Artigos Anteriores

COM A PALAVRA OS PENSADORES

ANO XIV - Nº 007/14 -

PENSAR+

Antes de tudo faço um esclarecimento: a grande tarefa dos integrantes do PENSAR+ é a produção e difusão de conteúdos que, de forma simples, objetiva e, principalmente, sem ranço ideológico, estabeleçam uma correta distinção entre CAUSA e CONSEQUÊNCIA dos males que atingem o nosso pobre país.

 

 

FARTA PRODUÇÃO

Como a produção de conteúdos tem se mostrado acima das expectativas, mesmo contando com as importantes redes sociais para difundi-los, muitos textos que reputo como importantes deixam de ser lidos.

Assim, como membro do Pensar+, nesta semana de preparação para a 2ª Manifestação de Rua, marcada para o próximo domingo, 12 de abril, que, de forma magnífica e expressiva deve superar a do dia 15 de março, me propus a publicar conteúdos assinados por alguns pensadores do nosso grupo. Quem abre a semana é o texto do  Professor Paulo Moura, que julgo muito oportuno. Eis:   

COMO LEVAR MAIS POVO ÀS RUAS EM 12/4

- Formou-se consenso entre atores e observadores da cena política nacional de que as manifestações programadas para 12 de abril próximo servirão de indicador decisivo para o futuro do governo Dilma. Se o público que for às ruas nessas datas for expressivamente mais amplo do que já o foi em 15 de março passado, mais um passo decisivo, talvez o derradeiro, será dado na direção da abertura do processo de impeachment da presidente.

Para os defensores do impeachment, portanto, aumentar a quantidade de povo nas ruas é a missão número um. Como fazer isso?

MAIOR DO QUE O DOBRO

Antes de qualquer coisa, convém observar que o número de pessoas que já confirmaram presença nos eventos locais convocados pelo Facebook, em várias das principais cidades, já é maior que o dobro daqueles que haviam confirmado presença, em período de tempo equivalente de divulgação das manifestações de 15/3. Cresceu, também, o número de cidades novas em que há eventos marcados.
 

PÚBLICO ADJACENTE

Há um público adjacente ao que foi às ruas em março, que deixou de comparecer por medo das ameaças de Lula e do MST de usar a violência contra os manifestantes. O rotundo fracasso das manifestações petistas e o caráter ordeiro e pacífico das manifestações contra o governo serviu de incentivo para a ida às ruas de mais gente em 12/4.

FAIXA ETÁRIA

A primeira descoberta é de que os manifestantes de 2015 são de outra faixa etária, cerca de 13 anos mais velhos, em média, do que os manifestantes de junho de 2013. Os jovens de 2013 eram, também, mais antipartido e menos inseridos no mercado de trabalho. Mas, há vasocomunicação entre os públicos, devido ao perfil de classe média de ambos, o que possibilita a influência dos que foram às ruas em 2015 sobre os que foram em 2013.

FOCO

Em 2013 as pautas eram difusas, mas Dilma cometeu o erro de chamar a si a reposta às ruas, colocando-se no centro do alvo. A recente campanha eleitoral, o estelionato político patrocinado por Dilma e a crise econômica, política e moral em que o país mergulhou, contribuíram para dar foco antigoverno às manifestações de 2015.

E, é justamente a crise econômica que oferece aos manifestantes de 15 de março a oportunidade de atrair para as ruas os segmentos populares que estão insatisfeitos com as consequências da crise sobre seus bolsos, e que não foram às ruas antes. As pesquisas de opinião recém publicadas sugerem, dado o grau de rejeição à Dilma, que esses novos contingentes poderão ser mobilizados para 12 de abril.

COMUNICAÇÃO

A chave aqui é a comunicação. Será preciso, aos mobilizadores de abril, agregar conteúdo econômico às convocatórias. Associar a inflação, o aumento do desemprego, a abaixa qualidade dos serviços públicos, os cortes nos programas sociais (foco nos estudantes excluídos do FIES) e demais maldades patrocinadas por Dilma, à roubalheira na Petrobras, como custo transferido ao bolso do trabalhador por Dilma e pelo Partido dos Trabalhadores.

