Artigos Anteriores

CRESCIMENTO PÍFIO

ANO XIV - Nº 007/14 -

ESCREVENDO A MESMA COISA

Os leitores/assinantes do Ponto Crítico são testemunhas do quanto eu gastei a ponta dos dedos escrevendo no teclado do meu computador, ao longo dos últimos dez anos, para dizer sempre a mesma coisa: que o Brasil não teria como apresentar crescimento econômico além de pífio. Como se vê acertei na mosca, mesmo a contragosto.

CAIU A FICHA?

Já o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que até agora só desancou o pau em quem dizia que o país não cresceria acima de 4% ao ano, nos últimos anos, admitiu, finalmente, que vai reduzir a previsão de crescimento para o ano ? atualmente em 3,5%. Mesmo que a projeção seja revisada para baixo, o comunista não vai dar o braço a torcer: vai continuar dizendo que o PIB vai crescer mais do que o mercado acredita.

ROTINA

Aliás, até parece que Mantega não lê nem mesmo o Boletim Focus, do Banco Central, que ao longo desse mesmo período só tem feito uma tarefa pra lá de rotineira: publicar, semanalmente, uma projeção de crescimento cada vez MENOR, do PIB; e um crescimento MAIOR da INFLAÇÃO.

NOTÍCIAS DECEPCIONANTES

Assim, ao longo do tempo só tem saído notícias decepcionantes sobre o desempenho econômico do Brasil. E na semana passada, para confirmar este tristeza, o IBGE informou que no primeiro trimestre, o crescimento foi de apenas 0,6%. Com isso nem mesmo a expectativa de um crescimento de 3%, considerada a mais pessimista por parte do governo, pode se confirmar.

SEM COMPETITIVIDADE

E para coroar a má administração deste governo petista-equivocado, o Brasil caiu para 51º lugar, entre 60 países, numa classificação anual de competitividade, publicado pelo Centro de Competitividade Mundial do IMD, uma das melhores escolas de gestão da Europa. Só no último ano foram cinco posições. E, desde 2010, quando ocupava a 38ª colocação, a queda foi abissal: 13 posições. Ou seja: é declínio puro.

FELICIDADE E TRISTEZA

Por aí é possível entender o que faz um povo ser mais feliz e outro menos feliz. O ranking que compara os 34 membros da OCDE ? na maioria nações desenvolvidas ? e dois chamados de -parceiros-chave-, caso do Brasil e Rússia, diz tudo.

INDEX DE VIDA

Austrália, Suécia, Canadá, Noruega e Suíça estão no topo da lista dos países com -Index da Vida Melhor. Felicidade, em outras palavras. A comparação foi feita com base em onze critérios, tais como renda, saúde, segurança e moradia. Pois, segundo a OCDE, o povo brasileiro é feliz. Sabem, no entanto, por quê? Porque desconhece o que acontece no Brasil. A ignorância faz do brasileiro um povo feliz. Que tal?

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • MAIS ROMBO NA PREVIDÊNCIA
    O déficit do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), sistema público de previdência que atende aos trabalhadores do setor privado no país, ou RGPS-, somou R$ 6,18 bilhões abril deste ano, com alta de 8,5% frente ao mesmo período do ano passado, informou hoje, 6, o Ministério da Previdência Social. De janeiro a abril deste ano, ainda de acordo com dados oficiais, o déficit da Previdência Social totalizou R$ 21 bilhões, com crescimento de 28% frente aos quatro primeiros meses de 2012 (R$ 16,4 bilhões). Os números foram todos corrigidos pelo INPC. Isto que aí não está incluído o ROMBO DA PREVIDÊNCIA DO SETOR PÚBLICO.
  • FALP
    Nos dias 11,12 e 13 de junho, o município de Canoas, no RS, vai receber prefeitos, gestores públicos, instituições, pesquisadores e lideranças de mais de 200 cidades das Américas, Europa, Ásia, Oriente Médio e Continente Africano para debater no 3º Fórum Mundial de Autoridades Locaisde Periferia (FALP) o tema Direitos e Democracia para Metrópoles Solidárias e Sustentáveis. Pela primeira vez, o FALP será realizado no Brasil. A primeira edição foina França e a segunda na Espanha.
  • IGP-DI
    O Índice Geral de Preços ? Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,32%, em maio, taxa superior à registrada em abril, de -0,06%. Em maio de 2012, a variação foi de 0,91%. A variação acumulada em 2013, até maio, é de 1,08%. Em 12 meses, o IGP-DI registrou alta de 6,20%. Os três componentes do IGP-DI apresentaram as seguintes trajetórias, na passagem de abril para maio: IPA, de -0,39% para 0,01%, IPC, de 0,52% para 0,32%, e INCC, de 0,74% para 2,25%.

FRASE DO DIA

O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.

Aristóteles