Artigos Anteriores

COMO CONSTRUIR UMA DÍVIDA ESTRUTURAL

ANO XIV - Nº 007/14 -

EXEMPLO OPORTUNO

Ontem, fiz referencia à decisão corajosa de Lula por ter vetado o aumento dos servidores do Legislativo. Hoje, estou mostrando o que representam tais aumentos na formação das dívidas estruturais na União, Estados, e Municípios. Vejam o exemplo do RS: O governador Rigotto identificou o problema do Estado como estrutural, quando insistiu e obteve a lamentável aprovação do aumento do ICMS para a telefonia, combustíveis e energia.

CORAGEM OU COVARDIA

Agora, na expectativa de obter, junto ao STF, a chance de poder vetar o aumento dos servidores do Judiciário gaúcho em 8,9%, que acabaria conquistado pelos demais Poderes, Rigotto está diante de um novo problema estrutural. E ele precisa se decidir. Se for corajoso, vetando o aumento, evita o crescimento estrutural da dívida do Estado. Se, ao contrário, preferir se acovardar, estará dizendo ao povo gaúcho que novos aumentos de impostos serão necessários para enfrentar mais uma questão estrutural, endossada por ele mesmo. Este é o problema grave vivido pela União, Estados e Municípios. Ou passamos a ter coragem ou gostamos de impostos. A sociedade quer entender.

DEFININDO O CUSTO

Muita gente já está convencida de que o Brasil é mesmo um país caro demais para seus habitantes. Mas, a grande maioria do nosso povo não conseguiu perceber qual é este custo e qual o preço que paga para manter as Instituições, que estão inseridas nos Poderes constituídos. O custo do Poder Executivo, que tem o Presidente da República à sua frente, é aquele que ainda assim tem suas despesas mais divulgadas. Que não são poucas e muitas nem tão corretas. A ponto de nos deixarem sempre de cabelo em pé.

COMPARAÇÃO LÓGICA

O custo do Poder Legislativo é aquele que passou a ser conhecido, embora de forma mais restrita, pelos absurdos ganhos dos deputados e senadores. Que é monstruoso e vem se tornando motivo suficiente para explicar o tamanho da informalidade e da criminalidade no país. Afinal, na mesma velocidade com que os parlamentares avançam no nosso bolso, muita gente aproveita o exemplo, não suporta o custo, e avança também no bolso dos cidadãos mais certinhos, aqueles que ainda estão pagando impostos. Ou seja, a forma de ganho é diferente, mas os princípios que regem a obtenção das vantagens são os mesmos. Ambos, no entanto, muito injustos.

O PRIVILEGIADO

O Poder Judiciário, por final, é aquele que todos entendem como o mais privilegiado de todos. Ninguém desconhece que seus representantes desfrutam de enormes e injustificados benefícios e privilégios. Aí, a parada é dura e complicada. Vejam, a sociedade paga, por ano, mais de 19 bilhões de reais para manter o Judiciário. E mesmo assim, 60% dos processos que chegam lá, não são julgados. Em outras palavras: pagamos por 100, recebemos serviços que representam 40. Mas com custo de 300. Um horror. Mais: não é por falta de juízes, como muitos se acostumaram a ouvir até agora. Ao contrário. Tem mais do que é recomendável, segundo as Nações Unidas. Tudo isto foi confirmado pelo próprio presidente do STF.

BASTA

Com todas estas informações, cada vez mais transparentes, e ao alcance dos brasileiros, só uma ignorância muito aguda faz com que haja tanto silêncio. Em qualquer vilarejo deste mundo as coisas já teriam tido um basta. De muitas maneiras.

A SOCIEDADE CONDENA

Aqui no Brasil, basta que seja aberto um caminho para a investigação de qualquer pessoa e, pronto: o coitado já está praticamente condenado. Investigação é sinal de culpa. E, depois de investigado,se for considerado inocente, ainda assim vai pairar muita desconfiança. Em suma: ele pode ser considerado inocente pela Justiça, mas é culpado pela sociedade. Tal qual já está acontecendo com o ex-presidente do Grêmio Foot-Ball Portoalegrense, José Alberto Guerreio, no episodio ISL. A honra dele já está enxovalhada, antes mesmo da defesa. Que, pelo visto, vai surpreender.

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • TLANTIC
    Poucas empresas brasileiras conseguem alcançar, em tão pouco tempo, a certificação de nível 2 do CMMI, criado pelo Instituto de Engenharia de Software da Universidade de Carnegie Mellon dos EUA. A Tlantic - Sistemas de Informação é uma delas. Criada em 2004, a Fábrica de Software segue o espírito empreendedor do Grupo Sonae. Presta serviços e desenvolve produtos/software a partir deknow-how brasileiro para a exportação de tecnologia à europa. Com sede no Tecnopuc - Parque Tecnológico da Pontifícia Universidade Católica/RS -, em Porto Alegre, a Tlantic busca a integração empresa/universidade, visando uma sinergia entre os conceitos acadêmicos e o acesso a recursos profissionais altamente qualificados.
  • OYSTERBOX
    Hoje, 13, e amanhã, sábado, a pedida é saborear a Bouillabaisse à Oysterbox, com pão da Barbarela, e com os vinhos da nova carta preparada pela Vinhos do Mundo. E na sexta e nos sábado,o Oysterbox estará aberto até a meia noite. As reservas podem ser feitas pelos fones 9912 9404 ou 3028 9118. Barão de Santo Ângelo, 166 - Moinhos de Vento. Faltou a Internet, meu caro Rogério.
  • COLÓQUIO
    Instituto Liberdade do RS (IL/RS) realiza amanhã, 14, o Colóquio ? Metamorfose da Cultura Liberal?, que acontecerá das 8h45 às 13 horas, no Centro de Convenções do Meliá Trip Porto Alegre Hotel, rua Comendador Caminha, 42, em Porto Alegre.
  • CONGRESSO
    A Associação Brasileira de Recursos Humanos, seccional RS (ABRH-RS) e pela ARH Serrana realizam, de segunda a quarta-feira, 16, 17 e 18 de maio, a 2ª edição do Congresso Gaúcho de Recursos Humanos ? CONGREGARH, no Centro de Eventos da PUCRS (Av. Ipiranga, 6681 ? Prédio 41, em Porto Alegre. O Congresso visa apresentar os mais recentes paradigmas na área de desenvolvimento humano nas organizações, com a participação de palestrantes de renome nacional e internacional. A conferência tomará por base a obra do sociólogo Gilles Lipovstsky e terá formato de uma reunião multidisciplinar, com a participação de diversos grupos e coordenadores de debates.

FRASE DO DIA

A ARTE DE VENCER SE APRENDE NAS DERROTAS.

Confúcio