Esse é um atalho cognitivo de fácil compreensão para qualquer um. Para além do Facebook, esse tipo de mensagem terá que ser levado às periferias urbanas em panfletos criativos para serem distribuídos nos transportes públicos nos horários de pico, quando o povão estiver voltando para casa, cansado do trabalho em ônibus e trens abarrotados.

Além do número de gente nas ruas, a mídia usou como indicador de força das manifestações de março, o número de cidades em que elas aconteceram. Incentivar a criação de eventos no Facebook convocando o povo às ruas no maior número de cidades possível é outra tarefa central dos mobilizadores de abril.

A conjuntura está a favor. A crise econômica recém está começando e suas consequências se farão sentir ao longo do ano, evoluindo em sua gravidade em proporção e velocidade exponenciais. Paralelamente, a crise política avança a passos rápidos para um quadro de crise institucional. Não há perspectiva de que a presidente Dilma adquira capacidade pessoal de mudar a si mesma para inverter a espiral negativa que sua conduta desastrada estimula. Dilma está em conflito, com Lula; Dilma está em conflito com o PT; Dilma está em conflito com o PMDB; Dilma está e conflito com povo.

O PMDB, por seu turno, percebeu que o jogo de Dilma e dos petistas é para destruí-lo e passou a travar uma luta de vida ou morte contra o PT. A CPI da Petrobras é a arena central dessa luta, e o PMDB controla a comissão, sentando um por um dos corruptos petistas na vitrine inquisitorial, e impedindo o PT de convocar os envolvidos dos demais partidos. A requisição das gravações das reuniões do Conselho de Administração da Petrobras na época da compra da refinaria de Pasadena revela que os peemedebistas estão em busca do “Fiat Elba” da Dilma.

O grito dos manifestantes nas ruas em março, com palavras de ordem como: “Lula cachaceiro, devolve o meu dinheiro” e “Um, dois, três, Lula no xadrez”, e pesquisas qualitativas não publicadas revelam que a imagem do líder maior do PT já foi arranhada a ponto de o ex-presidente FHC assegurar na imprensa que se Lula concorresse hoje a presidente, perderia.

Conectados online pelas mídias sociais no exato momento em que estão se manifestando em todo o país, os manifestantes transmitem uns para os outros o que se passa nas diferentes cidades, fazendo com que essas palavras de ordem se espalhem como rastilho de pólvora pelo país.

Para completar, essa semana o Clube Militar se manifestou abertamente a favor do impeachment, e, portanto, contra a intervenção militar, puxando o tapete da minoria militarista que se infiltrou nas manifestações de março para dividir e tumultuar a luta pelo impeachment.

O cerco à Dilma, Lula e o PT vai se fechando. Não existe, na história, registro de que um exército mercenário remunerado com pão, mortadela e tubaína, possa vencer uma multidão de cidadãos livres lutando para viver num país livre e descente. O povo brasileiro está tomando as rédeas do seu destino.


 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • LOMBA ABAIXO

    O Boletim Focus desta segundo feira, mantendo a trajetória dos últimos meses, projeta novo recuo do PIB deste ano: a nova retração prevista já chegou a 1,01%. Que tal? 

  • LOMBA ACIMA

    Enquanto o PIB corre lomba abaixo, a inflação dispara lomba acima. Pelo IPCA, o Focus projeta nova alta: 8,20% para 2015. 

  • EXPOSIÇÃO DE ORQUÍDEAS

    O Bourbon Shopping Country recebe, entre os dias 9 e 12 de abril, a exposição de orquídeas do Círculo Gaúcho de Orquidófilos. O evento ocorre no átrio do terceiro andar do shopping, das 10h às 22h.

    O destaque da exposição é a floração da orquídea Cattleya labiata, planta que teve seus primeiros exemplares encontrados no nordeste brasileiro no início do século XIX. Haverá, além da exposição, venda de orquídeas e bromélias, bem como produtos de cultivo, com orquidários comerciais da grande Porto Alegre e colecionadores de orquídeas do Estado.

  • AGAS

    Amanhã, 07, a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) promove coletiva de imprensa para apresentar os resultados do levantamento Ranking Agas 2014. O subsecretário Estadual da Fazenda, Mario Wunderlich dos Santos, participará da coletiva para anunciar, juntamente ao presidente Longo, os vencedores da Nota Superpremiada.
     

FRASE DO DIA

"O preguiçoso sempre deixa pra amanhã, o que ele não vai fazer nunca na vida."