Artigos Anteriores

DAY AFTER

ANO XIV - Nº 007/14 -

A PROMESSA DOS DERROTADOS

Ainda que a maioria do povo brasileiro esteja festejando a importante VITÓRIA contra o NEOCOMUNISMO que sob o comando do PT estava vigorando a pleno no nosso empobrecido Brasil, o fato é que os DERROTADOS, como declararam no domingo à noite, prometem que farão de tudo para inviabilizar e/ou dificultar o governo Bolsonaro.

PODER

Na realidade, é bom que fique bem claro que a eleição de Jair Bolsonaro deve ser vista, por ora, como uma FIRME VONTADE de tirar o PODER das mãos, pés e mentes das FORÇAS COMUNISTAS que, sabidamente, se apoderaram praticamente das mais variadas instituições, empresas estatais e corporações do nosso empobrecido Brasil.

MEIOS DE COMUNICAÇÃO

Começando pela mídia, onde centenas de colunistas dos maiores meios de comunicação, que jamais esconderam a enorme paixão que nutrem pelo SOCIALISMO, deram a entender que pouco importa o resultado das urnas: a ordem é continuar portando as bandeiras ideológicas dos DERROTADOS.

REFUNDAÇÃO DO BRASIL

Ontem, no DAY AFTER, por mais que as urnas atestaram que Jair Bolsonaro foi eleito de forma flagrante e estritamente DEMOCRÁTICA, os mesmos meios de comunicação que estiveram sempre ao lado do PT e assemelhados deram a entender que não estão dispostos a engolir esta vontade -explícita- dos eleitores que votaram a favor de uma urgente e pretendida REFUNDAÇÃO DO BRASIL.

ANÁLISE

Esta grossa turma de comunicadores -doentes-, que não aceita a vontade da maioria dos eleitores, antes de se manifestar a favor dos DERROTADOS deveria ler, várias vezes ao dia, a análise, publicada no Estadão de ontem e replicada no meu editorial anterior, que diz o seguinte: 

- Entre os 1000 municípios com os maiores IDH do País, Bolsonaro venceu em 967. Haddad, por sua vez, conquistou apenas 33. Já nas 1000 cidades menos desenvolvidas, Haddad ganhou em 975 e Bolsonaro em 25. Ou seja, o PT se alimenta da POBREZA.

STF

Outra instituição que de forma indisfarçável mostra que tem lado, e que através de seu presidente, Dias Toffoli, também deixou claro que não pretende mudar, é o STF. Com cara de poucos amigos (na realidade só tem amigos petistas) Toffoli disse, no domingo a noite, que Bolsonaro deverá respeitar a DEMOCRACIA E/OU A CONSTITUIÇÃO. Algo que o próprio STF não cumpre. Pode?

MENOS IGUAIS

Vejam que na Constituição está escrito, no Artigo 5º, que "todos são iguais perante a lei". E mesmo assim, o que mais se vê, de forma intocável e lamentável, protegidos pelo STF, são PRIVILEGIADOS que vivem e se esbaldam as custas dos eternos MENOS IGUAIS. Pode?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • PNAD CONTINUA

    De acordo com a Pnad Contínua, a taxa de desemprego trimestral recuou de 12,1% em agosto para 11,9% em setembro, em linha com a nossa expectativa e com a do mercado. Quando consideramos os dados dessazonalizados, a taxa recuou de 12,1% para 12,0% no período.  Em linhas gerais, os dados da Pnad revelaram a manutenção de uma situação um pouco mais favorável do mercado de trabalho, muito baseada no emprego informal.

  • IGP-M

    O IGP-M desacelerou para +0,89% em outubro, resultado que ficou abaixo da expectativa do mercado. O destaque da desaceleração ficou por conta dos preços ao produtor (IPA), que passou de +2,19% no mês anterior para +1,11% em outubro, impulsionado tanto pelo recuo dos preços agropecuários (de 2,09% para +0,29%) quanto pela desaceleração preços de produtos industriais (de +2,22% para +1,38%). O IPC, índice de preços ao consumidor, por outro lado, avançou de +0,28% para +0,51% em outubro, com cinco dos oito grupos componentes apresentando taxas maiores que na leitura anterior, com destaque para o grupo Alimentação (de +0,01% para +0,70%). Por fim, o INCC, que mede os preços da construção civil, registrou variação de +0,33% no mês, ante alta de +0,17% em setembro. Com isso, a variação acumulada do IGP-M no ano é de +9,25% (+10,79% em doze meses).

FRASE DO DIA

Não há excesso de liberdade se aqueles que são livres são responsáveis. O problema é a liberdade sem responsabilidade.

Milton Friedman