Artigos Anteriores

CAPITALISMO DE COMPADRIO??? QUE BICHO É ESTE??

ANO XIV - Nº 007/14 -

PROBLEMAS

Já vai longe o tempo em que o Brasil acumulava algo como quatro ou cinco grandes problemas para resolver. Como os brasileiros têm por hábito deixar tudo para ser resolvido na última hora, o estoque de encrencas não só virou uma grande montanha, como gerou, para desespero geral,  uma forte resistência para produzir soluções e/ou consertos.

INSIGNIFICANTE

Ora, diante do acúmulo de encrencas não enfrentadas, quando uma ou outra medida consegue ser aprovada com algum sucesso o impacto dos resultados alcançados acaba sendo insignificante em termos relativos. Daí a razão pela qual a economia do nosso empobrecido país só será capaz de reagir se os governantes resolverem mexer forte no estoque. 

VALOR RELATIVO

Vejam, por outro lado, que a montanha de dinheiro roubado (só a parte conhecida até agora), ainda que seja  elevada também é considerada como insignificante, se comparada com o fantástico rombo das contas de Previdência (soma dos regimes RGPS, mais conhecido como INSS, ou SEGUNDA CLASSE, e RPPS, mais conhecido como Previdência dos Servidores FEDERAIS, ou PRIMEIRA CLASSE) que só em 2016 atingiu o valor de R$ 305,3 bilhões.

BOLSA RELATIVA

Aliás, aproveitando que estamos falando de impacto financeiro, tanto relativo quanto absoluto, vejam que até o montante gasto com Bolsa Família virou esmola se comparado com o tamanho do dinheiro roubado da Petrobrás. Atenção: apenas da Petrobrás, gente.

POPULISMO

Ora, supondo que o povo brasileiro queira, de fato reduzir a carga de corrupção (a eliminação é impossível porque faz parte do DNA do povo que gosta e exige ter vantagem em tudo), ainda assim não está preparado para renunciar ao POPULISMO. Aí o furo é mais embaixo. Por força da educação que as duas últimas gerações receberam, esta possibilidade está fora de questão, do alcance e do interesse da maioria do povo, infelizmente.  

LIBERDADE

Fica claro e evidente, portanto, que a montanha de problemas que amarram a economia e dificultam a vida dos brasileiros não vai diminuir tão cedo. É mais provável, aliás, que seja aumentada. Enquanto não prevalecer a liberdade, que nada mais é do que tirar o pesado Estado das costas do povo, as chances de melhora são muito pequenas. De nada adianta, por exemplo, empurrar o problemão chamado PREVIDÊNCIA, para voltar a ser atacado daqui a 10 anos.  

CAPITALISMO DE COMPADRIO???

Ah, não se deixem levar pela enganação que representa o mais novo termo que a mídia e alguns bobos socialistas inventaram  para definir safadeza entre CORRUPTOS E CORRUPTORES, rotulada de CAPITALISMO DE COMPADRIO. Bobagem pura, gente. CAPITALISMO não tem e nem admite adjetivo. Mais: deveria ser experimentado no Brasil, onde nunca esteve presente. O que acontece é SAFADEZA PURA. 

Assine a Newsletter do Ponto Crítico

MARKET PLACE

  • IGP-M E IPC

    A segunda prévia do IGP-M de abril surpreendeu mais uma vez o mercado ao recuar 0,99%, ante expectativa de -0,72%, após registrar alta de 0,08% na mesma leitura do mês anterior. A desaceleração do índice foi puxada pelos preços ao produtor (IPA), que passaram de -0,08% em março para -1,60% em abril, com destaque para a queda de produtos agropecuários (de -0,66% no mês anterior para -3,97%). Os preços de produtos industriais também exibiram recuo, de +0,14% para -0,75%.

    O IPC, índice de preços ao consumidor, por sua vez, apresentou leve queda de +0,32% no mês anterior para +0,30% em abril. A abertura apresentou como destaques a aceleração dos preços de Alimentação (de +0,16% para +0,78%), e o recuou do grupo Habitação (de 0,64% para 0,21%).

    Já o INCC, que mede os preços da construção civil, recuou de 0,52% para -0,09%.

  • SUPERMERCADOS

    Um dos mais fiéis termômetros da economia por sua penetração e representatividade no cotidiano dos consumidores, o setor supermercadista gaúcho mostrou sinais de retomada e voltou a crescer, em 2016, na comparação com o ano anterior.

    Hoje (19), o presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) Antônio Cesa Longo revelou os detalhes do Ranking Agas 2016, estudo que contemplou as 252 maiores companhias do setor no RS para mapear o desempenho dos supermercados do Estado no ano passado e revelar alguns dos novos hábitos de consumo e mudanças no comportamento dos gaúchos em frente às gôndolas do setor.

    Segundo a pesquisa, os supermercados do RS registraram juntos um faturamento bruto de R$ 28,7 bilhões em 2016, um crescimento nominal de 9,7% em relação a 2015. Deflacionado pelo IPCA/IBGE no período, o número mostra um crescimento real de 3,4% para o setor supermercadista gaúcho em 2016. “Há uma clara readequação dos consumidores ao seu poder de compra, mas o varejo mais uma vez deu mostras de sua agilidade e está completamente alinhado às necessidades do seu cliente. Este entendimento permitiu que o setor crescesse acima da inflação em 2016, apostando em uma gestão eficiente das empresas e com foco no giro dos produtos”, explica o presidente da Agas. 

FRASE DO DIA

Você pode ignorar a realidade, mas não pode ignorar as consequências de ignorar a realidade.

Ayn Rand