Artigos Anteriores

COTAÇÃO DO DÓLAR COM LULA

ANO XIV - Nº 007/14 -

DÓLAR LULA

Li, recentemente, um artigo informando que vários analistas do mercado financeiro veem o preço do dólar se elevando fortemente, frente ao real, podendo alcançar cotação entre R$ 4,00 e R$ 6,00, se Lula estiver perto de ser eleito, mais uma vez, presidente do nosso empobrecido Brasil.

2002

Pois, para complementar o que dizem os analistas, proponho uma comparação com o que aconteceu  em 2002,  quando Lula foi eleito presidente pela primeira vez. Naquele momento, vale lembrar, a cotação do dólar bateu nos R$ 4,00 e por ali ficou até que Lula, contrariando os seus apoiadores diretos, resolveu manter o tripé que produziu êxito ao Plano Real (meta de inflação, câmbio flutuante e responsabilidade fiscal).

FORO DE SÃO PAULO

Pois, o que precisa ser considerado é que poucos brasileiros sabiam que Lula, junto como seu companheiro Fidel Castro, liderava a organização comunista -Foro de São Paulo-. Assim, simplesmente deram às costas para o PROGRAMA/CARTILHA- que continua sendo cuidadosamente aplicado nos países-membros do Foro de São Paulo. 

MAIS CONHECIDO

Hoje, no entanto, ainda que a mídia aberta continue escondendo o mal que produziu a famigerada -Matriz Econômica Bolivariana-, criada e desenvolvida nos laboratórios do FSP, o fato é que Lula, além dos crimes de corrupção e tantos outros que comprovadamente cometeu, é reconhecido como defensor e apoiador do governo comunista da Venezuela, da Coreia do Norte, de Cuba, etc.. 

CHEFE DA QUADRILHA

Portanto, se Lula ainda se mostrava como uma certa incógnita em 2002, a partir do momento em que foi deflagrada a Operação Lava-Jato, em 17 de março de 2014, pela Polícia Federal, o ex-presidente Lula ganhou destaque nacional e internacional como o CHEFE DA QUADRILHA do maior caso de corrupção do nosso universo.

BOLÍVAR VENEZUELANO

Fica evidente, por todas as formas de raciocínio e análise, que com Lula novamente eleito presidente do Brasil, a cotação do dólar não deve ficar apenas entre 4 e 6 reais, como prognosticam os analistas consultados. No meu entender, pelo já conhecido currículo de Lula, a cotação da moeda americana tende ao infinito. Algo parecido com o que acontece com o bolívar venezuelano. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • O HOLODOMOR NÃO PODE SER ESQUECIDO

    No quarto sábado do mês de novembro, a Ucrânia e as comunidades ucranianas implantadas em diversos países de acolhimento prestam homenagem às vítimas do genocídio conhecido como HOLODOMOR. 

    O termo HOLODOMOR deriva da expressão ucraniana (moryty gholodom), tendo como raiz etimológica as palavras holod (fome) e moryty (matar através de privações, esfaimar), significando por isso "matar pela fome". O termo teria sido utilizado pela primeira vez pelo escritor Oleksa Musienko, num relatório apresentado à União dos Escritores Ucranianos de Kiev, em 1988.

    Para que jamais caia no esquecimento este brutal crime cometido contra o povo da Ucrânia, e  que permaneceu em segredo até o final da década de 80, tornando-se público apenas com o fim da URSS, a pensadora Fernanda Barth, no ano do centenário da Revolução Russa, se esforçou para trazer a Porto Alegre uma Exposição Documental, que acontecerá na sede da ADVB-RS, de 5 a 15 de dezembro. 

    A abertura da Exposição será às 19h30 do dia 5/12, na sede da ADVB-RS, com uma palestra de Percival Puggina sobre o centenário da Revolução Russa;  logo após, o organizador da mostra, Padre Domingos Starepravo, fará a apresentação dos fatos históricos.  

    A exposição é uma mostra do que os regimes comunistas realmente pregam: a extinção de todos aqueles que pensam diferente e que não se submetem. A história do povo Ucraniano, rico em sua cultura e costumes, é a prova disto.

    Diversas vezes invadida durante o regime comunista, a Ucrânia se mantinha altiva, preservando sua língua e costumes. Isto era visto como algo muito perigoso - a manutenção do sentimento nacionalista - dentro do bloco homogêneo criado pelo terror soviético.

    Os fatos foram se sucedendo desde Lênin até Stalin, até que chegou o momento em que, entre 1932 e 1933, após terem destruído com todas as propriedades rurais deste povo e levado embora todo alimento que eles tinham, submeteram 7 milhões de pessoas a um cerco de morte por fome. Era preciso destruir a Ucrânia e seu campesinato, que se tornavam símbolos da resistência.

    Este é sem dúvida um dos maiores crimes comunistas de todos os tempos. Deve ser lembrado, todo ano, para que ninguém esqueça que a diferença, a resistência, o indivíduo e a independência são inconcebíveis em quaisquer regimes comunistas.

  • CONFIANÇA

    O índice de confiança do comércio, calculado pela FGV, recuou 0,1 ponto entre outubro e novembro, para 92,4 pontos. Tal movimento representou uma acomodação após forte avanço observado em setembro e em outubro, com o índice atingindo o maior patamar desde agosto de 2014. A abertura do resultado de novembro mostrou avanço de 0,7 ponto na avaliação das expectativas, para 99,9 pontos, contudo, a avaliação da situação atual recuou 0,8 ponto, para 85,4.

    O índice de confiança do consumidor, também elaborado pela FGV, registrou alta de 3,1 pontos entre outubro e novembro, para 86,8 pontos. Essa elevação fez o índice atingir seu maior patamar desde outubro de 2014. A alta foi puxada tanto pelo componente que mede a situação atual (de 73,2 para 74,5 pontos), quanto pelo componente de expectativas (de 91,1 para 91,8 pontos).

  • PERDAS NA POUPANÇA

    A indenização que será paga aos clientes por perdas geradas por diversos planos econômicos adotados nas décadas de 1980 e 1990 terá valor total mais próximo de R$ 10 bilhões, segundo fonte ligada às negociações entre bancos e poupadores. O acordo deverá ser submetido ao STF na próxima semana.

    Poupadores começaram a cobrar indenização na Justiça em 1993, quando foram ajuizadas as primeiras ações civis que pediam reparação por perdas geradas pelo Plano Verão. Clientes questionavam o procedimento adotado pelos bancos para remunerar as cadernetas após o anúncio dos planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor I (1990) e Collor II (1991). A cada pacote de medidas para tentar controlar a inflação, havia mudança na remuneração das cadernetas e muitos clientes acabaram sendo prejudicados com remuneração abaixo do devido. 

FRASE DO DIA

Decisões têm consequências. Indecisões, mais ainda.

Frank Underwood