou queda de 3,6% mostra que a crise é real. O número ruim do período simplesmente neutralizou o desempenho total de 2008, em que o crescimento do PIB chegou a 5,1% em relação ao ano anterior.

PASSADO

O que pode nos animar daqui para frente é o que ainda pode ser feito de bom a partir de abril. Até porque os números de 2008 já fazem parte do passado. Assim como os números do primeiro trimestre de 2009, quando o desempenho da nossa economia será igualmente negativo.

TRIBUTOS

A janela que permite uma correta visualização do nosso futuro descortina, com clareza, que todo sucesso possível depende de reformas que possam produzir uma decisiva redução de custos governamentais. Sem ações efetivas não há como esperar uma queda da carga tributária. Atenção: só pagaremos menos tributos quando houver uma reforma drástica na Previdência, na legislação Trabalhista e na simplificação tributária. Para começar.

DISCERNIMENTO

E, se possível, tentar alguma forma que permita haver uma redução do índice de corrupção, do desperdício e da burocracia. Sem estas mínimas atitudes não há como alguém ser otimista. A não ser que lhe falte um mínimo de discernimento.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • UNIVERSIDADE CORPORATIVA
    Os efeitos resultantes de uma nova economia mundial determinam a necessidade de aperfeiçoamento de produtos e serviços numa escala que, cada dia mais, se aproxima da perfeição. Como a Florense já trilhava esse caminho, agora dá um passo decisivo ao inaugurar, neste mês, uma ferramenta para manter-se na vanguarda: a Universidade Corporativa Florense. O objetivo: capacitar ainda mais os colaboradores de sua rede internacional de franquias. A UCF funcionará pelo sistema de ensino a distância, cobrindo simultaneamente todas as lojas da rede, e sua atuação será permanente, para manter as condições de excelência no atendimento e garantir sempre produtos e serviços de alta qualidade. Parabéns. Isto é atitude.
  • NOTA DE RISCO
    A agência de classificação de risco Moody´s alterou a perspectiva da nota de risco da dívida sênior de longo prazo do Grupo HSBC (Aa2) de ESTÁVEL para NEGATIVA. Além disso, a nota de solidez financeira do banco HSBC foi cortada de B para C+. A avaliação de risco para títulos de dívidas e depósitos da instituição financeira também foi reduzida, de Aa1 para Aa2.
  • REDUÇÃO DE SALÁRIO
    A crise financeira quebra mais um tabu na Europa, com governos começando a reduzir o salário de funcionários do setor público. A medida poderá ser seguida por outras regiões se a crise se agravar, concordavam ontem alguns economistas em Basileia, à margem de reuniões de bancos centrais. Isto é atitude.
  • CURSO
    Transformar o conteúdo apresentado pelo vendedor em resultados concretos é o objetivo do curso: Técnicas de Apresentação para Vendas, que a ADVB/RS promove de 17 a 19/03, das 19h às 22h33, na sede da entidade, em Porto Alegre.

FRASE DO DIA

A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida.

Eduardo Girão