Artigos Anteriores

CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO

ANO XIV - Nº 007/14 -

PONTE DO GUAÍBA

O povo do Rio Grande do Sul, com toda razão, entrou em estado de euforia quando a presidente Dilma anunciou, na semana passada, o início imediato das obras de construção da nova Ponte do Guaíba (depois de 20 anos de atraso).

INICIATIVA PRIVADA

O que mais chama a atenção é que grande parte desses mesmos gaúchos que entraram em euforia aceitaram, passivamente, que para construir pontes e estradas a iniciativa privada é importante. Entretanto, para fazer a manutenção das mesmas, aí a iniciativa privada não serve. Mais: é demonizada. Pode?

CURIOSO

O mais curioso é que brasileiros em geral não enxergam que onde o governo está metido, as administrações se dividem em incompetentes e corruptas. Em muitos casos, ambas. Vejam, por exemplo, que nos balanços das estatais, principalmente sob a batuta do PT, o que mais existem são rombos. Deixando a Petrobrás de lado, por ser -hors concours- eis os seguintes, divulgados na semana passada:

INFRAERO E ELETROBRÁS

INFRAERO - A estatal aeroportuária registrou perdas de 1,224 bilhão de reais em 2013. ELETROBRÁS - Já a Eletrobrás reportou prejuízo líquido de R$ 6,287 bilhões em 2013, o que representa um recuo de 8,6% sobre o resultado negativo de R$ 6,879 bilhões reportado em 2012. Que tal?

ROUBADA PETISTA

Como estamos em ano de eleições vale lembrar que o governador do RS, Tarso Genro, classificou de ROUBADA a decisão de realizar a Copa do Mundo no Brasil. Ora, não há roubada maior neste mundo do que o PT, partido de Tarso, está fazendo com as estatais do país. Começando pela CEEE, que de forma equivocada ainda é considerada uma empresa de energia.

REVOLUÇÃO DE 1964

Pela enxurrada de informações que a mídia brasileira está publicando a respeito do -Golpe de 1964-, qualquer argumento que tenha como propósito explicar as causas que levaram àquele movimento é tido, imediatamente, como inútil e/ou considerado como favorável ao estado ditatorial.

A DITADURA PRETENDIDA

Entretanto, mesmo que sempre devam ser fortemente condenadas, tanto a forma quanto o tempo que os militares levaram para o restabelecimento da democracia, uma coisa estou pra lá de convencido: o pedido feito pelo povo brasileiro, para que as Forças Armadas impedissem que, à época, o Brasil fosse transformado numa ditadura comunista, foi atendido. Portanto, o que preocupa é que enquanto somos levados a lembrar do -GOLPE-, e não do CONTRA-GOLPE e da condução equivocada dos militares, que passaram a gostar do Poder, o Brasil está, atualmente, prestes a abraçar a mesma ditadura que os militares impediram em 1964.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • FOCUS
    A pesquisa Focus informa: IPCA: nos próximos doze meses recuou para 6,14% (de 6,20% no relatório anterior). A projeção para o IPCA no final de 2014 subiu para 6,30% (de 6,28%) e para o final de 2015 ficou estável em 5,80%. CÂMBIO: a expectativa para o final de 2014 recuou de R$ 2,49/US$ para R$ 2,46/US$, e permaneceu estável para o final de 2014 em R$ 2,55/US$. PIB: A projeção para o crescimento do PIB em 2014 e em 2015 permaneceu praticamente estável em 1,69% e 2,00%, respectivamente. SELIC: a taxa Selic ao final de 2014 e de 2015 permaneceram inalteradas em 11,25% e 12,00%, respectivamente
  • CONFIANÇA
    O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) apresentou desempenho desfavorável no trimestre findo em março, ao registrar queda de 2,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. O resultado indica uma diminuição relativa da confiança do setor uma vez que as variações interanuais trimestrais haviam sido de -1,6% e -1,2% em janeiro e fevereiro, respectivamente.
  • PRÊMIO EXPORTAÇÃO
    O presidente da Bunge vai debater A Eficiência e a Competitividade da Atividade Exportadora no Brasil em 3 de abril (quinta-feira), durante almoço no Hotel Sheraton Porto Alegre. Logo após, participa de talk show ao lado do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil ? AEB, José Augusto de Castro. Na ocasião, será lançado a 42ª edição do Prêmio Exportação RS.
  • COPA
    O Brasil tem pouco a ganhar sediando a Copa do Mundo, comenta a Moody?s em relatório divulgado hoje. Para a agência de classificação de risco, o torneio serve para dar mais visibilidade ao país e às marcas de empresas patrocinadoras, mas os benefícios em dinheiro provavelmente serão tímidos perto do PIB nacional.O impulso econômico projetado pelo evento é de R$ 25,2 bilhões. A instituição argumenta que a cifra é pequena não só perto do tamanho da economia brasileira, como da receita anual das companhias envolvidas. Os investimentos projetados representam também pouco ante os gastos com infraestrutura estimados para o país. (Valor)

FRASE DO DIA

A ESTATÍSTICA É O ORÇAMENTO DAS COISAS.

N. Bonaparte